Faixa publicitária
Homilia da Solenidade da Imaculada Conceição PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2010




IMACULADA CONCEIÇÃO DA VIRGEM SANTA MARIA, ALVORADA DE CONSAGRAÇÃO E SERVIÇO

 

Amados irmãos e irmãs, reunidos para celebrar a Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria e a feliz Ordenação de dezassete diáconos permanentes:

 

Não são motivos dissonantes os que nos trazem aqui. Distintos são, certamente; mas bem consonantes, naquilo mesmo a que poderemos chamar uma alvorada de consagração e serviço.

Nem podia ser doutra forma, porque a imaculada conceição de Maria é o primeiríssimo fulgor do inestimável “serviço” do próprio Deus à humanidade, que recriou em Cristo. Primeiro e prévio fruto da redenção de Cristo, Maria foi a “nova terra” onde o Homem novo pôde recomeçar a aventura humana, sem repetir a falta que tanto nos lesou.

Contava-nos a 1ª Leitura que a desobediência dos primeiros – do homem e da mulher dele formada (cf. Gn 2, 21 ss) - os escondeu de Deus, como lhes ensombrou a vida. Na nova criação – e por ordem diferente no que à humanidade respeita –, é o homem que nasce da mulher, porque esta mesma foi criada em função da humanidade nova de Cristo, na inteira luz de que Maria foi a alvorada. Como São Paulo escreveu aos Gálatas: “Quando chegou a plenitude do tempo, Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher, […] a fim de recebermos a adopção de filhos” (Gl 4, 4-5). Por isso Jesus foi chamado “o filho de Maria” (cf. Mc 6, 3); por isso todos nós, discípulos de Cristo, o somos também (cf. Jo 19, 26).

Fomos criados por Deus e para Deus, retribuindo-Lhe a vida que nos ofereceu. Pecado – das origens desgraçadamente continuadas - é reter o que deve perpassar-nos, para chegar a todos, e só em Deus se pode escoar, como pequeno rio em imensa foz.

Falar de “consagração”, como se refere a Cristo e a Maria – a Maria em função de Cristo – é dizer isso mesmo, que a vida recebida só se consolida na raiz e realiza na oferta a Deus. Maria foi saudada pelo Arcanjo como “cheia de graça” – modo positivo de referir a sua imaculada conceição, pois nela tudo é dom recebido, consentido e oferecido, sem mancha de negação ou recusa -, para que a sua humanidade pudesse ser a de Jesus, traduzindo a absoluta obediência ao Pai, que eternamente O gera e recebe.

Por isso, consagração é entrega a Deus, novo sacrifício da Aliança nova, realizado por Cristo, na humanidade intacta que recebeu de Maria e divinamente culminou. Não foi simples continuação da humanidade antiga; foi e continua a ser a nova criação, onde finalmente nos realizamos como filhos de Deus e irmãos universais; em Cristo, Filho de Maria, por obra e graça do Espírito Santo.

Esta novidade toca-nos desde o Baptismo e realiza-nos “em Cristo”, envolvidos pela maternal protecção de Maria. Esta é, irmãos caríssimos, a verdade e a graça da vida cristã, nascida daquele “sim” que há pouco escutámos: “Maria disse então: ‘Eis a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra’”.

Por isso vos dirijo também estas palavras, que posso intitular “Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria, Alvorada de Consagração e Serviço”.

Na 2ª Leitura, incluiu São Paulo um magnífico hino, com estas palavras começado: “Bendito seja Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que do alto dos Céus nos abençoou com toda a espécie de bênçãos espirituais em Cristo. N’Ele nos escolheu, antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, em caridade, na sua presença”. O mesmo é dizer que, em Cristo, Filho de Maria, somos recriados para a consagração e o serviço, em universal caridade.

Esta é a nova condição que a humanidade ganha, porque a recebe de Deus e para Deus, todos para todos em Cristo. Maria assim foi, desde a imaculada conceição que recebeu em função de Cristo; Maria assim foi, no consentimento pleno que deu a tal graça, em fiel seguimento do seu Filho, do Presépio ao Gólgota; e depois, da Ressurreição ao Pentecostes, quando o Espírito começou a realizar na Santa Madre Igreja o que em Maria começara na Anunciação, ou seja, a geração de Cristo no mundo e para a salvação do mundo. Atestam-no multidões sucessivas de baptizados, filhos de Maria e irmãos de Cristo, para glória de Deus Pai. Isto somos, isto só havemos de ser: um mistério vivo e prolongado de consagração e serviço.

É também este o serviço da Igreja ao mundo e para a consagração do mundo, através do coração e da obra dos filhos de Deus e de Maria, que somos em Cristo. O que Maria foi pela sua imaculada conceição, inteiramente consagrada a Deus e ao seu serviço, incarnando e oferecendo Cristo, na força do divino Amor, isto havemos de ser nós pelo Baptismo, desdobrado em distintas participações sacramentais.

Hoje o celebramos, muito especial e felizmente, no diaconado destes irmãos, que para tal se prepararam e a tal se dispõem.

Trata-se do sacramento da Ordem, que, nos vários graus, manifesta Cristo na comunidade cristã: ou como sacerdote – no episcopado e no presbiterado –, ou como servidor, no diaconado. Sempre em função e serviço de todos os cristãos, que, também pela acção dos ministros ordenados, hão-de crescer em sacerdócio comum e diaconia aplicada, assim activando a consagração do mundo e a caridade universal, inteiramente realizadas em Cristo e constantemente difundidas pelo Espírito.

No que aos diáconos respeita, é importante e urgente que em todos e cada um deles se realize sacramentalmente a auto-definição de Cristo, como a deu um dia e se repete agora: “… o que for maior entre vós seja como o menor, e aquele que mandar, como aquele que serve. […] Eu estou no meio de vós como aquele que serve [= como um diácono]” (Lc 22, 26-27).

Caríssimos ordinandos de diácono: Está aqui a vossa identidade específica, seja qual for a contribuição concreta que a Igreja vos peça, nas vossas comunidades e na Diocese. Seja ao serviço da Palavra divina, seja no âmbito sacramental, seja na acção sócio-caritativa ou administrativa, em tudo isto tendes lugar próprio e atribuições específicas, variando certamente com as disponiblidades e urgências de cada tempo e lugar.

Assim também no que diz respeito à vossa vida familiar e à vossa presença no vasto mundo social e profissional, que não é secundário às vossas atribuições, muito pelo contrário. Mas em tudo isso, o mais importante e identificativo dum diácono é a realização sacramental daquela auto-definição de Cristo: “Eu estou no meio de vós como aquele que serve”.

Sabereis que sempre tenho insistido neste ponto, quer falando convosco, quer com os vossos párocos e outros responsáveis eclesiais, sobretudo quando se trata de escolher e propor candidatos ao diaconado: hão-de ser, antes de mais e acima de tudo, aqueles que na comunidade cristã já se distingam pelo espírito de serviço, os mais humildes, os mais prontos e disponíveis, os mais capazes e propensos a responder à necessidade dos pobres de todas pobrezas e às maiores urgências de dentro ou fora da Igreja. Isto sois, certamente, e isto sereis ainda mais, pela graça do sacramento que agora recebeis. Esta a vossa glória, que mais vos identificará com Cristo, diácono de nós todos.

E deixai-me dizer-vos que conto muito convosco, para que a nossa Igreja Portucalense possa crescer sempre mais nesta fundamental dimensão da diaconia. Com o tempo e a vossa cooperação, o ministério sacerdotal dos outros graus da Ordem ficará mais definido também, pela aplicação mais específica dos respectivos ministros na Eucaristia e na Reconciliação, bem como no acompanhamento espiritual dos fiéis; com o tempo e a vossa indispensável cooperação, caríssimos diáconos de hoje e amanhã, ficará mais evidente e prático que consagração e serviço são os dois movimentos constantes da vida eclesial, do mundo ao altar e do altar ao mundo, até ao “Domingo que não tem ocaso”.

Por isso – e mesmo liturgicamente – trareis como diáconos o mundo ao altar, onde sereis os imediatos ajudantes do sacerdote; e sereis depois os primeiros a levar a todos a oferta de Cristo, Luz e Vida do mundo. Convosco trareis os vossos irmãos leigos – em cuja condição familiar e profissional geralmente participais – e convosco, com o vosso exemplo e estilo, humilde e prestável, os estimulareis também, para serem cada vez mais assim, na caridade universal de Cristo.

- Felicíssima hora foi aquela, caríssimos irmãos e irmãs, e magnífica inspiração do Alto, em que o Concílio Vaticano II decidiu restaurar o diaconado permanente! Fê-lo com as seguintes palavras, sempre de recordar, como recordadas foram pelo magistério subsequente: “No grau inferior da hierarquia estão os diáconos, que recebem a imposição das mãos, ‘não para o sacerdócio mas para o ministério’. […] recordem os diáconos o conselho de S. Policarpo: ‘Misericordiosos e diligentes, procedam em harmonia com a verdade do Senhor, que se fez servidor de todos’. Tendo em conta que, segundo a disciplina actualmente em vigor na Igreja latina [1965], em várias regiões só dificilmente são desempenhadas estas funções [diaconais], tão necessárias para a vida da Igreja, daqui em diante poderá o diaconado ser restabelecido como grau próprio e permanente da hierarquia” (Lumen Gentium, nº 29).

Assim aconteceu na Diocese do Porto - então pastoreada por D. Júlio Tavares Rebimbas, que Deus tenha em santa glória -, com os primeiros diáconos permanentes; assim continua agora, por vontade geral do presbitério e grande urgência do tempo.

Para responder, mais e melhor, às necessidades da Igreja, onde um número escasso de presbíteros se tem de concentrar cada vez mais no que lhe é específico; para realçar a natureza da Igreja, que, em Cristo, está no mundo “como quem serve”; e para que a “nova evangelização”, com o “novo ardor” do Espírito divino, encontre “novos métodos e novas expressões” de caridade e serviço, para responder também às imensas necessidades materiais e espirituais a que devemos absolutamente atender.

- Quase a concluir a Missão 2010, vós sois, caríssimos ordinandos de diácono, a mais promissora expressão sacramental de que a Igreja, em Cristo e com Maria Imaculada, é e será sempre uma comunidade de consagração e serviço!

Sé do Porto, 8 de Dezembro de 2010

+ Manuel Clemente

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Missa da Peregrinação diocesana do Porto de 9 de Setembro 2017

Angelus TV

D. António Maria Bessa Taipa em entrevista à Voz Portucalense
2017-10-11 16:12:03
Powerpoint + PDF
2017-10-09 11:26:12
Recursos gráficos
2017-09-19 13:45:08
Formato ICS (Google, Outlook, iCal, ...)
2017-08-21 15:07:09
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.