Faixa publicitária
Festa da Dedicação da Sé - Abertura do Ano Pastoral PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homílias 2009

Compreenderemos muito bem, estimados irmãos e irmãs, o espanto de Salomão, que a primeira leitura resumia assim: “ - Mas será possível que Deus habite com os homens na terra?”. Como o rei antigo, bem sabemos que os céus são pequenos e toda a terra exígua para conterem o seu infindo Criador. E ainda menos qualquer casa que Lhe levantemos, mesmo tão grandiosa como o templo de Jerusalém, mesmo tão venerável como esta igreja catedral cuja dedicação comemoramos.
Sabemos até – e é bom que o saibamos deveras – como são perigosas e persistentes as materializações do culto, as localizações da devoção e as preferências dos lugares, quando se trata da nossa relação com o Deus vivo, sempre mais além de qualquer previsão nossa. Como sabemos igualmente que a tendência contrária, para abstrair e deslocalizar, treinando a mente para a não-representação absoluta, podendo traduzir em si mesma o respeito devido à alteridade divina, não pode resumir tudo quanto a revelação bíblica nos oferece, enquanto revelação de Deus e do homem, em mútuo relacionamento.
O próprio Salomão o pressentia, logo a seguir, dirigindo-se ao mesmo Deus que confessara tão ilocalizável: “Os vossos olhos estejam abertos, dia e noite, sobre esta casa, sobre este lugar do qual dissestes: ‘Aí estará o meu nome’”.
Mas era ainda dum lugar que se tratava… Seria destruído mais tarde e uma e outra vez reconstruído, como derrubadas, frustradas e apesar de tudo persistentes foram as expectativas dos seus devotos, de esclarecimento vário. Até que não ficasse pedra sobre pedra…
Símbolo duma relação viva e autêntica, como devia ser, entre o povo e Deus, o templo foi destruído pelo prévio definhamento dessa relação, da parte do povo, como tantos profetas alertaram, da parte de Deus. Deus é verdadeiramente ilimitável, mas a si mesmo se adequa ao espaço limitado de cada pessoa humana, pois é essa a verdade do amor. Tivesse permanecido a adoração do povo e as paredes do templo não seriam derrubadas. Porque é esta a qualidade dos símbolos: reúnem a quantidade do que há e vai haver; diluem-se quando a realidade se rarefaz, por ausência ou olvido.
É uma constatação fácil, mas também uma advertência séria. E tendo aqui connosco os nossos professores de moral e religião católicas, no início do novo ano escolar, não quero deixar de agradecer e motivar ainda mais o seu trabalho, como guardiães criativos da tradição simbólica do humanismo cristão, tão necessária à nossa auto-compreensão como sociedade e tão motivadora da nossa realização fraterna.
Caríssimos professores: chamai a atenção dos vossos alunos para os símbolos magníficos do Cristianismo vivo. Mas, sobretudo, ajudai-os a interpretar a sua linguagem e atraí-os à verdade que os preenche, em todas as artes que os construíram e em toda a caridade que traduzem. Foi por isso mesmo que, da parte de Deus, a misericórdia acabou em figura de homem: Deus absoluto num homem concreto.
Ouvimo-lo no Evangelho, como convém lembrar. Naquele diálogo entre Jesus e os seus discípulos, naquela afirmação de Pedro e na resposta do Mestre desvendado, renasceu o “templo”, transformado agora em Igreja de pedras vivas e congregadas pela mesma fé confessada. A Igreja nasce assim, com os que respondem com o apóstolo: “Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo!”. A Igreja cresce também, no alargamento desta certeza, que o próprio Pai infunde pelo esclarecimento do Espírito.
Assintamos nós, cada um de nós, do modo mais consciente e responsável. Mas a iniciativa é verdadeiramente divina: o Pai oferece-nos em Jesus uma presença salvífica e, pelo Espírito, faz-nos reconhecê-lo como tal. Neste reconhecimento de todos, tão bem significado na resposta de Pedro, unimo-nos como Igreja, para Deus e para o mundo. Para Deus em acção de graças, para o mundo em missão evangelizadora.

Caríssimos Vigários, coordenadores por excelência da vida eclesial das vossas vigararias; caríssimos professores, que em tantas escolas prolongais a pergunta de Jesus, como que proporcionando ao Espírito a ocasião para os vossos alunos responderem como Pedro; caríssimos irmãos e irmãs aqui presentes na inauguração dum novo ano pastoral: se nos preparamos todos para a Missão Diocesana, a desenvolver em 2010, tenhamos muito em conta que ela só poderá significar o que o trecho evangélico nos ensinou. E isto com duas condições imprescindíveis: será obra divina, iluminando as nossas inteligências e corações para o reconhecimento de Jesus como Cristo e salvador; requer que cada um de nós, pessoal e comunitariamente, deixe transparecer em si mesmo a presença de Jesus, interpelando pelo testemunho e interrogando por palavras e obras.
Sim, amados irmãs e irmãs, a iniciativa é divina, na acção conjunta das três Pessoas da Trindade Santíssima. A Igreja, também “desce do Céu”, como sinal e operação daquela última cidade em que nos realizaremos todos. Disse-o o vidente, com palavras de grande significado e sugestão: “Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do Céu, da presença de Deus, bela como noiva adornada para o seu esposo”.
Mas nada disto nos dispensa, nem secundariza o esforço; muito pelo contrário,  exige-nos uma grande compreensão e corresponsabilidade, por não ser obra primariamente nossa, mas essencialmente divina, que passa por cada um de nós, onde esteja e com os encargos que lhe impendem.
Assim nos preparamos imediatamente para a missão diocesana. E, uma vez assentes nas ideias, sejamos agora práticos na acção. Com alguns pontos enunciáveis:
1º) Cristãos singulares e comunidades cristãs, um por um e todos juntos, em paróquias e capelanias, congregações e institutos, irmandades e associações, movimentos e grupos; caríssimos professores e demais educadores, escola a escola, em todos os graus de ensino: antes de mais, rezai pela missão e rezai-vos em missão, assumindo as imprescindíveis palavras de Paulo: “Mas, quando aprouve a Deus […] revelar o seu Filho em mim, para que o anuncie como Evangelho entre os gentios” (Gl 1, 15-16).
Sim, amados irmãos e irmãs, a missão não se garante em nenhum voluntarismo nosso, mas na vontade de Deus, unicamente na sua disposição constante de chegar pelo corpo eclesial de Cristo a cada pessoa e situação, com palavras de salvação e paz, as mais concretas e situadas, caso a caso. Para isso trabalha o Espírito, revelando-nos Jesus como Cristo e revelando Cristo em nós, como oferta ao mundo.
Mas o que isto possa ser agora e em cada mês de 2010, apesar de tudo quanto programemos, só Deus essencialmente o sabe, revelando-o aos corações disponíveis que lhe repitam sem cessar: “Seja feita a vossa vontade!”. Assim aconteceu o Evangelho no mundo, pelo coração de Maria, símbolo vivíssimo de todas as missões. Deixai-me, a propósito, recordar o que me disse há anos um monge grego, precisamente no local em que João viu descer do céu a cidade santa: “Para nós, a evangelização acontece quando deixamos o Espírito transformar-nos em Evangelho vivo”.
Tentando ser ainda mais prático e quase comezinho, dir-vos-ei: incluí no vosso programa diário a oração pela missão, reproduzindo os sentimentos de Maria: “Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1, 38).
2º) Tomai em consideração atenta os tópicos de cada mês, já apresentados em Maio passado pelos nossos Secretariados Diocesanos e agora mais especificados no Calendário divulgado. Constituí em cada realidade eclesial um ou vários grupos de trabalho que, em ambiente de oração e criatividade, olhem a realidade envolvente e concretizem acções específicas de evangelização, para chegar um pouco mais longe e sempre mais a fundo, com o anúncio de Jesus Cristo, de Jesus como Cristo e salvador de todas as ocasiões e circunstâncias.
Estão a ser preparadas pelos Secretariados acções de referência, mês a mês, em ligação com o ritmo da nossa sociedade e cultura. Mas, pretendendo ser apenas isso – acções de referência –, visam sugerir e estimular e não substituir nem obviar o que só nos diversos locais e sectores pode e deve ser pensado e realizado. Por isso deixai-me insistir, em especial para os âmbitos vicariais e escolares, aqui tão presentes nesta feliz celebração: - Retomando o estilo evangélico, tão praticado aliás pela Acção Católica, local a local, sector a sector, vede, julgai e agi! Vede e avaliai as situações e as urgências; ajuizai com critério evangélico o que podeis e deveis fazer; seleccionai as acções correspondentes e levai-as por diante. – Como será revelador, mais para o fim da Missão, escutarmos os relatos do que foi acontecendo, nesta ou naquela paróquia, nesta ou naquela escola, nos mais diversos recantos do território, da sociedade e da cultura! Saberemos melhor o que fazer depois, na segunda década do século; divisaremos com mais nitidez, como vai “descendo” do Céu a cidade santa.

Retomemos, por fim, o começo destas considerações que a Palavra de Deus nos sugeriu, rumo à Missão 2010. A Igreja acontece e expande-se como oferta, pelo reconhecimento de Jesus como o Messias de todas as esperanças, o Cristo da resposta divina ao coração de todos. A Igreja, descobrindo-O assim pela iluminação do Espírito, vai-se descobrindo n’Ele, por uma relação viva que a transforma em seu corpo e manifestação ao mundo. É este o âmago da missão eclesial.
Certeiramente o indicou o papa João Paulo II, quando nos deixou há anos um “programa” para o novo milénio, cuja primeira década a nossa missão quer ultimar. Escrevia assim o grande pontífice, como decerto todos recordamos: “… os homens do nosso tempo, talvez sem se darem conta, pedem aos crentes de hoje não só que lhes ‘falem’ de Cristo, mas também que de certa forma lho façam ‘ver’. E não é porventura a missão da Igreja reflectir a luz de Cristo em cada época da história, e por conseguinte fazer resplandecer o seu rosto também diante das gerações do novo milénio?” (Carta apostólica Novo millenio ineunte, nº 16). E ainda: “O programa já existe: é o mesmo de sempre, expresso no Evangelho e na tradição viva. Concentra-se, em última análise, no próprio Cristo, que temos de conhecer, amar, imitar, para nele viver a vida trinitária e com Ele transformar a história até à sua plenitude na Jerusalém celeste. É um programa que não muda com a variação dos tempos e das culturas, embora se tenha em conta o tempo e a cultura para um diálogo verdadeiro e uma comunicação eficaz. Este programa de sempre é o nosso programa para o terceiro milénio” (ibidem, nº29).
Caríssimos irmãos e irmãs, aqui reunidos como corpo eclesial de Cristo, na dedicação constante da nossa catedral e diocese: - Temos programa, temos conteúdo e temos critério: demos-lhes “cor local” e oportuna, refulgurando em cada crente, comunidade e sector o rosto de Cristo, que quer ser “Deus connosco” em 2010 e sempre!

Porto, Solenidade da Dedicação da Sé, 9 de Setembro de 2009
+ Manuel Clemente, Bispo do Porto

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

D. António Francisco dos Santos fala sobre o padre Joaquim Cunha, sacerdote mais idoso de Portugal

Catequese Infantil
2017-04-27 14:38:43
Guião
2017-04-27 14:37:25
Pagela
2017-04-27 14:36:55
JORNADAS DE PASTORAL VOCACIONAL
2017-04-27 14:36:19
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.