Faixa publicitária
NATAL DE CRISTO, NATAL DA IGREJA, NATAL DO MUNDO… PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2011

 

 

 

Amados irmãos, neste Natal de agora:

 

1. De Deus e dos homens sempre se falou e muito, como continua a falar. É uma espontaneidade inevitável, pois em torno de tais palavras se joga o que vivemos e esperamos, sofremos e novamente esperamos… Não é por acaso que, mesmo na linguagem corrente, a palavra “Deus” escapa tantas vezes dos lábios de quem crê e mesmo de quem diz não crer. Na generalidade das línguas, o vocábulo “Deus” - ou equivalentes – teima em exprimir o inexprimível, desfazendo prevenções ou sufocos, mesmo os “politicamente correctos”. Séculos de maus exemplos totalitários e laicistas já nos deviam ter convencido a todos de que a expressão religiosa é indissociável da esperança e de que, coibi-la, é um grave e inútil atentado à liberdade humana, que precisamente na sociedade se deve realizar, pessoal e comunitariamente, no mútuo respeito das convicções coexistentes.

 

O sentimento religioso, universalmente expandido – e até nalgumas contrafacções dele -, busca etimologicamente algo ou alguém a que nos liguemos ou “religuemos”, e isto desde as primeiras manifestações da humanidade que integramos. Sendo irrecusável como sentimento, é diversamente apreciável como concretização. Na verdade, em seu nome se têm alcançado altos níveis de humanidade, mas também – ilegitimamente embora – se tem roçado o contrário. Assim no passado e assim ainda no presente, na sobrevivência ou ressurgência de fanatismos vários.

Como a própria palavra indica, o “fanatismo”, próximo do fantasmagórico, toma o imaginário pelo real e as fantasias pela verdade. É um despiste grave do sentimento religioso e uma projecção indevida das nossas repetidas quimeras. Por isso mesmo, fere a verdade de cada um, dos outros e do próprio Deus, todas reduzidas a devaneios. Desconhecendo a quase tudo, facilmente oprime a quase todos, senão a todos mesmo.

Daí que a religiosidade autêntica se encontre melhor quer com a abstracção filosófica, como a herdámos dos antigos gregos, por exemplo, quer e ainda mais com a simplicidade crente, como a ganhámos da tradição bíblica. Como no júbilo de Cristo: “Bendigo-te, ó Pai, Senhor do Céu e da Terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e inteligentes e as revelaste aos pequeninos” (Lc 10, 21).

A primeira, de consequência em consequência ou de causa em causa, desceu ou remontou do ou ao princípio de tudo; a segunda deixou-se surpreender por um apelo que evoluiu em promessa e se concluiu em encontro. Ouvimo-lo magnificamente há pouco e devíamos sabê-lo de cor, quase como Credo resumido: “Muitas vezes e de muitos modos falou Deus antigamente aos nossos pais, pelos profetas. Nestes dias, que são os últimos, falou-nos por seu Filho, a quem fez herdeiro de todas as coisas e pelo qual também criou o universo” (Hb 1, 1-2).

2. Nós, cristãos, sabemos – por nós e para os outros – que estamos finalmente aqui, na incarnação do Verbo e a partir dela
. Como o ouvimos também: “E o Verbo fez-se carne e habitou entre nós. Nos vimos a sua glória, glória que Lhe vem do Pai como Filho Unigénito, cheio de graça e de verdade”. Sendo indispensável isto mesmo – que o próprio Deus se dissesse e “fizesse” neste mundo -, para contrariar de vez qualquer ilusão ou despiste da nossa parte.

Deus disse-se na “carne”, ou seja, na humanidade que quis compartilhar connosco, ganha no seio virginal de Maria, que só para tal fora criada. E tudo muito concretamente, no menino que nasceu, cresceu, trabalhou, sofreu e morreu. A realidade humana – esta mesma que é a nossa e de todos, particularmente dos mais pobres e frágeis, como Ele quis ser deveras. Uma antiga meditação via na cruz do Gólgota a mesma madeira do Presépio, muito acertando nesse ponto…

Por mais que levantássemos “palácios” para Deus, o seu leito seria sempre o de Belém e o seu trono o que Lhe deram na cruz. O lugar de Deus é irrecusavelmente o da humanidade, como ela foi e continua ser, também nos dias difíceis que vivemos. Como lugar de compaixão, da sua parte, pois faz sua a nossa fraqueza; como, lugar de esperança, da parte nossa, pois aí mesmo O podemos encontrar e à sua glória. São Paulo tinha na cruz de Cristo “toda a sua glória” e, já no século II, Santo Ireneu pôde resumir tudo assim: “A glória de Deus é o homem vivo e a vida do homem é a visão de Deus”.

Irmãos e irmãs: Olhai de novo agora, e só a esta luz, o presépio que tendes em casa, ou que ainda ireis a tempo de montar. Acorrei-lhe como os pastores e os magos, ouvi o cântico dos anjos: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados”. Ficai aí por momentos; depois partireis diferentes. Dai uma oportunidade ao Céu, como este se oferece na Terra.

Deus disse-Se desse modo. Baldados os nossos esforços de O forjar, foi a vez do próprio Deus se revelar, na promessa finalmente cumprida. Em luminoso passo duma exortação apostólica, Bento XVI comenta assim, aludindo ao prólogo evangélico que há pouco ouvimos: “O evangelista João contempla o Verbo desde o seu estar junto de Deus, passando pelo fazer-se carne, até ao regresso ao seio do Pai, levando consigo a nossa própria humanidade, que assumiu para sempre. Neste sair do Pai e voltar ao Pai, Ele apresenta-se-nos como o ‘Narrador’ de Deus. De facto, o Filho – afirma Santo Ireneu de Lião – ‘é o Revelador do Pai’. Jesus de Nazaré é, por assim dizer, o ‘exegeta’ de Deus…” (Verbum Domini, nº 90).

3. E aqui encontramos a Igreja, carne e corpo que Cristo ressuscitado continua a ter no mundo, para concretizar em cada tempo e espaço a compaixão divina por toda e qualquer pessoa. Noutra exortação apostólica pós-sinodal, Bento XVI lembrara, a propósito, que já “a antiguidade cristã designava com as mesmas palavras – corpus Christi – o corpo nascido da Virgem Maria, o corpo eucarístico e o corpo eclesial de Cristo” (Sacramentum Caritatis, nº 15).

E hoje como sempre, mas particularmente nas actuais circunstâncias, só assim se “legitima” uma Igreja que o queira realmente ser, como corpo de Cristo no mundo e para o mundo. Lembremos o que foi dito, como nossa única qualificação possível: “Por isto é que todos conhecerão que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros” (Jo 13, 35). E sem medo nem demoras em alargar o presépio, porque de alargar se trata, como o mesmo Jesus adianta, versículos depois e com toda a solenidade: “Em verdade, em verdade vos digo: quem crê em mim fará também as obras que eu realizo; e fará obras maiores do que estas, porque eu vou para o Pai, e o que pedirdes em meu nome eu o farei, de modo que, no Filho, se manifeste a glória do Pai” (Jo 14, 12-13).

Peçamos então, amados irmãos, peçamos intensamente ao Pai, que a obra de Cristo continue em nós e se desdobre em mil e uma atitudes de solidariedade, justiça e paz junto de quem mais sofra no corpo ou na alma as presentes vicissitudes. A fé com que celebramos esta grande solenidade manifesta-se necessariamente numa caridade ainda maior. Como já o escreveu um dos primeiros discípulos de Cristo, quase em desafio que perdura, face a qualquer espiritualismo ocioso e desincarnado: “mostra-me então a tua fé sem obras, que eu, pelas minhas obras, te mostrarei a minha fé” (Tg 2, 18).

- Graças a Deus e muitas, pois em tantas comunidades e pessoas se manifestam a glória de Deus e a caridade de Cristo, que o Espírito derrama nos corações e através deles (cf. Rm 5, 5)! Amados irmãos, é em vós que rebrilha hoje a luz de Belém, nos presépios vivos em que vos ofereceis aos pobres, aos doentes, aos sós e a todas as fragilidades do mundo. Por vezes, tão ou mais frágeis do que esses mesmos a quem socorreis; mas assim aconteceu com o próprio Deus, que, contrariamente a todas as previsões, quis nascer menino e pobre, para nos engrandecer e enriquecer a todos (cf. 2 Co 8, 9)!

E, se ainda se pede que “seja Natal todos os dias”, estejamos certíssimos de que isso mesmo deseja Deus, só dependendo de nós que aconteça de facto, continuando a incarnação do seu Verbo. Valha como prova esta exclamação claríssima do Apóstolo: “Completo na minha carne o que falta às tribulações de Cristo, pelo seu Corpo, que é a Igreja” (Cl 1, 28); e, através da Igreja, pelo mundo inteiro, certamente, a cuja salvação ela se destina.

- Maria, Mãe de Cristo do presépio à cruz, nos ensine estas coisas, como sucederam nela e com ela. José, que as adoptou de coração inteiro, nos ensine a guardá-las também. E, como os pastores da altura, partamos, glorificando e louvando a Deus por tudo o que vimos e ouvimos (cf. Lc 2, 20). Perto ou mais longe, estão muitos à nossa espera!

+ Manuel Clemente

Sé do Porto, 25 de Dezembro de 2011

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

D. António Francisco dos Santos fala sobre o padre Joaquim Cunha, sacerdote mais idoso de Portugal

Catequese Infantil
2017-04-27 14:38:43
Guião
2017-04-27 14:37:25
Pagela
2017-04-27 14:36:55
JORNADAS DE PASTORAL VOCACIONAL
2017-04-27 14:36:19
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.