Faixa publicitária
Benção das Pastas, bênção para o mundo PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2013

Caros amigos finalistas, todos vós que formais a Academia do Porto nas suas universidades e escolas, caríssimas famílias e muito especialmente as mães neste dia que lhes é dedicado, caríssimos irmãos e irmãs aqui reunidos na bênção das pastas do presente ano de 2013: - Sede bem-vindos a este lindo lugar da nossa cidade, onde pulsa o seu coração, hoje académico e cristão, forte e irradiante como todos quantos se dispõem a servir a sociedade com as habilitações adquiridas nos seus cursos!

Ouvimos a Palavra de Deus e com ela partiremos também, como em cada Missa deve acontecer. Deixai-me repartir convosco apenas alguns tópicos, retirados das três leituras.

 

O primeiro refere-se aos Atos dos Apóstolos, texto fundamental sobre a vida dos primeiros cristãos e a evangelização que fizeram. A questão que se punha era a seguinte: - Os que aderiam ao Evangelhos, provenientes do paganismo, tinham de se submeter também às práticas judaicas? A esta pergunta, os cristãos de Jerusalém, primeira comunidade, responderam como ouvimos: «O Espírito Santo e nós decidimos não vos impor mais nenhuma obrigação, além destas que são indispensáveis: abster-vos da carne imolada aos ídolos, do sangue, das carnes sufocadas e das relações imorais. Procedereis bem, evitando tudo isso. Adeus» (At 15, 28-29).

Não é esta a altura para grandes explicações exegéticas. Mas o essencial percebe-se, dizendo que importava sobretudo a quem quisesse ser cristão rejeitar a idolatria e a imoralidade, ou seja, adorar a Deus apenas e ter relações corretas e límpidas com o próximo. Caríssimos amigos: isto era assim no princípio e assim continua a ser agora, na compreensão cristã das coisas. E o facto de estardes aqui, manifesta certamente a vossa convicção de que a religião de Cristo a que aderis vos levará a ter diante de Deus e dos outros um comportamento leal e correto, puro e verdadeiro. Sabeis, aliás, que a sociedade que todos temos de reconstruir agora, no sentido mais criativo e solidário do termo, só se atingirá assim, com gente vertical e honesta. Como Cristo era e ensinou a ser.

A segunda leitura foi do Apocalipse, último livro da Bíblia, porque às últimas coisas se refere. Como sabeis, foi escrito em tempos de perseguição ao cristianismo, estando o seu autor, João, preso na pequena ilha de Patmos. O horizonte natural era curto, poucos quilómetros de terra no meio do grande mar. As expectativas humanas também não podiam ser muitas, ali desterrado em tempos de perseguição. Pois é precisamente nessa altura que ele entrevê muito mais, tal como nos contou: «Um anjo transportou-me em espírito ao cimo de uma alta montanha e mostrou-me a cidade santa de Jerusalém, que descia do Céu, da presença de Deus, resplandecente da glória de Deus» (Ap 21, 10-11).

É caso para perguntar, caríssimos finalistas e irmãos todos, se também entrevedes o que ele viu… Porque tal importa muito e precisamente agora, em tempos igualmente não fáceis. E, não sofrendo aqui e agora a perseguição religiosa que ele sofria, o certo é que o horizonte não é tão largo e desanuviado como queríamos, em termos de sociedade, economia e vida em geral das pessoas.

Face a isto, podeis ficar como que bloqueados e incertos, como por vezes acontece. Mas, sendo cristãos como o autor do Apocalipse, já divisais uma cidade nova que desce do Céu; como quem refere o mundo novo que vai aparecendo, em tudo quanto parte de Deus e do seu permanente poder criador e recriador das vidas pessoais e conjugadas. É por isso que Apocalipse se traduz por “revelação”. É por isso que as vossas vidas, a vossa capacidade, o vosso empenho pessoal e solidário em criar coisas novas, revelarão a pouco e pouco o futuro que, também por vós, Deus oferecerá ao mundo.

Deixai-me repetir a última frase: «o futuro que, também por vós, Deus oferecerá ao mundo». Pode parecer ambiciosa, mas nós cristãos sabemos que é exatamente assim. Sabemos que Jesus de Nazaré parecia ser só ele, jovem artesão que a certa altura começou a falar dum “reino” bem diferente do que o seu povo via e sofria, submetido a pesadas imposições, infligidas por próprios e alheios. Dum reino ou cidade nova, constituídos por aqueles que, aceitando a única paternidade divina, necessariamente se reconhecem como verdadeiros irmãos uns dos outros, inteiramente justos e solidários. Com os que acreditaram, formou a sua Igreja, a mesma que integramos hoje. E, quando lhe fecharam totalmente o horizonte, nas grandes trevas daquele dia em que o crucificaram, aí mesmo ofereceu o seu Espírito e a sua Vida, vencedores de todas a mortes

Caríssimos finalistas: Há muita coisa que aprendestes durante os vossos cursos, muitas mais aprendereis vida fora e tantas outras que vos provocam grandes interrogações. Aliás, fazeis parte dum sociedade, a nossa, onde há mais perguntas do que respostas e interrogações do que certezas…

Mas sois cristãos, e do mesmo Cristo ouvis palavras como as que há pouco ressoaram, no Evangelho aqui lido: «Quem me ama guardará a minha palavra, e meu Pai o amará. Nós viremos a ele e faremos nele a nossa morada» (Jo 15, 23).

E é imenso, isto que ouvimos. Se acolhermos e fixarmos bem o que Cristo nos diz, se o acolhermos a Ele, como Palavra viva do Deus vivo, o próprio Deus habitará em nós como morada sua. E cada um de nós, um após outro, casa a casa, alargará no mundo a cidade nova que João entreviu no Apocalipse e onde finalmente conviveremos todos com todos e todos para todos; a partir de Deus, fonte inesgotável de criatividade, alegria e paz.

Dois mil anos de cristianismo demonstram indubitavelmente que tal é possível. Onde qualquer discípulo ou discípula de Cristo enfrenta o dia a dia com o Evangelho na mente e no coração, conjugando-se com outros que partilham a mesma fé, o futuro começa a acontecer, mesmo onde já poucos acreditavam que tal fosse possível. Por isso vos peço, caríssimos amigos: entre tantas palavras que constantemente ouvis, entre tantas contradições que por vezes vos bloqueiam, lede e relede o Evangelho de Cristo, guardai-o no espírito e praticai-o com vontade, deixai que através de vós Deus recrie o mundo.

Sereis os primeiros a admirar-vos com o poder de Deus, que conta com a vossa colaboração, mas a ultrapassará admiravelmente depois. Como logo se escreveu nas primeiras gerações cristãs, concluo eu agora, pleno de confiança em todos e cada um de vós: «Àquele que pode fazer imensamente mais do que pedimos ou imaginamos, de acordo com o poder que eficazmente exerce em nós, a Ele a glória, na Igreja e em Cristo Jesus, em todas as gerações, pelos séculos dos séculos! Amen» (Ef 3, 20).

 

+ Manuel Clemente

Porto, Avenida dos Aliados, 5 de maio de 2013

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Missa da Peregrinação diocesana do Porto de 9 de Setembro 2017

Angelus TV

rito da coroa / pegada / preces
2017-11-29 11:43:29
Vigília
2017-11-02 17:36:10
Rosário
2017-11-02 17:35:48
Áudio
2017-11-02 17:34:38
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.