Faixa publicitária
HOMILIA DE ANO NOVO - 1 DE JANEIRO DE 2011 – SOLENIDADE DE SANTA MARIA MÃE DE DEUS – DIA MUNDIAL DA PAZ PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2011

 

Pastores do mundo, sob o olhar da Mãe de Deus

 

 

Amados irmãos e irmãs, aqui reunidos na igreja catedral do Porto, e todos vós, que nos seguis pela Rádio Renascença:

 

Como é habitual – e muito além de qualquer rotina -, celebramos em toda a Igreja Católica a Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus e o Dia Mundial da Paz. Não se trata, de modo algum, de simples justaposição de motivos; é antes decorrência lógica, como a própria selecção dos trechos bíblicos escutados bem manifesta.

Na verdade, a paz, enquanto sentimento e experiência de harmonia profunda de todos para todos e dentro de cada um de nós, só se pode encontrar onde a totalidade do real se ofereça e apreenda, sem excluir qualquer dimensão do que somos, sonhamos e vamos conseguindo.

- Fronteiras largas e profundas tem a paz, pois não se atinge sem que chegue a todos e não se alcança senão no mais íntimo e transcendente de cada um! Por isso, mais do que conquista, é dádiva, recebida e partilhada, como a própria vida. Por isso ainda, requerendo a nossa reflexão e coerência, não dispensa predisposição e acolhimento. Acolhimento, repito, da totalidade do real, em autêntico “desenvolvimento” de todos os homens e do homem todo, para usar uma bela expressão de Paulo VI.

Alcança-se a paz quando cada ser humano tem liberdade física e psíquica para se descobrir a si mesmo, como vocação pessoal e inter-pessoal, segundo as potencialidades gerais e suas próprias. Quando essa mesma liberdade é possibilitada e estimulada, por uma pedagogia familiar e social que a preencha com todos os contributos válidos da cultura e da civilização, isto é, pelo acervo acumulado das múltiplas “conquistas” do espírito humano, que efectivamente comprovaram ser verdadeiras, boas e belas para a generalidade das pessoas e dos povos. Quando a organização política nacional e internacional se orienta para a prossecução desse mesmo “bem comum”, oferecendo-o aos cidadãos, sem aprioristicamente o limitar por ideologias redutoras ou impositivas, como seria o caso do laicismo ou do fundamentalismo religioso. Trata-se de servir pessoas concretas, habilitando-as para a escolha consciente e responsável; não se trata de governar as pessoas contra elas próprias, escolhendo por elas e até antes delas o que houvessem de crer e fazer.

O Papa Bento XVI ofereceu-nos uma luminosa Mensagem para o Dia Mundial da Paz. Será certamente matéria de reflexão atenta para crentes e não crentes, plena que está de motivos indispensáveis, sobre “a liberdade religiosa, caminho para a paz”. Como este, que devo citar, pela sua inegável oportunidade e precisão, quer quanto à formulação do direito, quer quanto às suas consequências, aliás não unívocas: “A liberdade religiosa é também uma aquisição de civilização política e jurídica. Trata-se de um bem essencial: toda a pessoa deve poder exercer livremente o direito de professar, individual ou comunitariamente, a própria religião ou a própria fé, tanto em público como privadamente, no ensino, nos costumes, nas publicações, no culto e na observância dos ritos. Não deveria encontrar obstáculos, se quisesse eventualmente aderir a outra religião ou não professar religião alguma” (Mensagem, nº 5).

E o Papa adianta depois, com igual clareza: “A mesma determinação, com que são condenadas todas as formas de fanatismo e de fundamentalismo religioso, deve animar também a oposição a todas as formas de hostilidade contra a religião, que limitam o papel público dos crentes. Não se pode esquecer que o fundamentalismo religioso e o laicismo são formas reverberadas e extremas de rejeição do legítimo pluralismo e do princípio da laicidade. De facto, ambas absolutizam um visão redutiva e parcial da pessoa humana, favorecendo formas, no primeiro caso, de integralismo religioso e, no segundo, de racionalismo. […] Por isso mesmo, as leis e as instituições duma sociedade não podem ser configuradas ignorando a dimensão religiosa dos cidadãos ou de modo que prescindam completamente da mesma” (Mensagem, nº 8).

Creio que, quando assimilarmos esta doutrina - que o Papa não deixa de referir, no seu conjunto, a afirmações fundamentais quer do Concílio Vaticano II (1965), quer da Declaração Universal dos Direitos do Homem (1948) -, nos poderemos reencontrar muito mais, também como sociedade portuguesa,  para aproveitarmos os recursos que cada um proporcionará ao conjunto, pessoal e conjugadamente; e para que a administração pública possa distribuir melhor as contribuições de todos para todos, do modo mais subsidiário e solidário possível, na educação, na saúde e na segurança social, dentro do Estado que também todos democraticamente integramos. E isto mesmo, tanto nas instâncias que dependem directamente da referida administração, como nas que resultam da espontaneidade social de famílias e instituições reconhecidas, que igualmente servem e acrescentam o bem comum, por vezes com grande excelência de resultados e inestimável generosidade pessoal, potenciada pelas respectivas convicções religiosas e humanitárias.

Como atrás aludi, a sequência dos trechos bíblicos desta Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus dá-nos a maior fundamentação de tais motivos. Não os forçamos, são eles mesmos que nos reforçam a convicção expendida. Sigamo-los brevemente:

Ouvimos a antiga bênção, que Moisés aprendeu do próprio Deus e tão bem ressoa neste começo de ano. “O Senhor volte para ti os seus olhos e te conceda a paz!”. Isso mesmo de algum modo “ouviu” a humanidade, desde que ganhou consciência de si mesma: as mais antigas expressões de lucidez e engenho referem-se a algo mais do que o imediato, deixaram em artefactos e paredes de grutas sinais e apelos dum mais além que garantisse – apaziguasse! – o aquém, sofrido ou temido. A admirável marcha de verdadeiros progressos que hoje preenchem a cultura, a ciência e a técnica, deram muito mais consistência ao que garantimos por nós, mas não dispensam um “olhar” benévolo que não nos deixe sós.

“Olhar de Deus”, ainda antes e depois de qualquer expressão verbal, determinante ou proponente, que a divina pedagogia requeira. Expressão primeira e envolvente de amor criativo e acolhedor. Como a alvorada que promete o Sol, como o brilho que distingue as coisas, como o incentivo que alenta sempre. Olhar que reluz nos insubstituíveis olhos maternais que envolvem cada geração humana e que aqui agradecidamente evocamos em todas as mães onde nasce e nascerá este “ano da graça de Nosso Senhor Jesus Cristo de 2011”.

Foi envolto neste olhar de Deus Pai, rebrilhante no de uma singularíssima Mãe humana, que o Filho de Deus nasceu no mundo, como São Paulo referiu em breve versículo de duradoura lição: “Quando chegou a plenitude dos tempos, Deus enviou o seu Filho nascido de uma mulher e sujeito à Lei, para resgatar os que estavam sujeitos à Lei e nos tornar seus filhos adoptivos”.

- Duradoura lição, que sempre reaprenderemos e havemos de aprofundar! É tão recorrente imaginarmos Deus e revela-se tão difícil aceitá-Lo assim, agora “nascido de uma mulher”, igualado a nós para nos integrar, ao seu inaudito modo, na própria vida divina... Na verdade, a absoluta simplicidade de Deus liberta-nos das infindas complicações e enredos com que – mesmo a pretexto de “religião” – nos detemos no que afinal é apenas e excessivamente nosso. No “Filho de Maria”, renascemos como filhos de Deus, na simplificação absoluta da religião, que apenas sondaríamos antes: “E porque sois filhos – continuava São Paulo -, Deus enviou aos nossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: ‘Abá! Pai!’. Assim já não és escravo, mas filho. E, se és filho, também és herdeiro, por graça de Deus”.

É também assim que, da liberdade religiosa – sempre indispensável, mas ainda algo exterior -, Deus nos eleva em absoluta libertação, numa verdadeira e íntima relação, ou “religião”, de co-herdeiros com Cristo. Esta é a libertação propriamente cristã, no Espírito de Cristo, o “Filho de Maria”, a Santa Mãe de Deus.

Mas é no Evangelho escutado que podemos deparar com a autêntica súmula de quanto celebramos hoje. Num rápido esboço apenas:

Contava São Lucas que “naquele tempo, os pastores dirigiram-se apressadamente para Belém e encontraram Maria, José e o Menino deitado na manjedoura”. Assim mesmo Os devemos encontrar também, com a urgência que certamente sentimos. E por aquela mesma ordem: primeiro, viram a Mãe, que O recebera de Deus, como novo começo e perfeita libertação do mundo, pois é em Cristo e nos que vivem em Cristo que finalmente a criação inteira respirará isenta. Como disse São Paulo, noutro passo: “Pois até a criação se encontra em expectativa ansiosa, aguardando a revelação dos filhos de Deus […], para alcançar a liberdade na glória dos filhos de Deus” (cf. Rm 8, 19-21).

Primeiro Maria, para que o primeiríssimo Jesus pudesse acontecer no mundo, na nova terra que Ela mesma figurava. Ainda aqui – e de que maneira! – se pode e deve falar de liberdade religiosa, pois o consentimento de Maria à proposta única da Anunciação, significou a plena realização da sua liberdade pessoal, capaz de ultrapassar justificados receios e compreensíveis dúvidas, pela consentida rendição ao absoluto e humílimo poder de Deus: absoluto e humílimo como o amor autêntico, que tudo oferece e sempre depende de quem o aceite.

Depois viram José, porque é necessário que alguém guarde e tutele os dons Deus aos homens. É muito elucidativo verificar como grandes obreiros da recriação do mundo, através da “recriação” da Igreja – Corpo de Cristo em crescimento –, se confiaram tanto a São José, fosse Teresa de Ávila para reformar o Carmelo, fosse João XXIII para “aggiornare” a vida eclesial.

De Maria e José, os pastores concentraram-se naquele “Menino deitado na manjedoura”, tudo “como lhes tinha sido anunciado”. Em tal pobreza puderam entrever a riqueza divina, que assim os libertava de qualquer exclusão que fosse. Num palácio nasceria um “deus” para os grandes, como o César de Roma, rodeado de grandíssima corte. Numa manjedoura estava Deus para todos, entre Maria e José, começando pelos pastores que acorriam. Assim na Santa Madre Igreja, quando permanece livre e liberta, inteiramente disponível para acolher e cumprir a palavra divina, como Santa Maria Mãe de Deus. Aí acorrerão os pobres de todas as pobrezas, porque a eles é anunciada a Boa nova da perfeita libertação (cf. Lc 4, 18). E os pobres trarão os ricos, feitos pobres também, finalmente seduzidos por um Reino que só aos “pobres em espírito” se promete (cf. Mt 5, 3).

Continuava o Evangelho, como temos de terminar por agora: “Quando O viram, os pastores começaram a contar o que lhes tinham anunciado sobre aquele Menino. E todos os que ouviam admiravam-se do que os pastores diziam”. Ninguém disfarça um espanto, ninguém sufoca a alegria. Desde então se “começou a contar” a história viva daquele Menino e sua Mãe. Ou melhor, essa mesma história se tornou História da Igreja, fermentação persistente da liberdade do mundo.

Daqueles pastores nada mais sabemos, nem se foram sempre coerentes com o anúncio que faziam. O mesmo se diga das muitíssimas gerações crentes que o mediaram até chegar a nós. Uns sim, outros menos e outros, infelizmente, muito pelo contrário… Vale o mesmo anúncio, como indispensável é quem o transporte e a liberdade para o fazer. E não é difícil apurar que as próprias contrafacções do anúncio - que devia ser sempre tão libertador como o foi naqueles primeiros dias - foram rejeitadas e superadas, antes de mais, por quantos se têm felizmente somado como verdadeiras testemunhas do Evangelho de Cristo, para a libertação do mundo. As contrafacções da religião não se corrigem com a ausência dela, mas sempre e só com melhor religião.

Com Bento XVI, teremos até de constatar e afirmar: “Inegável é a contribuição que as religiões prestam à sociedade. São numerosas as instituições caritativas e culturais que atestam o papel construtivo dos crentes na vida social. Ainda mais importante é a contribuição ética da religião no âmbito político. Tal contribuição não deveria ser marginalizada ou impedida, mas vista como válida ajuda para a promoção do bem comum” (Mensagem, nº 6).

Com estes sentimentos e reflexões, caríssimos irmãos e irmãs, continuemos a celebração de Santa Maria Mãe de Deus – Dia Mundial da Paz. E tomemos para lema e missão de 2011 os mesmos dos pastores de há dois milénios, pois cada crente se há-de tornar um constante pastor do mundo, pelo cuidado solícito em relação a toda a obra divina: “Os pastores regressaram, glorificando a louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, como lhes tinha sido anunciado”. - Sobre eles se alongava decerto o olhar maternal de Maria, como agora nos envolve e encoraja a nós!

+ Manuel Clemente

Sé do Porto, 1 de Janeiro de 2011

Anexos:
Fazer download deste arquivo (01_de_Janeiro.pdf)Homilia - D. Manuel Clemente
 HOMILIA DE ANO NOVO - 1 DE JANEIRO DE 2011 – SOLENIDADE DE SANTA MARIA MÃE DE DEUS – DIA MUNDIAL DA PAZ
 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

D. António Francisco dos Santos fala sobre o padre Joaquim Cunha, sacerdote mais idoso de Portugal

Catequese Infantil
2017-04-27 14:38:43
Guião
2017-04-27 14:37:25
Pagela
2017-04-27 14:36:55
JORNADAS DE PASTORAL VOCACIONAL
2017-04-27 14:36:19
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.