Faixa publicitária
Pentecostes 2011: Só o Espírito pode reconciliar o mundo PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2011


(Esboço da Homilia)



Só o Espírito do Ressuscitado pode reconciliar o mundo
, porque brota da raiz do perdão, que em Deus se encontra, como recriação das vidas.

Como acabámos de ouvir: “Veio Jesus, apresentou-se no meio deles e disse-lhes: ‘A paz esteja convosco’”. E mais adiante: “Jesus soprou sobre eles e disse-lhes: ‘Recebei o Espírito Santo: àqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados…’”. Ao ouvirem tais palavras, como nós as ouvimos hoje, certamente se admiraram os primeiros. – Como poderiam perdoar eles, se tão carecidos de perdão estavam em geral, os mesmos que pouco antes tinham abandonado Jesus preso, condenado e morto?

Mas agora, neste agora que o Crucificado-Ressuscitado continua a oferecer-nos, a paz e o perdão sobrevêm, partindo unicamente da misericórdia divina, do Pai e do Filho, no amor restaurador do Espírito. Como bem experimentou e disse São Paulo, “onde aumentou o pecado, superabundou a graça” (Rm 5, 20).

Grande, grande demais para a nossa compreensão pequena e o nosso coração exíguo. E também sabemos como só a pouco e pouco se foi concretizando o sacramento na Igreja, como se nos custasse a crer na gratuidade do dom. As primeiras gerações não admitiriam outra penitência, além do Baptismo “para a remissão dos pecados”. Depois, aceitou-se uma segunda oportunidade para os cristãos que fraquejassem, com a penitência pública e custosa que vigorou na Igreja antiga. Chamavam-lhe até um “segundo baptismo”, última oportunidade nesta vida. E foi já na Alta Idade Média que se difundiu a disciplina penitencial que hoje felizmente temos, possibilitando-nos o crescimento pela confissão individual e reiterada. - Bem-aventurada prática, para a recepção cada vez mais correspondida de tão grande dom que nos refaz a vida, na lei nova do Espírito de Cristo, sem rigorismos nem laxismos, com autenticidade sempre!

Além da referência apostólica da penitência, oferecida pelo sacerdócio ministerial, esta mesma constitui a única atitude possível e coerente para quem progrida no conhecimento de Cristo. Como exclamava Pedro diante de Jesus, exprimimo-la assim: “Afasta-te de mim, Senhor, porque sou um homem pecador!” (Lc 5, 8).

Mas, longe de se afastar, Cristo aproxima-se sempre, proporcionando-nos regressos e progressos na Casa do Pai. - Ele sim, é o verdadeiro “irmão mais velho” – não o da parábola (cf. Lc 15, 11 ss) – dos pródigos que somos todos!

Conhecer Cristo é render-se definitivamente à graça e ao perdão de Deus. E, uma vez convertidos, seremos testemunhas e agentes da mesma graça e perdão. - Sede vós, caríssimos amigos, sede vós em cada momento e situação, o convite vivo à recriação das vidas, a partir de Deus, do Espírito de Deus em permanente Pentecostes!

Mas só o fareis e só o faremos pela recriação que permitirmos em nós. Aceitemos ser perdoados e Cristo nos ensinará a perdoar. No perdão vivo em que o mundo se reconstrói a partir de Deus, única e magnífica possibilidade de tal acontecer.

- E este mundo que nos toca, caríssimos irmãos, este mundo que hoje nos toca a todos, precisa tanto de ser recriado pelo Espírito de Deus!

Amados irmãos, caríssimos crismandos, percebei o que verdadeiramente se oferece neste Pentecostes do Espírito. Em Cristo, Deus reabilita a humanidade, esta mesma que cada um transporta e concretiza, tão magnífica de potencialidades e tão tragicamente desmentida por tantas contradições íntimas e sociais. Em Cristo, a nossa vida é vivida de forma novamente bela e finalmente refeita, segundo o desígnio de Deus.

Só por isso seremos plenamente cristãos. Reconhecemos em Cristo o que profundamente desejamos ser. Desde o baptismo, o seu Espírito atesta em nós que tal é possível. E que nem conseguimos imaginar a totalidade cristã a que o Espírito nos levará… (cf. Ef 3, 20).
Quando a Igreja reconhece a santidade de alguém, atesta e agradece o facto comprovado de que naquele homem, naquela mulher, o Espírito de Cristo foi actuando e realizando o Evangelho no mundo.

É este único Espírito que agora crismará muitos de vós, para assim continuar a suceder, na particularidade das circunstâncias que cada um encontre ou promova. Continuará a renovar-vos a vós, num perdão profundo que vos reabilita como filhos de Deus e agora vos impele como testemunhas do Evangelho da paz.

Prosseguirá através de vós a obra de Cristo no mundo, na força recriadora do Espírito divino. Precisamente assim é que a Igreja de Cristo responde actualmente à expectativa de todos, nas difíceis circunstâncias da sociedade que integramos e onde havemos ser “sal” de conservação e sabor, assim como “luz” de esclarecimento e ânimo (cf. Mt 5, 13-16).

Maria, Mãe de Jesus, estava com os primeiros discípulos, como agora está connosco. - Ela nos ajudará constantemente, para continuar a oferecer Cristo ao mundo!

+ Manuel Clemente

Sé do Porto, 12 de Junho de 2011

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

D. António Francisco dos Santos fala sobre o padre Joaquim Cunha, sacerdote mais idoso de Portugal

Catequese Infantil
2017-04-27 14:38:43
Guião
2017-04-27 14:37:25
Pagela
2017-04-27 14:36:55
JORNADAS DE PASTORAL VOCACIONAL
2017-04-27 14:36:19
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.