Faixa publicitária
Homilia da Festa de São Tiago, no XI Encontro Internacional das Equipas de Nossa Senhora PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2012

Escolas do Evangelho, para a vida do mundo!

Homilia da Festa de São Tiago, no XI Encontro Internacional das Equipas de Nossa Senhora

Irmãs e irmãos caríssimos, participantes no XI Encontro Internacional das Equipas de Nossa Senhora

 

Celebramos hoje com toda a Igreja a Festa do Apóstolo São Tiago, o que só pode reforçar a dimensão apostólica da vida eclesial e familiar, que tão convictamente viveis.

No trecho evangélico que escutámos, a mãe de Tiago e João pediu o que é costume pedir: o melhor lugar para os seus filhos, como habitualmente queremos para nós e para os nossos.

Podemos até verificar como essa pretensão está presente na generalidade dos projetos humanos, sociais e políticos também, na pequena ou grande escala do mundo de todos e de cada um.

Das competições desportivas às económicas e financeiras; dos concursos locais ou de grupo às grandes concorrências de nações e de blocos, sempre esse sentimento transparece e aflora: ficar à frente, ser o primeiro, ganhar o destaque, a fama, o poder e a glória.

É algo tão comum em indivíduos e grupos, como os conhecemos agora, que quase se poderia tomar como essencial à natureza humana… Digo quase, porque realmente há outros fatores que nos definem e devemos ter em conta, em melhor conta.

Refiro-me à nossa natureza “pessoal”: existimos a partir de outros – os nossos pais – e só nos realizamos plenamente com os outros, familiar e comunitariamente. Sozinhos, nem nos reconheceríamos a nós próprios, pois a imagem que podemos fazer de nós só reflexamente se alcança: os olhos dos outros são o nosso espelho, as vozes que temos ressoam em eco, a atenção que nos prestamos mutuamente é a atmosfera onde podemos respirar.

Por isso, a família em que nascemos e crescemos é o lugar essencial e insubstituível para a nossa existência coexistente, para a nossa vida e consciência, para o crescimento verdadeiro, que só em comunhão pode acontecer.

 

Isto mesmo sabeis vós, caríssimos casais e famílias das Equipas de Nossa Senhora. E isto mesmo aprendeis com Ela, Maria de Nazaré, Mãe de Cristo e Esposa de José.

Tudo na Sagrada Família é vida em comunhão, com Deus e entre si. Maria recebeu de Deus o Filho a quem transmitiu a humanidade de nós todos, formado no seu seio virginal; José acolheu o mistério imenso duma vida que, não sendo naturalmente sua, soube guardar e conduzir, como sinal humano da paternidade divina, no crescimento e no trabalho. Jesus foi submisso a Maria e a José, crescendo em sabedoria, estatura e graça, sob a natural tutela de sua mãe e do seu pai adotivo; aos quais não deixou de interpelar e fazer também crescer na fé, à medida em que foi manifestando a sua verdadeira condição de Filho de Deus encarnado (cf. Lc 2, 49-52).

Acolhimento mútuo, crescimento familiar, aprofundamento duma comunhão que, passando pelo coração e as atitudes de cada um, tem em Deus Amor a sua origem e também a finalidade a atingir, pela mediação familiar e humana em que se processa.

Na Diocese que atualmente sirvo – deixai-me partilhar convosco – dedicámos o presente ano pastoral à Família e à Juventude, com o seguinte lema: “Viver em comunhão, formar para a comunhão”. Nas várias atividades e reflexões entretanto feitas, o que mais sobressaiu foi isso mesmo: a família, cada família, é o lugar inquestionável e positivo onde esposos e filhos, avós e até outros parentes, têm ocasião permanente para conviver e crescer, em mútua atenção e correspondência concreta, uns a partir dos outros, uns para os outros, todos com todos: e isto mesmo nas mais diversas circunstâncias e vicissitudes da existência humana, assim transformadas em escola comum da caridade divina – a única que não acabará jamais.

 

Com cerca de trinta anos de idade, Jesus deixou a sua casa e família de Nazaré, para dar início à grande família dos filhos de Deus, que há dois milénios vai crescendo no mundo. A família a que pertencem todas as famílias aqui reunidas, pela graça batismal e matrimonial que de Cristo recebem. A família a que pertencemos todos nós.

Entretanto, podemos considerar que os dinamismos pessoais em que Jesus crescera na sua própria família humana - infinitamente preenchidos pela sua realidade eterna de Filho de Deus no amor do Espírito -, se alargaram depois aos que chamou, para iniciar na terra aquele Reino que finalmente acontecia.

Durante a “vida pública” que se seguiu, de Nazaré a Jerusalém, do batismo por João à morte que sofreu por nós, em tudo Jesus expandiu o amor divino que humanamente se traduzira na Sagrada Família, de Belém ao Egito e a Nazaré da Galileia.

Daqui também que a “escola dos discípulos”, que Ele constituiu, fosse pedagogia ativa dos verdadeiros sentimentos e da comunhão concreta em que eles haviam de renascer, uns com os ou outros e todos para todos. Assim no Evangelho que escutámos, evocando São Tiago, o seu irmão e os discípulos em geral.

O que a “mãe dos filhos de Zebedeu” pediu foi, como vimos, muito natural e corrente: que Tiago e João ficassem ao lado de Jesus e primeiro que os outros… O que Jesus lhe indicou foi muito diverso e inovador: que “bebessem do cálice” que ele ia beber, partilhando os seus sentimentos de vida totalmente entregue, dando-a por todos e realizando-se desse modo. Um destino verdadeiramente pascal, em que a vida se ganha quando se oferece e só assim resulta e perdura.

Caríssimos casais e amigos das Equipas de Nossa Senhora: o sacramento que celebrastes no Matrimónio que sois proporciona-vos sempre e para sempre a mesma graça, atual e futura: casando-vos “no Senhor” (cf. 1 Cor 7, 39), dele recebeis luz e força, para aprender Deus vivendo à maneira de Deus – de Deus que é amor, vida circulante entre o Pai e o Filho na unidade do Espírito.

O irmão de Tiago escreveria estas palavras, anos mais tarde: “Caríssimos, amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus, e todo aquele que ama nasceu de Deus e chega ao conhecimento de Deus. Aquele que não ama não chegou a conhecer a Deus, pois Deus é amor” (1 Jo 4, 7-8). E o próprio Tiago concluiu os seus dias dando a vida por aquele Cristo com quem tudo aprendera; sobretudo a revelação absoluta de que “a felicidade está mais em dar do que em receber” (Act 20; 35).

 

Convertamos nós agora – nos casais, nas famílias, nas comunidades e na própria sociedade – os nossos impulsos tão atávicos de competição e prevalência em disposição firme e acrescida de promoção dos outros e em emulação positiva na prática do bem.

Digamos mesmo e em relação a todos, começando pelos esposos entre si, aquilo que João Baptista soube dizer em relação a Jesus: “Ele é que deve crescer, e eu diminuir” (Jo 3, 30). Porque, antes de todos, isso mesmo fez Jesus, “esvaziando-se” da vida que nos daria para que nós crescêssemos. Como exortava São Paulo: “… nada façais por ambição, nem por vaidade: mas com humildade, considerai os outros superiores a vós próprios, não tendo cada um em mira os próprios interesses, mas todos e cada um exatamente os interesses dos outros. Tende entre vós os mesmos sentimentos, que estão em Cristo Jesus: Ele, que é de condição divina, […] esvaziou-se a si mesmo, tomando a condição de servo. […] Por isso mesmo Deus o elevou acima de tudo e lhe concedeu o nome que está acima de todo o nome…” (Flp 2, 3 ss).

Irmãs e irmãos: Aprendamos, pratiquemos e cresçamos, em família e em Igreja, o que havemos de ser no mundo como sinal e em Deus como vida eterna. Só vivemos quando fazemos viver, só nos ganhamos quando nos oferecemos, só nos realizamos na felicidade dos outros. Aqui começa o cristianismo autêntico; antes disto só se arrasta o homem velho…

Imitemos o próprio Deus, que, dando-nos constantemente a vida, nem é ruidoso ao dá-la nem nos impõe a sua presença, antes nos oferece a amplidão do espaço interior e exterior, para crescermos, e a vitalidade da terra, para a fazemos frutificar. Deus que “humildemente” nos espera em cada irmão, para recompensar infinitamente toda a atenção que Lhe prestarmos nos outros.

Esta a lição que Tiago aprendeu de Jesus. Esta a graça e a responsabilidade dos casais cristãos e suas famílias: serem escolas do Evangelho, para a vida do mundo!

 

 

+ Manuel Clemente, Bispo do Porto (Portugal)

Brasília, 25 de Julho de 2012

 

 

 

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

D. António Francisco dos Santos fala sobre o padre Joaquim Cunha, sacerdote mais idoso de Portugal

Decreto Sobre as Virtudes do Servo de Deus ANTÓNIO JOSÉ DE SOUSA BARROSO Bispo do Porto e Missionário
2017-07-25 11:34:15
Texto
2017-07-20 17:35:49
Word
2017-07-20 17:35:10
Powerpoint + PDF
2017-07-11 14:08:03
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.