Faixa publicitária
Dedicação da Sé - Início do Ano Pastoral 2008-2009 PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homílias 2008

Amados irmãos e irmãs, caríssimos diocesanos

Abrimos o novo ano pastoral com a celebração festiva da Dedicação da nossa Catedral do Porto. Permite-o o calendário, neste dia 9 de Setembro, e sugere-o a liturgia própria, tão rica e motivadora.
Dedicar um templo, ainda mais episcopal, é significar a Igreja, também ela “corpo” de Cristo no mundo, enquanto participamos pelo Espírito no seu mistério pascal.
Século após século, proclamou-se aqui uma Palavra, celebraram-se os seus Sacramentos, estreitou-se tal comunhão, que, qual fonte transbordante, a vida de Cristo se alargou e alarga num “corpo” de testemunhas para a cidade e além dela. Como sabemos, o presente ano pastoral pretende o crescimento de todos e de cada um na corresponsabilidade para a missão, preparando com São Paulo a missão diocesana de 2010.
Neste templo matricial de todos os outros da nossa Diocese recomeçamos nós agora, para a actividade de sempre: actividade do Espírito que, em Cristo, nos dedica ao Pai; actividade do Espírito que, a partir do Pai, nos oferece com Cristo ao mundo.
Com a vossa presença geral e específica, de um novo vigário geral da Diocese, de novos vigários da vara e adjuntos e de professores de Educação Moral e Religiosa Católica, deter-me-ei em dois pontos que considero prioritários. Enuncio-os assim: comunidade e cultura.

Dizer comunidade é dizer Igreja, em cada uma das suas concretizações sócio-pastorais, paróquia, congregação ou grupo. Não há outro modo de crescer em Cristo, nem de experimentar normalmente a sua vida ressuscitada e ressuscitadora, primeiro e constante objectivo de tudo quanto façamos como Igreja. A Igreja existe para que a Páscoa de Cristo seja anunciada, celebrada, convivida e oferecida, o que acontece precisamente na comunidade cristã.
Tempos houve em que a comunidade cristã contrastaria “de mais” com um mundo que a rejeitava, como acontece ainda onde não há liberdade religiosa, nem critério cristão. Sucederam-se outros em que o faria “de menos”, quase se resumindo à pretensa sacralização dum mundo que até desistia de se converter… E não é difícil apurar como ainda persistem, sob aparências cristãs, resquícios vários daquela religiosidade arcaica que já resistiu a Cristo e à sua Páscoa libertadora.
Não andaria longe disso o que Cristo encontrou em Jerusalém, como ouvimos: religiosidade intensa, decerto, mas muito por purificar, no culto verdadeiro que Ele mesmo representava. Tendo purificado energicamente o templo e logo interpelado sobre a legitimidade de proceder assim, respondeu: “Destruí este templo e em três dias o levantarei”. E o evangelista esclarece: “Jesus falava do templo do seu corpo” (cf. Jo 2, 13-22). Inaugurou o templo novo, casa comum de Deus com os homens, no seu corpo ressuscitado, corpo eclesial também, para adorar o Pai e servir o próximo.
Deste templo novo é “sacramento” a Igreja, em cada uma das suas expressões comunitárias. Mas nisto mesmo encontramos a grande urgência pastoral de redefinir e reconfigurar a vida comunitária, dada a nova sociologia geral em que tem de assentar.
Leiamos as cartas de São Paulo ou os Actos dos Apóstolos: de Jerusalém a Roma, de Antioquia a Corinto, tratava-se de terras definidas e populações concretas, mesmo que não faltassem deslocações de pessoas e famílias, por comércio ou outras causas. A essas cidades corresponderam Igrejas, com semelhante definição. Seguiu-se a dispersão rural do medievo e a crescente proliferação paroquial. Inversamente, a actual concentração urbana, tão patente na nossa Diocese, com as novas redes de habitação, trabalho e comunicações, traz-nos uma situação muito diferente, que ainda não teve a necessária resposta pastoral, em termos comunitários e, muito especialmente, inter-comunitários.
Todos o sentimos, quer porque põe em causa o nosso modo tradicional de trabalhar, muito repartido pela geografia, quer porque distende os laços de proximidade proporcionados pelas antigas vizinhanças fixas e prolongadas. Hoje, muitos dos nossos paroquianos são realmente inter-paroquianos, e até “urbanos de semana, rurais de fim-de-semana e litorais de Verão”, em tantos casos.
Hoje, numa sociabilidade nova em que as convicções se assumem ao sabor de encontros, talvez mais até do que por tradição doméstica ou local, a comunidade dilui a base territorial para ganhar contornos inter-pessoais, de movimento ou grupo. Hoje, a transmissão de noções e a partilha de notícias alcança, com a rede informática, ritmos e âmbitos muito pouco situados em termos tradicionais…
- Como concretizar então a imprescindível experiência comunitária, essencial à (con)vivência cristã propriamente dita? – Como fazê-lo sem perder nada de essencial da realidade paroquial nem de outras formas associativas tão bem comprovadas? – Como inventar o futuro sem alhear o passado, e isto com crescente dificuldade em garantir às comunidades cristãs uma presença sacerdotal que, aliás, elas também não originam suficientemente?
Sim, irmãos e irmãs, os números são o que são e, a curto prazo, teremos menos padres e menos celebrações eucarísticas, em menos locais. Ninguém se iluda, alheie ou adie, quanto a esta certíssima realidade. Aliás, há sinais de esperança, quer no aumento de pré-seminaristas e seminaristas, quer na colaboração generosa dos religiosos na vida diocesana, quer nos muitos e promissores candidatos ao diaconado permanente. Mas só se concretizarão a médio prazo e temos de crescer muito na oração e no interesse pelas vocações, não só no respectivo serviço diocesano mas, antes de mais, nas famílias e nas comunidades cristãs.              
Pois bem, caríssimos vigários e adjuntos, é convosco que conto particularmente, agradecendo-vos muito a disponibilidade com que aceitastes esta importantíssima missão. Numa Diocese tão preenchida como a nossa, é absolutamente necessária a realidade intermédia das vigararias, como instância privilegiada de coordenação pastoral, primeira tarefa que o Código de Direito Canónico vos comete. Um bispo diocesano - mesmo que generosamente auxiliado por três irmãos no episcopado, dois vigários gerais e a cúria diocesana – é pouquíssimo, em termos de eficácia pastoral, para responder realmente a uma população de mais de dois milhões de habitantes, com uma rede de 477 paróquias e um sem fim de associações e grupos.
Antes de ser um item da Doutrina Social da Igreja, a subsidiariedade é uma exigência bíblica e pastoral. Assim aconteceu sobretudo com Cristo, quando escolheu apóstolos e outros colaboradores, para repartir a missão. Valorizar as vigararias inclui-se verdadeiramente aqui, para que a pastoral, territorial e não só, tenha mais fecunda concretização nos conjuntos de paróquias que agora as integram.
Sobretudo, para se avançar na partilha pastoral e na acção conjunta de padres seculares e religiosos, diáconos, consagrados e leigos. Conto muito convosco, caríssimos vigários e adjuntos, para motivardes os vossos colegas sacerdotes e o Povo de Deus em geral das vossas áreas, para uma vida eclesial mais autêntica, como “corpo de Cristo”, diversificado e complementar nos seus membros, mas presente e actuante num mundo que já não consente compartimentos estanques, nem social nem culturalmente falando. Tudo quanto poderdes fazer e fomentar inter-comunitariamente responderá melhor à actualidade e antecipará um futuro tão inevitável como promissor.

A alusão cultural orienta-me agora para vós, estimados professores de Educação Moral e Religiosa Católica, que quisestes estar presentes nesta celebração inaugural do novo ano pastoral e também escolar. Nos termos da Epístola aos Efésios, assentais em Cristo, qual “pedra angular” (cf. Ef 2, 19-22), quer vós quer o ensino que ministrais. Na cultura actual – como naquela a que São Paulo se dirigia – o vosso contributo reside precisamente aí, na transmissão de Cristo como pessoa viva, onde as existências podem encontrar a força e a solidez certíssimas da companhia que não falha e da luz que não se apaga.
Nas vossas aulas e outras actividades proporcionareis a todos o que vos foi e é proporcionado a vós mesmos, neste corpo eclesial de Cristo em que vos integrais: a sua presença ressuscitada, o sentido pascal da vida, só acrescentada e renovada na medida em que se entrega, na adoração divina, que liberta o coração, e no serviço do próximo, que nos realiza como pessoas.
Não há assunto nem tema, das ciências às humanidades e às artes, que não possais aprofundar com os vossos alunos, à luz da pessoa, das palavras e dos gestos de Jesus de Nazaré, o nosso Cristo. Com isso não fareis nenhuma intromissão abusiva na laicidade da escola pública, ou em detrimento da tolerância e do pluralismo. Muito pelo contrário, proporcionareis aos vossos alunos o conhecimento existencial e teórico da realidade mais fundamental e fecunda da nossa tradição cultural, cuja ausência truncaria ilegitimamente a sua caminhada pessoal, em liberdade instruída e solidária. A liberdade e o pluralismo não se restringem, antes enriquecem, postos diante de Alguém tão excepcional como Cristo, em si mesmo e na sua larga e reconhecida consequência cultural e civilizacional.

Caros vigários e adjuntos, caros professores e demais fiéis aqui reunidos. Na companhia de Nossa Senhora da Assunção, titular desta catedral, e de São Paulo, cuja vida e ensinamentos hão-de motivar intensamente o tempo que vivemos, iniciemos então o novo ano pastoral de 2008-2009. Na incumbência eclesial de cada um, manifestemos a presença do templo vivo que Cristo ressuscitado eleva no mundo, no poder do Espírito, para a felicidade de todos e glória de Deus Pai!

Porto, 9 de Setembro de 2008, Solenidade da Dedicação da Igreja Catedral        
+ Manuel Clemente , Bispo do Porto

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Missa da Peregrinação diocesana do Porto de 9 de Setembro 2017

Angelus TV

rito da coroa / pegada / preces
2017-11-29 11:43:29
Vigília
2017-11-02 17:36:10
Rosário
2017-11-02 17:35:48
Áudio
2017-11-02 17:34:38
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.