Faixa publicitária
1 de Janeiro de 2010 - Homilia PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2010

SANTA MARIA MÃE DE DEUS – DIA MUNDIAL DA PAZ

Sinal e profecia do universo novo

É de grande encanto, caríssimos irmãos e irmãs, o modo como o evangelista Lucas nos coloca com os pastores diante de Jesus, Maria e José. Acabamos de o ouvir, mas peço-vos que o oiçamos de novo: “Naquele tempo, os pastores dirigiram-se apressadamente para Belém e encontraram Maria, José e o Menino deitado na manjedoura. […] Os pastores regressaram, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, como lhes tinha sido anunciado”.

 

Com tão poucas palavras, além das outras, temos tudo o que importa acolher na inteligência e no coração, para celebrarmos Santa Maria Mãe de Deus e o Dia Mundial da Paz, com alusão indispensável à Mensagem de Bento XVI, este ano intitulada “Se quiseres cultivar a paz, preserva a criação”.

Sigamos os pastores, admiremos a Sagrada Família e glorifiquemos a Deus. Nisto mesmo encontraremos a paz e a religião de Cristo. Encontraremos a paz, passando do alvoroço à surpresa; subiremos à religião de Cristo, substituindo o interesse pela glorificação do Pai. Por fim, preencheremos a natureza com uma autêntica alegria de pastores dela, respeitando a criação e concluindo-a com a nova criação que precisamente em Cristo acontece.

Tempos houve – quase todo o tempo até, da nossa longa história humana – em que a natureza era sentida como totalidade, inexorável totalidade, donde cada um mal se destacava, tal era a dependência de condições propícias ou adversas.

Num país como o nosso, mal conseguimos imaginar facilmente o que era a precariedade das vidas e o sobressalto dos dias, ainda há poucas gerações atrás. A altíssima mortalidade infantil, a pouca defesa contra qualquer infecção ou contágio, as resumidas práticas higiénicas, tudo se somava negativamente para ameaçar as vidas e agigantar os temores. Assim era connosco, assim continua a ser em grande parte do nosso mundo contemporâneo e desigual, sabemo-lo bem.

Como vivíamos culturalmente integrados, interiorizando vivências em sentimentos e traduzindo sentimentos em representações, tudo se reflectia também na religiosidade comum. Aspirando-se sempre à segurança, era em torno desta que se organizava a própria prática, visando acalmar pelo além a fragilidade do aquém e pedindo ao céu o que a terra podia pôr em causa.

A própria tradição bíblica só a pouco e pouco conseguiu “libertar” Deus das necessidades humanas e libertar o homem dos seus desejos imediatos, começando por este mesmo de se querer seguro e garantido. Como a religiosidade natural e espontânea, assim também a Bíblia inclui em muitas páginas as manifestações recorrentes duma humanidade que só se lembra de Deus quando d’Ele precisa… Mas aqui não há conversão, antes recurso e interesse.

Finalmente, quando em Jesus Deus nos diz a última palavra sobre si e sobre nós, a liberdade divina e a liberdade humana revelam-se inteiramente. A de Deus, como liberdade absoluta e absolutamente libertadora; a nossa, como liberdade dos filhos de Deus. Melhor ainda, retomando as palavras de Paulo aos Gálatas, que ouvimos há pouco, dizendo-nos que o Filho de Deus, filho de Maria também, nos elevou a uma relação filial com o Pai, plenamente gratuita e livre. Daí que o Apóstolo conclua e exorte: “E porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: ‘Abbá! Pai!’. Assim, já não és escravo, mas filho. E, se és filho, também és herdeiro, por graça de Deus”.

Religião de “filhos no Filho”, religião de adoradores universais, que tudo remontam à Fonte e de nada se apropriam como exclusivamente seu. Porque a própria natureza passa a ser outra coisa. No mar da Galileia, mesmo com vento forte e ondulação agitada, os primeiros discípulos viram e ouviram Jesus a acalmar os elementos, em refeita sintonia. Tempos depois, os que estavam no Calvário viram a terra e o céu a compartilhar do seu drama salvador, tremendo aquela e escurecendo-se este. E estou certo de que a madrugada pascal apareceu por fim com uma luminosidade nunca vista. Mas isto aconteceu em Cristo, porque nele a harmonia se reencontrava na comunhão do Criador com a criatura.

Quererá isto significar também que, em Cristo, a nossa humanidade é salva na sua mesma precariedade por um Deus humanado que a assume e garante pela união com o Pai, Fonte da Vida até na própria morte.

Libertação mais completa não a há decerto. E deste modo aceites tanto as vicissitudes humanas como as naturais, todas se tornam ocasião e desafio para uma vida mais plena, como é próprio de filhos de Deus. A resposta que Deus dá às nossas inseguranças é assumi-las Ele mesmo em Cristo, para as repassar de caridade vitoriosa: “A minha vida ninguém ma tira, sou Eu que a dou!” (cf. Jo 10, 17-18).

Assim mesmo nos ensina que até as circunstâncias mais gravosas, naturais ou outras, podem assinalar outras tantas vitórias da vida, pela caridade que as perpasse e exceda, aí sim, em perfeita liberdade. Desse modo se vencerão os medos, como as deformações religiosas que lhes são próprias. Não sabemos como se estava naquela altura em Belém; mas São Lucas quer-nos dizer que, ao depararem com a Sagrada Família, os pastores encontraram uma paz a toda a prova. Naquela Família, mesmo nas condições limitadas e nos sobressaltos vários que a atingiram então e depois, tudo estava salvo, porque tudo era oferta ao Pai e aos outros.

Fica Deus “liberto” das nossas necessidades, uma vez que as assume e pascalmente as salva. E ficamos nós livres pela pura caridade. É um longo caminho a percorrer, sabemo-lo bem. Tão longo, aliás, como o que geralmente demoramos para evoluir entre nós, das relações de mera necessidade e conveniência para relações verdadeiramente livres e gratuitas, em que nos amemos apenas “porque sim”, em tudo e mesmo apesar de tudo.

No que à religião respeita, significa passar do habitual apelo a este ou àquele santo, feito advogado desta ou daquela necessidade, para a relação filial que Jesus nos enuncia no “Pai Nosso”. É verdade que na Comunhão dos Santos somos acompanhados por aqueles que já concluíram em Cristo o seu caminho para o Pai, e especialmente nos aspectos mais sugestivos das suas vidas e lugares. Mas o que os santos mais querem, caríssimos irmãos e irmãs, muito mais do que garantirem a vida que ainda levamos, é levar-nos com eles no seguimento de Cristo. Assim se transmudará a religião espontânea em religião salva e salvadora.

 

Tudo isto se endereça ao tópico deste Dia Mundial da Paz: “Se quiseres cultivar a paz, preserva a criação”. Na sua oportuníssima Mensagem, Bento XVI lembra-nos pontos essenciais duma ecologia integral, em que nada fique de fora da vontade do Criador, assim esclarecida (segundo o Catecismo da Igreja Católica): “Porventura não é verdade que, na origem daquela que em sentido cósmico chamamos ‘natureza’, há um desígnio de amor e de verdade? O mundo não é fruto duma qualquer necessidade, dum destino cego ou do acaso, […] procede da vontade livre de Deus, que quis fazer as criaturas participantes do seu ser, da sua sabedoria e da sua bondade” (Mensagem, nº 6).

Intenção divina que passa, indispensavelmente, pela responsabilidade humana. Concretizando mais um pouco: não temos uma terra para temer nem para desgastar, mas para conhecer e desenvolver, como verdadeiros cuidadores dela. Nisto colaboraremos com Deus, cumprindo da criação o que nos caiba. – E ainda será tanto, do nosso pequeno planeta até aos espaços siderais que nos desafiam, mas sobretudo nos levam a dar glória ao seu divino Autor!

Tomaremos como próprias, tanto a nossa actual situação precária como a crescente condição divina em que o Espírito de Cristo nos vai garantindo, num longo percurso de libertação que até da morte fará vida, porque transformada em dom. E, especialmente nestes dias e com a presente Mensagem papal. Ponhamos nesse horizonte último da liberdade divina e divinizada a nossa expectativa e segurança.

Não em nós e só por nós – o que seria correr contra o tempo e já vencidos – e não nas coisas pelas coisas, que, sendo sinais dum Amor que nos convida, só agradecidas e partilhadas realizam o seu fim, como o concluiu magnificamente Agostinho nas suas Confissões 10, 27: “Tarde Vos amei, ó beleza tão antiga e tão nova, tarde Vos amei! Vós estáveis dentro de mim, mas eu estava fora, e fora de mim Vos procurava; com o meu espírito deformado, precipitava-me sobre as coisas formosas que criastes. Estáveis comigo e eu não estava convosco. Retinha-me longe de Vós aquilo que não existiria se não existisse em Vós. Chamastes, clamastes e rompestes a minha surdez. Brilhastes, resplandecestes e dissipastes a minha cegueira. […] Tocastes-me, e agora desejo ardentemente a vossa paz”.

Também para que a natureza possa “respirar”, sem ser sufocada por uma avidez que acabaria por nos sufocar a nós. Ainda neste sentido compreenderemos Paulo, quando escreve que “a criação aguarda ansiosa a revelação dos filhos de Deus; se ela foi submetida à vaidade, […] foi com a esperança de ser também ela libertada da servidão da corrupção para participar, livremente da glória dos filhos de Deus” (Rm 8, 19-21).

Finalmente se resolverá de raiz a actual questão ecológica, que exige uma mudança igualmente radical dos desejos que estão por dentro dos consumos excessivos ou desorientados. Será difícil, senão impossível, respeitar a criação enquanto quisermos das coisas o que só espiritualmente se resolve – na “alma” das coisas, poderíamos dizer -, como sentido, segurança e destino. Libertos do medo e da avidez que tão mal o disfarça, deixaremos o mundo respirar e assim respiraremos nós em comunhão serena e autenticamente festiva, ou seja, em que caibamos todos.

Na representação evangélica que contemplámos com os pastores, tudo era calmo, atraente e oferecido. Quando em Roma o maior poder do mundo de então se afirmava sobre tudo e sobre todos, quando em Israel o poder era um arremedo do que devia ser, alguns simples pastores – quase tão “naturais” como os campos em que viviam, guardando as suas ovelhas – descobriram a paz duma criança no colo da sua mãe. Como depois O contemplamos nós, homem feito e oferecido, nos braços da Senhora das Dores, onde a paz definitivamente se alcançou como entrega absoluta de si. Daí mesmo ressuscitando, para connosco inaugurar “um novo céu e uma nova terra” (cf. Ap 21, 1), que, começando no coração dos verdadeiros crentes, transfigurarão a criação inteira.

 

Um cristão só pode ser sinal e profecia deste universo novo. A maior contribuição evangélica para uma ecologia integral é e será o “estilo” cristão de vida, próprio dos que se deixaram libertar por Cristo para a verdade essencial e a beleza absoluta, que n’Ele todas as coisas alcançam, repassadas de caridade universal. Na esteira e no Espírito de Jesus, Francisco de Assis e tantos outros deram ao mundo o que este mais requer: a adoração do Criador e a fruição cuidadosa e solidária dos recursos da criação. Adianta Bento XVI: “Por fim, não se deve esquecer o facto, altamente significativo, de que muitos encontram tranquilidade e paz […] quando entram em contacto directo com a beleza e a harmonia da natureza. Existe aqui uma espécie de reciprocidade: quando cuidamos da criação, constatamos que Deus, através da criação, cuida de nós” (Mensagem, nº 13).

Como é próprio do sacramento, a nossa celebração culmina no gesto definitivo que as palavras indicaram. Como quer a piedade cristã, juntamo-nos qual gota de água ao vinho de que o Espírito fará Cristo, bem como ao pão oferecido. Assim nos devolveremos com Ele ao Pai, autor e consumador da nossa vida, como da vida do mundo, última segurança e realização definitiva de tudo e de todos. Sacramento de início do ano, como do seu meio e do seu fim. Concluindo anda com Bento XVI: “A busca da paz por parte de todos os homens de boa vontade será, sem dúvida alguma, facilitada pelo reconhecimento comum da relação indivisível que existe entre Deus, os seres humanos e a criação inteira. Os cristãos […] consideram o cosmos e as suas maravilhas à luz da obra criadora do Pai e redentora de Cristo, que, pela sua morte e ressurreição reconciliou com Deus todas as criaturas, na terra e nos céus” (Mensagem, nº 14).

Na nossa diocese começamos hoje a Missão 2010. Como se tem afirmado, visa directamente a maior expansão e incidência do anúncio evangélico, por parte das nossas comunidades cristãs, mês após mês, na sucessão dos respectivos motivos. É estimulante verificar, para já, como a tradição do canto das Janeiras está a ser revitalizada nesse sentido em tantas paróquias, para continuarem o que os pastores começaram, segundo o Evangelho de hoje: “Os pastores regressaram, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, como lhes tinha sido anunciado”. Outros meses se seguirão, na mesma certeza de que, pelas comunidades cristãs, o Espírito de Cristo quer renovar o mundo!

+ Manuel Clemente

Sé do Porto, 1 de Janeiro de 2010

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Ressurreição é «um acontecimento que se celebra na transformação do mundo» - Bispo do Porto

Catequese Infantil
2017-04-27 14:38:43
Guião
2017-04-27 14:37:25
Pagela
2017-04-27 14:36:55
JORNADAS DE PASTORAL VOCACIONAL
2017-04-27 14:36:19
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.