Faixa publicitária
Homilia da Paixão do Senhor PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2013


Porque a verdade da cruz é a verdade do mundo

 

«Disse-Lhe Pilatos: “Então, tu és rei?”. Jesus respondeu-lhe: “É como dizes: sou rei. Para isso nasci e vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade escuta a minha voz”. Disse-Lhe Pilatos: “Que é a verdade?”»

 

Irmãos e amigos, nesta hora que vivemos e celebramos, tais palavras entre Pilatos e Jesus, trazem-nos o fundamental do que nos explica aqui. Nelas podemos encontrar a razão de, dois milénios depois, a narração evangélica se manter tão viva e incisiva, traduzindo em tantas línguas do mundo o essencial do que o mundo há de saber.

 

Para Pilatos, a questão seria meramente política, senão policial, coisa de ordem pública e segurança romana. Um “rei” em Israel podia fazer concorrência a Roma, inadmissível concorrência. Para mais, a família de Herodes já era realeza local que bastasse e até onde o imperador permitisse, ou seja, pouco ou nada.

Pilatos podia já ter ouvido falar da esperança messiânica, e que, de tempos a tempos, apareciam candidatos ao título. Nada que Roma não pudesse dominar, mas sempre um incómodo a evitar. Por isso quis saber se Jesus se considerava “rei”.

O que decerto não esperava o governador romano era a resposta de Jesus, remetendo-lhe a pergunta confirmada: «É como dizes: sou rei». Até porque o esclarecimento continuava: «Para isso nasci e vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade escuta a minha voz».

A substância do reino de Jesus é a verdade que encerra, não precisando doutra justificação, apologia ou ajuda. Vale por si, autêntica. A substância do império de Roma era alguma, sobretudo na ordem política, militar e jurídica. Mas sempre pelo sistema, menos pelos imperantes, ainda que arvorados em deuses. Verdade à parte, nenhum hesitaria em impor a sua vontade. E Pilatos era, na circunstância, o rosto fugaz dessa mesma imposição.

Não estamos aqui por sua causa, muito pelo contrário. Ou melhor, estamos pelo contraste entre uma pseudo-verdade exterior e imposta e a verdade límpida e autêntica com que Jesus respondia ali.

Esta sim, atrai-nos há séculos, como atrairá por outros tantos e enquanto o mundo for mundo. Cada um de nós confirma, precisamente ao estar aqui, a definição que Jesus dá do seu reino, tão incisiva e simples como isto: «Todo aquele que é da verdade escuta a minha voz».

Escutámo-la nós, entre tantas vozes e mais forte que elas todas. Força do reino de Cristo, força da convicção que induz. Não o trocaríamos por nada, como Ele não nos trocou por coisa alguma. E dessa coincidência de entregas brota e rebrilha a verdade de Jesus.

 

Quando Pilatos abreviou o diálogo, com aquele «Que é a verdade?», que displicentemente lhe saiu, manifestou o que era e ainda mais o que desistia de ser e de saber. Deixava assim de encontrar, pois quem não procura não encontra; e quem algo encontra, mas deixa de procurar, rapidamente perde o que encontrou.

Da parte de Jesus a resposta é total, assim sendo a definição de verdade: «Todo aquele que é da verdade escuta a minha voz». Deduz-se que a verdade não é propriamente um objeto, mesmo que se possa objetivar aqui e ali, como que assinalando alguma consistência já. A nossa própria consistência, quando permitimos que a de Jesus nos fortaleça e transforme.

Jesus não mencionava uma verdade que lhe fosse estranha, mas em si próprio oferecia a verdade de tudo, na ligação que mantinha com Deus, connosco e com as coisas.

Creio ser por isso que os Evangelhos não abundam em definições essencialistas de Deus e da verdade divina. Surpreendem-nos, isso sim, com os reiterados convites de Jesus a que o sigamos, o olhemos bem, o escutemos melhor, o imitemos na prática. Integra-nos na sua vida, mais do que lhe define os contornos, que aliás se alargam sempre, mais e mais.

Aos primeiros discípulos não dirigiu grandes explicações, mas sim fortes convites: A dois que lhe perguntavam onde “morava” – maneira judaica de traduzir um “como te defines”, mais helénico - retorquiu pura e simplesmente: «Vinde e vereis!» (Jo 1, 38-39). A outros dois, que lançavam as redes ao mar, disse-lhes sem mais: «Vinde comigo e eu farei de vós pescadores de homens!» (Mt 4, 19). Estes e outros foram, aprenderam e ensinaram a verdade de Jesus, como a escutamos hoje.

Nem sempre encontrou igual correspondência. Ao jovem rico, que aliás manifestara algum interesse em alcançar a “vida eterna”, Jesus propôs: «Se queres ser perfeito, vai, vende o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no Céu; depois, vem e segue-me». Mas a reação foi negativa: «Ao ouvir isto, o jovem retirou-se contristado, porque possuía muitos bens» (Mt 19, 21-22). Ficou-lhe a verdade por cumprir.

 

Caríssimos irmãos e irmãs: Já de seguida, ser-nos-á apresentada a cruz do Senhor, único sinal que a Igreja contempla neste dia, representação perfeita da sua própria verdade, enquanto vida entregue, por nós e para nós. E caminharemos para ela, incluindo-nos no imenso cortejo que pelo mundo fora se abeira da Paixão do Senhor.

Vede o contraste com a atitude de Pilatos: A Jesus, já maltratado, que lhe dava testemunho da verdade, respondeu daquele modo, afastado e desistente. Dois milénios depois, correspondemos nós com a nossa vinda aqui, pois naquela vida entregue reconhecemos a verdade de um Deus que nos procura, qual pastor que «tendo perdido uma ovelha, vai à procura dela até a encontrar» (cf. Lc 15, 4).

Encontrou-nos na cruz do mundo – deste nosso mundo tão dilacerado por agudíssimos conflitos, exteriores e interiores a todos e cada um – e nela mesma nos acompanhou e acompanha, nos salvou e salva.

É esta a verdade que Pilatos não quis aprender, mas nós sim. Sendo verdade vivida, teremos de a aprofundar constantemente na cruz continuada onde igualmente se oferece, nas existências pobres e sofridas de tantas pessoas em que Jesus nos espera.

Por isso, celebrar a Paixão é o pórtico indispensável da Páscoa, da Páscoa de todos os dias, em tempo verdadeiramente pascal e muito além do calendário litúrgico. A celebração da Paixão do Senhor espera-nos depois nas nossas casas, naqueles de quem nos aproximarmos ou nos procurem, em tudo o que precise de ser salvo pela verdade da Cruz, que tanto adoramos como transportamos, por nós e pelos outros.

A verdade da cruz é a verdade do mundo, que só nela se salva e resplandece.

 

+ Manuel Clemente

Sé do Porto, 29 de março de 2013

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

D. António Francisco dos Santos fala sobre o padre Joaquim Cunha, sacerdote mais idoso de Portugal

Missa
2017-06-14 15:57:08
Terço
2017-06-14 15:56:37
Programa e Ficha de inscrição.
2017-06-02 09:34:51
Ficha de inscrição.
2017-06-02 09:34:11
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.