Faixa publicitária
Bênção e Dedicação da Igreja Nova de S. João de Ver - D. João Lavrador, Bispo Auxiliar PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homílias 2008

«Este é um dia grande consagrado ao Senhor; não vos entristeçais, porque a alegria do Senhor é a vossa força». Com estas palavras de Neemias, escutadas na primeira leitura da Eucaristia de hoje, quero exprimir a minha alegria e partilhá-la convosco neste dia tão belo e importante para a comunidade paroquial de São João de Ver e para todos os habitantes desta freguesia. Tal como todo o esforço, mesmo cansaço, do Povo de Deus, por ser fiel ao Deus da Aliança, no meio de um povo estrangeiro, reconhecido pelo profeta que convida a nova coragem para seguir na docilidade ao chamamento de Deus presente na  Palavra que lhe era oferecida, reconheço o longo percurso, os momentos de entusiasmo e de preocupação, de coragem e de dificuldade, que nortearam este longo trajecto da edificação deste templo. Por isso, dando graças a Deus pela concretização deste projecto, apresentamos ao Senhor como dom de nós mesmos todos aqueles que se afadigaram, trabalharam, lutaram para que hoje pudéssemos ter a alegria de ver realizado aquilo que há várias décadas atrás foi o sonho de dotar esta comunidade cristã de uma Igreja digna para acolher todos aqueles que a ela quisessem recorrer.
Neste ambiente de alegria e de acção de graças ao Senhor Nosso Deus, construtor da história e edificador da nova humanidade em Cristo Jesus, a Palavra do Senhor convida-nos a aprofundar a consciência do que estamos a celebrar. Edificámos um templo, os nossos olhos contemplam as maravilhas da inteligência e do espírito humano, traduzidos na arte e na conjugação do esforço, mas a leitura da fé leva-nos mais longe e reconhece que este lugar é sinal de um outro templo que já no Antigo Testamento queria significar o habitar de Deus no meio do Seu Povo. Deus peregrina com os homens, partilha da sua sorte, como Pai, respeitando, embora, integralmente a liberdade e autonomia dos seus filhos, torna-se próximo para estabelecer o diálogo que Ele tanto deseja e que o Povo de Deus tanto necessita, a tal ponto, que no Seu Filho, se estabelece uma relação tão profunda entre o ser humano e Deus, através da Encarnação, que Jesus Cristo identificou o verdadeiro templo consigo mesmo. Recordemos o episódio do encontro de Jesus com os que vendiam no templo e aos quais Jesus interpela, afirmando: «Destruí este templo e eu em três dias o levantarei» (Jo.2, 19). Conclui o evangelista deste modo: «mas Ele falava do templo do seu corpo»(Jo. 2, 21).
Igualmente, todos os membros da comunidade cristã de São João de Ver e mesmo todas as pessoas desta freguesia devem olhar para esta nova Igreja e descobrir nela o sinal visível da realidade de Jesus Cristo que quis habitar no meio de nós.  Ele, sim, é o verdadeiro templo onde habita Deus. De tal modo, que todo o ser humano sequioso de Transcendência, o mesmo que é dizer de Deus, possa caminhar para Ele através d’Aquele que disse de si mesmo: «Eu sou o caminho, a Verdade e a Vida, ninguém vai ao Pai senão por mim» (Jo.14,8).
Mas a palavra de Deus a partir da centralidade da permanente Encarnação de Jesus Cristo no meio do mundo, figurada no templo físico, amplia o seu significado. Escutámos no Evangelho o apelo que Jesus faz a Pedro, «Tu és Pedro e sobre esta Pedra edificarei a minha Igreja» (Mt. 16,18); Ele, Jesus Cristo, que, no dizer de S. Paulo, é a Pedra angular (cfr. Ef.2, 20), e nEle qualquer construção bem ajustada cresce para se tornar um templo santo do Senhor. Se, por um lado, Jesus Cristo, exigindo a Pedro um conhecimento perfeito e professado acerca da sua Pessoa e Mistério, o confirma como a rocha inabalável sobre a qual irá construir a sua Igreja, e neste sentido, proclama a verdade fundamental de uma Igreja, comunidade de discípulos, alicerçada no colégio Apostólico; por outro, ainda na linguagem de S. Paulo, convida-nos a nós, em comunhão de fé viva, consciente e empenhada com os Apóstolos, a participar da mesma construção. Recordemos neste sentido as palavras de S. Paulo que dizem: «Já não sois hóspedes nem peregrinos, mas sois concidadãos dos santos e membros da família de Deus, edificados sobre o alicerce dos Apóstolos e dos Profetas, com Cristo por Pedra angular. N’Ele qualquer construção bem ajustada, cresce para formar um templo santo no Senhor, em união com o Qual também vós sois integrados na construção, para vos tornardes, no Espírito, habitação de Deus» (Ef. 2, 19 -22). Grande é a dignidade a que somos chamados, grande a tarefa que nos é pedida, grande a glória que usufruímos para a partilharmos com todo o ser humano que a ela aspira porque por ela está marcado.
Continuando ainda a nossa reflexão a partir de S. Paulo, ecoa nos nossos ouvidos a palavra tão nobre e edificante que escutámos na segunda leitura, numa afirmação tão categórica «vós sois edifício de Deus» (1Cor. 3, 9). Paulo identifica-se agora com o arquitecto que colocou o alicerce e apela a uma grande vigilância para que ninguém destrua o único fundamento que é Jesus Cristo. Palavra tão actual, não só no reconhecimento do que somos; tão necessária se torna esta iluminação em tempos de desconcerto, de relativismo, futilidade e superficialidade, que reclama em nós a consciência verdadeira do alicerce da nossa vida humana, dos valores e critérios que contam e dignificam a pessoa, e da fé cristã que solidamente enraizada e bem conhecida se torna fonte inesgotável de oferta de vida autêntica para todo aquele que nos questionar sobre as razões da nossa esperança (cfr. 1Pe. 3, 15); mas também para todos os discípulos de Jesus Cristo que se reconhecem chamados a fazer a experiência de ser Povo de Deus, Comunidade, que vive intensamente a vida da Graça divina, comunica de maneira fiel a Jesus Cristo tal como Ele é, para que não se mutile Aquele que é a Água viva que sacia a sede do ser humano de qualquer tempo e, por isso, também o ser humano actual (cfr. Jo 4). Tal como S. Paulo, somos «administradores dos mistérios de Deus. Ora o que se requer dos administradores é que sejam fiéis» (1Cor.4, 1-2). É dos maiores contributos que poderemos dar à cultura actual e aos homens e mulheres do nosso tempo, se afincadamente reconhecermos e oferecermos a verdade do Evangelho tal como nos é apresentada na pessoa de Jesus Cristo e nos é proclamada pela fé apostólica.
Todos os sinais da bênção e dedicação da Igreja nos elevam para o sagrado, para Deus que habita neste lugar privilegiado para a oração, para a celebração dos sacramentos, através dos quais a comunidade cristã se alimenta dos gestos salvadores de Jesus Cristo e partilha, em acção de graças, o amor fraterno. Mas, S. Paulo insiste em que a santidade é própria de cada um de nós, individual e comunitariamente, porque somos habitados pelo Espírito Santo. O mesmo Espírito Santo que, santificando-nos nos faz reconhecer o que tem ou não consistência na vida de cada pessoa e de cada comunidade, nos convida a respeitar a santidade de Deus que habita neste templo e, de igual modo, apreciar e edificar a santidade de Deus presente em cada pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus e de maneira singular nos mais desfavorecidos da sociedade com os quais Jesus Cristo se quis, preferencialmente, identificar.
Neste ambiente de festa e de acção de graças, permitam-me que convide esta comunidade cristã de São João de Ver a continuar o seu esforço por edificar os espaços necessários para que o templo hoje dedicado possa ser sinal também do acolhimento e do diálogo com o mundo e a sociedade dos homens. A insistência do Concílio Vaticano II em apresentar a Igreja em diálogo com o mundo de hoje exige também as estruturas para que a comunidade cristã possa de modo adequado realizar as suas tarefas de aprofundamento das Verdades da Fé, do exercício da caridade e da promoção cultural. Que não falte a coragem para continuar com esta obra.
A construção de um novo edifício para a reunião da comunidade cristã numa freguesia é uma ocasião importante de caminhada comum que em muito contribui para se edificar uma outra construção que nunca está acabada, mas que está continuamente a crescer, a construção da comunidade humana e cristã. Bons passos já se deram que são a garantia de outros novos que se necessitam de dar até se alcançar a verdadeira estatura de Jesus Cristo, modelo do ser humano renovado. A este empreendimento vos deveis dedicar com generosidade e esforço, usufruindo agora de espaço mais condigno com as actividades que uma comunidade cristã tem necessidade de realizar.
Termino com uma palavra de congratulação e de agradecimento por parte da diocese do Porto e do seu Bispo a todos os que tornaram possível a edificação desta Igreja, aos párocos, nomeadamente o actual Padre António Costa, aos senhores arquitectos, nomeadamente o que ultimamente acompanhou esta fase das obras, às autarquias, Câmara Municipal e Junta de Freguesia, às Comissões que se organizaram para este fim, numa palavra a toda a Comunidade Cristã de São João de Ver.
Que Nossa Senhora, que trouxe a Jesus Cristo no seu seio, verdadeiro Templo de Deus, encaminhe esta Comunidade e cada um de vós até ao Pai, por meio do seu Filho Jesus Cristo. Amén.

+ João Lavrador
Bispo Auxiliar do Porto

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Ressurreição é «um acontecimento que se celebra na transformação do mundo» - Bispo do Porto

Catequese Infantil
2017-04-27 14:38:43
Guião
2017-04-27 14:37:25
Pagela
2017-04-27 14:36:55
JORNADAS DE PASTORAL VOCACIONAL
2017-04-27 14:36:19
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.