Faixa publicitária
Homilia - Peregrinação aniversária a Fátima – 12 de Julho de 2010 PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2010

Leituras: Ben-Sirá 35, 1-15; Romanos 12, 6-8; João 15, 9-17

Meus irmãos:

 

Nesta noite, somos convidados aprender a REPARTIR com alegria, como a Jacinta, e, para isso, somos convidados a pedir a Deus a virtude da CARIDADE.

Ben-Sirá: Em todas as tuas oferendas, mostra um rosto alegre.

S. Paulo: Quem exerce a misericórdia, faça-o com alegria.

O Evangelho de João: Assim como o Pai me amou, também Eu vos amei. Permanecei no meu Amor…Disse-vos isto, para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja completa (João 15, 9.11).

I - Primeiro, aprender a repartir.

 

 

O 10º. Mandamento da Lei de Deus diz de modo negativo: Não cobiçar as coisas alheias. Ou, nas palavras da Escritura (Êxodo 20, 17 e do Deuteronómio 5, 18): Não cobiçarás nada do que pertence ao teu próximo, nem a sua casa nem o seu servo ou a sua serva, nem o seu boi… nada do que é dele!

Dito de modo positivo, como quem procura a palavra-chave em questão, somos convidados repartir dos nossos bens com o próximo mais precisado.

Foi assim que entenderam os primeiros cristãos: Todos os que abraçaram a fé eram unidos e colocavam em comum todas as coisas; vendiam as suas propriedades e os seus bens e repartiam o dinheiro entre todos, conforme a necessidade de cada um (Actos 2, 44-45).

Se o mundo vai mal, muito mal neste aspecto, ao ponto de milhões, muitos milhões de homens, mulheres e crianças passarem fome, é porque o coração humano se deixa levar pela cobiça, pela inveja, pela avidez do lucro e pelo desejo desmedido de apropriação de bens terrenos (Catecismo, 2536). São significativas as palavras de Amós, profeta: Dias virão, diz o senhor, em que mandarei a fome sobre a terra: não será fome de pão, nem sede de água, mas fome de ouvir a palavra do Senhor (Amós 8,11).

Peregrinos de Fátima:

A primeira partilha a fazer é aquela que deriva da justiça: o justo salário a quem trabalha. A segunda forma de partilha é acudir aos casos clamorosos de quem tem fome de pão, de saúde, de escolarização, de dignidade humana. A terceira forma de partilha é banir a inveja do coração. É muito elucidativo o caso contado na Bíblia pelo profeta Natan ao rei David: Um pobre possuía uma única ovelhinha que tratava como se fosse filha. Em contraste, um homem rico, apesar dos seus rebanhos numerosos, teve inveja da ovelhinha do pobre e foi-lha roubar (Catecismo, 2538).

A crise actual está retratada nesta educativa história bíblica. Não é sobretudo uma questão financeira ou económica, mas é uma crise moral.

O dinheiro é a perdição do mundo. O dinheiro é um bem criado necessário ao bom entendimento dos homens, mas só se tiverem o coração limpo. O dinheiro pode ser a perdição da Igreja, se também ela não seguir os caminhos das bem-aventuranças: Bem aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos céus! O apego desmedido aos bens deste mundo é uma traição ao Evangelho: Não podeis servir a Deus e ao dinheiro!

Meus irmãos:

A primeira fome a saciar não é a fome de pão, mas a fome da Palavra que desperta o coração. Se o coração não está convertido a Deus, o próximo e as suas necessidades passam ao lado, como o sacerdote e o levita da parábola do bom samaritano.

O primum officium do Sacerdote é pregar a Palavra. Já o disse o Concílio há 45 anos: Os presbíteros têm como dever primordial (primum officium) anunciar a todos o evangelho de Deus. Repetiu-o Paulo VI, dez anos depois: Aquilo que constitui a singularidade do nosso serviço sacerdotal, aquilo que dá unidade profunda às mil e uma tarefas que nos solicitam, aquilo que nos confere uma nota específica é anunciar o evangelho de Deus (E. N. 68). O Anúncio tem toda aprioridade sobre muitas outras coisas. E não é apenas tarefa dos padres, mas também dos fiéis leigos.

II – Segundo, dar com alegria.

 

Peregrinos de Fátima:

A alegria de dar, a alegria de saber repartir com os irmãos o pão, a ciência, a cultura e a sabedoria do espírito…, para não ser falsa mas duradoira, tem de ter na fonte o AMOR de Deus. O Amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado no Baptismo, no sacramento do Crisma e na Eucaristia.

Permanecei no meu amor, para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja completa. A alegria evangélica não nasce da carne nem do sangue, mas procede do Espírito de Deus: É uma alegria messiânica. Diferente das alegrias mundanas e passageiras, acontece porque o Messias chegou há dois mil anos e nos disse: Deus é amor. Permanecei no Amor e a vossa alegria será completa.

Caros amigos:

A alegria messiânica consiste em que o tempo anunciado já se cumpriu, chegou à sua maturidade, o Reino de Deus está às nossas portas. Convertei-vos e acreditai (Marcos 1, 15). Quem viver dessa fé não terá dificuldade em criar espaços de partilha, de são entendimento, de lugar e tempo para o nosso Deus que veio visitar-nos e alertar-nos para o essencial: acreditar e converter o coração.

Muito já se disse sobre uma Nova Ordem internacional. Os poderosos das nações reúnem-se para acertar caminhos. Mas os acordos são difíceis, porque no meio se interpõem os interesses particulares. Os cristãos têm, teriam uma palavra importante a dizer. Mas parece que estamos encolhidos nos parlamentos, nos nossos interesses, na nossa defesa pessoal, nas malhas de uma Europa decadente, a precisar de um conserto que devolva a esperança e a confiança às nações

Também para a Igreja é precisa uma Nova Ordem pastoral, que se exprima em acolhimento, respeito, desprendimento, mais partilha de bens, comunhão e paz, MAIS Palavra de Deus e menos ritos. A Igreja, nós, não podemos enredar-nos em pormenores, mas temos de atender as pessoas e não ter medo de anunciar um evangelho difícil, mas que enche as medidas do coração.

Há um novo paradigma pastoral a procurar e a pôr em prática. O Concílio foi há 45 anos. Faltam ainda 55 anos para a distância de um século. Será o suficiente? Não será tarde de mais? De que estamos à espera?

 

Reparte com alegria como a Jacinta!

Onde aprendeu a Jacinta estas coisas, sendo tão criança ainda? Foi graça de Deus. Mas foi também a escola da família, a escola da catequese simples da paróquia, a escola do Evangelho. Escreveu a irmã Lúcia: A nossa casa era como que a casa de todos: tinha uma porta onde todos batiam e a todos se abria com a mesma boa vontade de acolhimento, serviço e caridade. A mãe parecia que só sabia dizer sim. A ninguém recusava os seus serviços quando os solicitavam e, muitas vezes, até se adiantava (Memórias, Volume II, pg 83).

Onde estão aqueles com quem devo repartir?

Estão mesmo à minha porta, às vezes dentro de casa, no meu prédio, na minha rua, de certeza na minha cidade ou aldeia. Serei capaz de sair de casa, de sair de mim e ir à procura e repartir do que tenho? Pão, saúde, conforto, alegria, dois dedos de conversa, uma oração ou um conselho de amigo…

Enfim, somos instados a pedir a Deus a virtude da CARIDADE…Vamos pedi-la, vamos acolhê-la, vamos pô-la em prática. Eis o segredo! Deus nos ajudará e Maria vai connosco no caminho.

Anexos:
Fazer download deste arquivo (Peregrinação a Fátima 12 de Julho 2010.pdf)Homilia - D. João Miranda
 Peregrinação aniversária a Fátima – 12 de Julho de 2010
 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Entrevista ao padre Samuel Guedes sobre Sílvia Cardoso

Março 2017
2017-03-24 17:38:32
Sacramento da Reconciliac?a?o nas Paro?quias da Vigararia Trofa / Vila do Conde
2017-03-24 17:37:07
carta
2017-03-02 11:04:29
Cartaz
2017-02-24 12:02:57
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.