Faixa publicitária
Homilia do Senhor D. Pio Alves na celebração de Inicio do Ano Pastoral PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2013

Ano Pastoral

 

1. Como vem sendo habitual, com a celebração, neste dia, da solenidade da Dedicação da Catedral damos início, formalmente, ao novo ano pastoral.

Nesta ocasião, vivemos a importante particularidade de estarmos na expetativa da nomeação, por parte do Santo Padre, de um novo Bispo para a nossa Diocese. Aguardamos que isso aconteça num tempo tão breve quanto possível.

Entretanto, a vida da Diocese – das pessoas e das comunidades que a integram – não para. Não é tempo, contudo, de assumir ou propor iniciativas de fundo que alterem significativamente o rumo pastoral dos últimos anos. Mas é sempre tempo de, entre todos, responder com generosidade e responsabilidade redobradas ao que, no dia-a-dia, a Igreja e a Sociedade nos vão solicitando. É tempo também de sublinhar alguma nota de continuidade que ajude a centrar os programas pastorais parcelares das comunidades e dos serviços.

 

2. Mas, antes disso, e como alicerce de quaisquer considerações, escutemos no nosso coração a Palavra de Deus.

Como não podia nem pode deixar de ser, o centro é Cristo: Jesus Cristo que ensina e atua (Lc 6, 6-11); Cristo que Paulo anuncia (Col 1, 24-2, 3).

“Jesus entrou numa sinagoga a um sábado e começou a ensinar”. Curiosamente, o texto de Lucas não refere se Jesus Cristo fez um discurso temático. Relata tão só um gesto de misericórdia e as palavras que o acompanham. Ensina, assim, que as obras estão antes que as palavras; que as leis não subjugam as pessoas; que o sábado (o domingo) é, por excelência, o dia da bondade, da proximidade, da misericórdia. Ontem como hoje, como ao longo dos séculos, haverá, contudo, quem não entenda estas prioridades: “os escribas e fariseus ficaram furiosos e começaram a falar entre si do que haviam de fazer a Jesus”.

Mas nada disto pôde (nem pode) impedir a atenção ao gesto de súplica que se encerra na mão estendida. É igual a mão que fica à vista de Jesus Cristo e dos escribas e fariseus; mas são bem diferentes os olhos que a veem. “Tu, que crês ter a mão sã, comenta Santo Ambrósio[1], cuida-te de que a avareza e o sacrilégio não a contraiam. Estende-a com frequência: estende-a para o pobre que te implora; estende-a para ajudar o próximo, para levar socorro à viúva, para arrancar da injustiça o que está submetido a uma vexação iníqua; estende-a para Deus pelos teus pecados. Tal como se estende a mão, assim é como se cura”.

É este Cristo que Paulo anuncia, sem aceção de pessoas, e de quem é servidor na Igreja: “Cristo no meio de vós, esperança da glória”. “Luto, ouvíamos também de S. Paulo, para que os seus corações sejam confortados e, estreitamente unidos na caridade, alcancem em toda a sua riqueza a plenitude da inteligência, o conhecimento do mistério de Deus, que é Cristo, no qual estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência”.

3. Com o pretexto de reflexões aprofundadas ou de aplicações pastorais precisas perdemo-nos, demasiadas vezes, no que é acidental. Transformamos o cristianismo numa ideologia e a sua prática num código que, usando o referencial do relato do evangelho de hoje, proíbe as curas ao sábado. Mas, na realidade, o que se nos pede é algo bem diferente. Com efeito, escreve Bento XVI na Porta Fidei[2], “repassando as páginas (do Catecismo da Igreja Católica), descobre-se que o que ali se apresenta não é uma teoria, mas o encontro com uma Pessoa que vive na Igreja”. “Possa este Ano da Fé tornar cada vez mais firme a relação com Cristo Senhor, dado que só nele temos a certeza para olhar o futuro e a garantia dum amor autêntico e duradouro”[3].

Sem querer fugir à questão da necessidade ou da conveniência de um programa, este deve ser sempre o seu núcleo imprescindível: Jesus Cristo no centro da nossa fé e, por isso, da nossa vida; Jesus Cristo no centro do nosso ministério, da nossa mensagem.

4. Isto não obsta, contudo, a que, com as limitações que o realismo da nossa situação sugere, privilegiemos alguma dimensão operativa concreta. E o razoável é o reforço da continuidade.

Vimos, em tempos mais próximos, da Missão 2010: em palavras do Senhor D. Manuel, “tempo largo e pleno para que a Diocese do Porto e cada uma das suas comunidades se apliquem sobremaneira no anúncio evangélico, com ‘novo ardor, novos métodos e novas expressões’ ”[4]. A sua concretização deu realce à unidade da Diocese na sua diversidade.

Na sequência da Missão 2010, a vivência do Ano da Fé foi ocasião para um programa diocesano, em que a dimensão celebrativa esteve centrada nas vigararias. Partindo de um esquema-base comum, as programações locais espelharam uma sã diversidade de potencialidades e necessidades. Percebeu-se mais claramente que essa unidade pastoral (no sentido mais amplo da expressão) configura uma realidade sociológica e pastoral cujas potencialidades têm que ser mais e melhor aproveitadas.

Não se chega aí, em primeiro lugar, pela circunstância, em agravamento crescente, da escassez de presbíteros: ainda que também. Sem pôr em causa a realidade jurídica das paróquias, torna-se cada vez mais evidente – por razões diferentes em ambiente urbano e em ambiente rural – que as fronteiras geográficas são, e podem ser, cada vez mais fluidas. Torna-se cada vez menos justificada a dispersão de energias e as correrias improdutivas a que estão submetidos clérigos e leigos em ações de formação e celebrativas. Cada caso é um caso e cada situação é uma situação. Mas todas as necessidades e projetos pastorais deverão ser olhados, cada vez mais, com ousada prudência, num horizonte mais amplo, mormente no horizonte vicarial. Repito: a vivência vicarial do Ano da Fé foi, também neste aspeto, um magnífico ensaio e concretização de possibilidades.

Este é também um desafio às estruturas diocesanas no seu serviço às diferentes comunidades.

A celebração litúrgica da solenidade da Dedicação da Catedral recorda-nos, com palavras de S. Paulo (Ef 2, 19-22), que o alicerce é Jesus Cristo e todos nós estamos integrados nessa construção. Como “morada de Deus”, teremos que ser, na Igreja e na Sociedade, referência viva da perene novidade do Evangelho.

5. Uma palavra final aos professores de Educação Moral e Religiosa Católica. Sei que, profissionalmente, não passais por momentos fáceis. Quase ninguém passa por momentos fáceis!

Este desafio é também para vós. Sem interferir na vossa legítima autonomia, contamos com a vossa conexão com as estruturas vicariais.

 

Confiamos os frutos deste novo ano pastoral à intercessão da Santíssima Virgem, Nossa Senhora da Assunção, Mãe de Jesus Cristo e nossa Mãe.

 

 

Sé do Porto, 09 de setembro de 2013

+Pio Alves, Administrador Apostólico

 

 


 


[1] Ambrósio, Exposição sobre o Evangelho de Lucas, 5, 40.

[2] Bento XVI, Porta Fidei, 11.

[3] Ibidem, 15.

[4] D. Manuel Clemente, De Deus para Deus, no sacerdócio de Cristo, 5, in Igreja Portucalense7, 20 (2009) 62.

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

D. António Francisco dos Santos fala sobre o padre Joaquim Cunha, sacerdote mais idoso de Portugal

Catequese Infantil
2017-04-27 14:38:43
Guião
2017-04-27 14:37:25
Pagela
2017-04-27 14:36:55
JORNADAS DE PASTORAL VOCACIONAL
2017-04-27 14:36:19
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.