Faixa publicitária
Missa Crismal PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homílias 2006

Na história da Liturgia e na memória das nossas recordações, a Missa Crismal era uma celebração a que presidia o Bispo assistido por alguns membros do Cabido, com a presença do Seminário e presbíteros ordenados no ano anterior. Era uma solenidade restrita e quase reservada. Hoje felizmente participam na Missa Crismal uma parte significativa do presbitério diocesano, e uma representação qualificada do Laicado, que torna exíguo e insuficiente o espaço da Catedral. Esta evolução, tão positiva e animadora, demonstra a consciência clara e esclarecida do que é a Igreja - Povo de Deus Sacerdotal, do que significa a Catedral como igreja-mãe da Diocese, e do que simboliza como unidade a consagração e bênção dos óleos que hão-de servir para administrar os sacramentos em todas as igrejas ou templos da comunidade cristã diocesana.

Ao congratular-me com esta expressão de consciência eclesial dos nossos fiéis cristãos e com a pedagogia convergente do nosso presbitério, cumpre-me referir a intencionalidade e o conteúdo cristológico da Liturgia desta celebração, na palavra proclamada e nos diversos ritos constitutivos.

Nos termos do Apocalipse, é por Jesus Cristo, a Testemunha fiel, que nos vem a graça e a paz de Deus. Porque nos ama, "pelo seu sangue nos libertou do pecado e fez de nós um reino de Sacerdotes para Deus, seu Pai"(Apoc. 1, 5-6). Sendo Deus, Jesus fez-se Homem porque era o Cristo prometido e esperado; e foi pela Sua Humanidade que deu a vida por nós e assim nos libertou do pecado. E pelo seu Sacerdócio fez de nós um reino de sacerdotes, reino efectivo e reino potencial ou virtual, porque "todos os olhos O verão, também aqueles que O trespassaram" (Apoc. 1, 7) e todos aqueles por quem Ele morreu, seja qual for a sua situação, disposição, mentalidade, proximidade, afastamento, neutralidade ou oposição. Ele é, como Deus, "o Alfa e o Ómega, Aquele que é, que era e que há-de vir, o Senhor do Universo" (Ibid.)

Mas é no Sacerdócio , que nos engloba e insere, que Cristo constitui para nós a referência mais visível e sensível.

No início do Seu Ministério, "Jesus foi a Nazaré, onde se tinha criado" (Lc. 4, 16), e, como era seu hábito de inserção e presença, no Sábado foi à sinagoga onde na sua vez se prontificou a fazer a leitura, que foi a do Profeta Isaías: "O espírito do Senhor está sobre mim, porque Ele me ungiu para anunciar a boa nova aos pobres. Ele me enviou a proclamar a redenção aos cativos e a vista aos cegos, a restituir a liberdade aos oprimidos, a proclamar o ano da graça do Senhor"(cf. Is. 61, 1 ss.; Lc. 4, 16 ss.). No fim exclamou: "Cumpriu-se hoje mesmo esta passagem da Escritura que acabais de ouvir" (Lc. 4, 21).

Essa passagem da Escritura, segundo o profeta, em consonância com o Apocalipse, referia-se à generalidade do povo crente e cristão quando anunciava: "Vós sereis chamados 'Sacerdotes do Senhor' e tereis o nome de 'Ministros do nosso Deus' (Is. 61, 6).

Determinada a missão do Messias, fica claro que para ela se requer a unção , embora seja certo que a missão é francamente visível enquanto a unção permanece na área da revelação, do mistério e da fé. Mas é a relação de causa-efeito que nos permite, com a Teologia católica, falar do Sacerdócio de Cristo como fonte e do nosso Sacerdócio como participação. E é ainda pelo magistério da Igreja que distinguimos entre sacerdócio ministerial ou hierárquico (participação no Sacerdócio de Cristo - Cabeça da Igreja) e o sacerdócio comum dos fiéis ou sacerdócio de todos os que foram baptizados em Cristo (cf. L.G. 10). E, "embora se diferenciem essencialmente e não apenas por grau, ordenam-se mutuamente um ao outro" (Ibid.).

Esta relação de mutualidade exprime-se de modo não único, e há quem prefira falar de uma Igreja toda ela ministerial, ou da Hierarquia constituída pelo Sacerdócio ordenado e do Laicado que comporta uma diversidade considerável de serviços e de ministérios.

A Liturgia da Palavra, que hoje proclamamos e analisamos, constitui a base para uma reflexão mais completa e profunda sobre a Igreja e a sua missão, sobre a Cabeça da Igreja e o ministério ordenado, sobre o Corpo da Igreja e a generalidade do Povo de Deus, sobre o Espírito do qual procede a unção, e sobre a missão que compete a todos e cada um para construção ou edificação do Corpo místico de Cristo (que continua a ser uma expressão consagrada, apesar da precisão introduzida pela Constituição "Lumem Gentium", quando fala de "uma única realidade complexa, formada pelo duplo elemento humano e divino... por analogia com o mistério do Verbo Encarnado" (nº 8).

Toda a Eclesiologia pós-conciliar tem sido submetida a um desenvolvimento profundo, em termos de especulação, de maior refontalização, de investigação, de tomada de consciência de missão e dever, de participação e responsabilização, na contestação frontal e na reivindicação pessoal ou de grupo. Mas importa atender e atentar no essencial, que hoje é, circunstancial e localmente, o problema da vocação para o ministério sacerdotal ordenado.

Declaramos o Ano de 2006 como o ano da pastoral vocacional sacerdotal, e temos verificado que a nossa proposta e apelo encontrou eco e aceitação colaborante na Diocese. Mas importa insistir e continuar a convergir num esforço de organização e maior empenhamento nesta dimensão mais restrita da pastoral vocacional. É a Igreja diocesana, na totalidade de situações, de serviços, de ministérios, de programas, de movimentos, que deve sentir-se interpelada.

É certo que a cultura actual, secularizada, religiosamente neutra e indiferentista, agnóstica ou ateísta, individualista e economicista, não favorece, contraria ou anula muitos dos sinais de esperança que despertam na juventude, nomeadamente quanto à vocação para o presbiterado, a consagração religiosa e o matrimónio religioso. Por isso, há que reflectir e convidar os jovens a reflectir sobre o que são como pessoas e sobre a respectiva realidade mais profunda, que é a vocação como base e sentido das preocupações de cada um e como esperança de realização e felicidade. O Papa João Paulo II falava da necessidade de promover "uma nova cultura vocacional" nos jovens e nas famílias e de dar um "salto de qualidade" na pastoral vocacional (Pastores dabo vobis, nº. 40)

A comunidade diocesana é felizmente muito sensível ás situações e contingências da presença ou ausência de pároco. E por isso a comunidade não pode refugiar-se em contextos de multidões sem responsabilidade individual e pessoal, porque todos e cada um dos membros da comunidade deve sentir-se responsável neste problema e nesta causa das vocações, e especialmente quando haver ou não haver um sacerdote afecta sensivelmente a vida de cada comunidade local e de cada igreja local.

Nem se pense que a vocação de consagração ou de ministério sacerdotal diz respeito apenas aos jovens. O aspecto da nossa sociedade permite-nos distinguir um leque diferenciado de reforma, de voluntariado, de disponibilidade, de busca de ocupação, de reflexão sobre ideais, de capacidade para servir, que nos leva a pensar que a pastoral das vocações não se destina a privilegiados, a predestinados, e que de facto não tem nem deveria encenar-se dentro de fronteiras. É para todas as idades e não apenas para a idade juvenil. É um problema de comunhão para a missão de todos. É para todos o dever da comunhão, é de todos a missão, porque todos são chamados á santidade na Igreja e para a vida e edificação da Igreja.

Para isso, pedimos aos sacerdotes (nomeadamente aos párocos), às famílias, aos catequistas, aos professores e educadores, aos movimentos e obras da Igreja diocesana, a todos os cristãos imbuídos de consciência vocacional, que se integrem nesta causa dedicando-se àquilo que é a "cultura do chamamento". É preciso convidar, propor directamente, sugerir, animar pessoalmente, acompanhar com solicitude.

Encontramos nas paróquias da Diocese grupos numerosos de Acólitos, administramos o sacramento do Crisma a multidões de jovens que frequentam a Catequese, preparamos uma percentagem animadora para o Sacramento do Matrimónio, organizamos e acompanhamos um sector vasto da juventude. Quem assume a responsabilidade de lembrar, sugerir, indicar, descobrir a vocação de consagração ou a vocação sacerdotal nestes jovens que frequentam a Igreja e se preparam para constituir famílias que sejam geradoras de vocação?

Rezar pelas vocações é fundamental e imprescindível. Mas o testemunho de fidelidade à vocação, a solicitude vocacional nas tarefas eclesiais e o exercício do ministério sacerdotal, a consciência mais viva de que a edificação da Igreja é tarefa comum e que suscitar operários compete a todos na Igreja, são condições para mobilizar a Igreja diocesana, em iniciativas singulares e de grupo, mas sobretudo no apoio e colaboração mais vastas com o Secretariado Diocesano da Pastoral das Vocações; todos mobilizados para a missão, porque acreditamos que o Espírito do Senhor está sobre nós, chamados "Sacerdotes do Senhor" e "Ministros do nosso Deus", destinatários da "aliança eterna" que por Cristo Sacerdote Deus estabeleceu com a Humanidade.

Sé Catedral do Porto, Missa Crismal, 13 de Abril de 2006

D. Armindo Lopes Coelho, Bispo do Porto

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Entrada Solene de D. Manuel Linda na Diocese do Porto

Agência Ecclesia

Guia?o.56.ª.Semana.Orac?a?o.Vocac?o?es Versão reduzida
2019-04-26 12:20:40
Cartaz e banner FB
2019-04-17 14:56:29
Pagela Oração
2019-04-17 14:56:10
Guião
2019-04-17 14:55:11
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.