Faixa publicitária
Homília de 4ª Feira de Cinzas PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2010

CINZAS 2010

Das cinzas recebidas à Páscoa que sabemos

 

Começamos a caminhada quaresmal. Mas não em tempo circular, antes em tempo aberto, como a Palavra de Deus nos conclama a fazê-lo. Ouvimo-la no profeta Joel: “Diz agora o Senhor: ‘Convertei-vos a Mim de todo o coração!”. Menos é impossível e até seria nada: requer-se uma viragem completa de ânimo e vida, para Deus e para tudo a partir de Deus.

A conversão não se faz em relação a uma ideia vaga, nem a um projecto apenas, a um melhor comportamento que fosse. Mas ao próprio Deus, e “de todo o coração”, correspondendo – ainda que em paupérrima medida – à totalidade com que o Deus vivo sempre nos procura e interpela.

Ou ainda, com o Apóstolo igualmente ouvido, falando aos coríntios como agora a nós: “Nós vos pedimos em nome de Cristo: reconciliai-vos com Deus”. Consciência clara tinha Paulo de que só isso lhe era pedido e aos seus interlocutores com ele: coadunar inteiramente, em espírito e acção concreta, a nossa vida com o amor de um Deus que nos procura até ao fim, até ao último reduto da nossa resistência, ao último recanto do nosso pecado.

 

Essa procura divina a que Paulo alude, sabemos bem qual é, ou antes que rosto teve e tem. Teve nome e figura, chamou-se Jesus Cristo. Oiçamo-lo de novo e claríssimo: “A Cristo que não conheceu o pecado, identificou-o Deus com o pecado por amor de nós, para que em Cristo nos tornássemos justiça de Deus”. E é esta mesma convicção da desmesura do amor divino, na inesgotável procura de cada um de nós, que torna o Apóstolo ainda mais incisivo e directo: “Como colaboradores de Deus, nós vos exortamos a que não recebais em vão a sua graça”.

“Como colaboradores de Deus…”. Em Paulo, assim era e plenamente. De tal modo se descobriu como objecto e alvo da justiça divina - que em Cristo assumira, sofrera e redimira as tristíssimas consequências do nosso pecado -, que só pôde fazer duas coisas desde então: viver em contínua acção de graças e tornar-se, medularmente, testemunha e arauto da graça de Cristo.

Por isso mesmo insiste connosco nesta celebração de Cinzas: “Não recebais em vão a graça divina!”. E também: “Tornai-vos comigo colaboradores de Deus para a salvação de todos”. Urgia, de facto, e hoje talvez mais, que a todos fosse dito e demonstrado, em vidas convertidas, que por longe que estejamos de Deus e de tudo, há um caminho aberto de retorno e progresso na recriação das vidas. O caminho que o próprio Deus “percorreu” ao nosso encontro, quando em Cristo fez da grande distância a maior coincidência. Coincidência com o amor de Deus, do Pai misericordioso que activamente espera por todos os “pródigos”, para a festa infinda a que nos destinou e de que não desiste.

Inaudita, verdadeiramente inaudita e imprevisível, é a maneira divina de nos recriar no mundo, inaugurando o Reino. Inaudita, porque, aludindo a uma parábola, mais natural seria a lógica do irmão mais velho, que nem se inquieta com o afastamento do mais novo, nem se alegra com o seu regresso (cf. Lc 15, 11 ss). Lógica naturalíssima, do tipo “quem mas faz, paga-mas” ou “olho por olho, dente por dente”, segundo o velho Talião… Mas a “lógica” divina é unicamente a do amor, que, ao contrário da acepção consumista que a palavra tantas vezes tem, significa vontade firmíssima de recuperar a todos e a cada um, buscando-os onde estiverem, em atitude plena de auto-doação e companhia no regresso.

Esta sim, e unicamente assim, é a maneira divina de fazer e refazer as coisas; a sua “justiça”, mais propriamente dita. E a convicção sai fortíssima a São Paulo: “A Cristo que não conhecera o pecado, identificou-o Deus [Pai] com o pecado por amor de nós, para que em Cristo nos tornássemos justiça divina”.

 

É a esta atitude divina e ao seu fruto em nós que o Papa Bento XVI dedica a sua mensagem quaresmal deste ano. Leiamo-la com a máxima atenção, pela oportunidade e profundidade que contém. É seu lema uma forte convicção paulina: “A justiça de Deus está manifestada mediante a fé em Jesus Cristo” (cf. Rm 3, 21-22). E leva-nos muito longe, com consequências muito ao perto.

Toma do antigo Direito a definição de justiça, como o “dar a cada um o que é seu”, mas para logo aprofundar “o que é seu”. Na verdade, a mais organizada das sociedades, com a maior das riquezas distribuídas, pode ainda não bastar à total justiça de dar a cada um o que é seu, o que lhe é inteiramente devido. De facto, a vida de qualquer homem ou mulher, requerendo todas as condições materiais e sócio-culturais do bem comum, não se resolve nem satisfaz fora da relação filial com Deus, verdadeira fonte de justiça e de paz entre todas as suas criaturas. Em Cristo, Deus abeira-se de nós para nos levar de regresso ao seu amor, assim se cumprindo toda a justiça, dando-nos o que humanamente não nos devia, mas divinamente, misericordiosamente, nos quis dar, graça por pecado, vida por vida.

- Espantosa justiça de Deus, inimaginável conclusão de tudo! É unicamente a esta justiça, tão misericordiosamente dilatada e oferecida, que queremos corresponder agora, em conversão agradecida e persistente..

Como escreve o Papa na sua luminosa mensagem, numa catequese que tanto relembra os ensinamentos paulinos: “- Qual é portanto a justiça de Cristo? É antes de mais a justiça que vem da graça, onde não é o homem que repara, que se cura a si mesmo e aos outros. O facto de que a ‘expiação’ se verifique no ‘sangue’ de Jesus significa que não são os sacrifícios do homem a libertá-lo do peso das suas culpas, mas o gesto do amor de Deus que se abre até ao extremo, até fazer passar em si ‘a maldição’ que toca ao homem, para lhe transmitir em troca a ‘bênção’ que toca a Deus (cf. Gl 3, 13-14)”.

Amados irmãos: não tomemos estas considerações de Paulo ou de Bento XVI por “demasiado” teológicas, ou só para alguns. Muito pelo contrário, trata-se do cerne da verdade cristã, como ela libertou a Paulo e nos libertará a nós, na rendição completa, sem orgulho nem demora, à espantosa gratuidade divina. Assim cada um de nós, nas luzes e sombras que transporte ainda; assim este mundo, onde as trevas do Gólgota continuem à espera do alvor pascal; assim a Igreja que somos, com tanta resistência e contrafacção da verdade que anuncia e, apesar de tudo, a justifica. Como se disséssemos que, na Igreja, é mais decisivo o que “sobra” do que aquilo que aparece, aplicando-lhe outra passagem paulina: “onde abundou o pecado, superabundou a graça” (Rm 5, 20).

De facto, caríssimos irmãos, a Igreja não se justifica pela excelência, mas sim pela penitência dos seus membros, ainda que nalguns deles rebrilhe excelentemente a acção da graça divina, à qual e pela qual constantemente se convertem. O nosso momento de maior autenticidade será mesmo o acto penitencial com que começamos cada Eucaristia, reconhecendo-nos absolutamente “mendigos do amor de Deus”. Lembremo-nos da parábola do fariseu e do publicano, em que só foi justificado o que se reconheceu pecador (cf. Lc 18, 14). Lembremo-nos de que só assim nos encontra Jesus, que não veio chamar os justos, mas os pecadores” (cf. Mt 9, 13).

Sim, irmãos, mesmo quando falarmos de nós e da Igreja em geral, é sobretudo a Deus que nos referimos, única Fonte da conversão a realizar. Tudo o que tivermos a corrigir, será por nós e para o bem dos outros, decerto; mas só o será perfeitamente quando responder, do fundo dum coração agradecido, à misericordiosa justiça que nos recuperou em Cristo. E é por isso que o Evangelho desta Missa insiste tanto em que as práticas penitenciais acontecem prioritariamente entre cada um de nós e Deus. Esmola, oração ou jejum, fazem-se com máxima discrição exterior e total intimidade com Deus: “e teu Pai, que vê o que está oculto, te dará a recompensa”, insiste Jesus por três vezes.

E é também neste contexto de conversão autêntica que o Santo Padre nos lembra a centralidade da Eucaristia e da Penitência, em gratidão consequente a tudo o que o Pai nos ofereceu em Cristo. Com um belo ensinamento a reter: “Compreende-se então como a fé não é um facto natural, cómodo, óbvio: é necessário humildade para aceitar que se precisa que um Outro me liberte do ‘meu’ [pecado], para me dar gratuitamente o ‘seu’ [amor]. Isto acontece particularmente nos sacramentos da Penitência e da Eucaristia. Graças à acção de Cristo, nós podemos entrar na justiça ‘maior’ que é aquela do amor’ (cf. Rm 13, 8-10), a justiça de quem se sente em todo o caso sempre mais devedor do que credor, porque recebeu mais do que aquilo que poderia esperar”.

 

Na nossa Diocese, a vivência da Missão 2010 já teve dois particulares momentos em torno destas dimensões essenciais. Em Janeiro, milhares de cristãos cantaram a crentes e não crentes a “divina graça” que nos foi oferecida no Presépio de Belém. A mesma graça que há dias tantos jovens adoraram na Cruz do Salvador, donde brotam generosas as Fontes da Alegria. Como continuaremos em Março, em autêntica Compaixão, recebida e testemunhada por antigas e novas celebrações quaresmais…

- Caminhemos, pois. E das cinzas recebidas nos ressuscitará a graça da Páscoa que sabemos!

 

 

Sé do Porto, 17 de Fevereiro de 2010

+ Manuel Clemente, Bispo do Porto

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Ressurreição é «um acontecimento que se celebra na transformação do mundo» - Bispo do Porto

Catequese Infantil
2017-04-27 14:38:43
Guião
2017-04-27 14:37:25
Pagela
2017-04-27 14:36:55
JORNADAS DE PASTORAL VOCACIONAL
2017-04-27 14:36:19
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.