Faixa publicitária
Memória descritiva do logótipo para o Ano Pastoral 2014-2015 PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - “A ALEGRIA DO EVANGELHO É A NOSSA MISSÃO”

 

O logótipo da Diocese do Porto, para o Ano Pastoral 2014-2015, inspira-se na rosácea da sua Sé, partindo, portanto de um elemento arquitetónico específico da Catedral, Igreja-Mãe da Diocese, donde dimana e irradia, toda a vida sacramental e todo o dinamismo pastoral, no desejo sempre tão ardente de “iluminar todos os homens, com a luz do Espírito Santo, que resplandece no rosto da Igreja, anunciando o evangelho a toda a criatura” (L.G.1).

A frase, lema ou tema, que assina e assinala este ícone[1], inspira-se, pois, na “alegria do evangelho”, o título feliz da Exortação Apostólica do Papa Francisco, que se apresenta como programática, para toda a Igreja, neste tempo (cf. E.G.25). Trata-se, em primeiro lugar, da “alegria do evangelho”, como experiência do encontro com Cristo, que não pode deixar de ser uma “alegria missionária” (E.G.21), que sempre se renova e comunica (cf. E.G.2-8). Mas revela também a opção, por um programa pastoral, inspirado nos desafios de conversão e de transformação missionária de toda a Igreja (cf. E.G.19 ss), apontados pela Exortação Apostólica, que tem precisamente à cabeça as palavras sobre a “Alegria do Evangelho”. Com este “programa” o Papa ajuda-nos e faz-nos ajudar outros a redescobrir “a doce e reconfortante alegria de evangelizar” (Paulo VI, E.N.80, citado por E.G.10).

Deste modo, o logótipo parte de um ícone, conhecido e reconhecido, pelo seu valor arquitetónico, e pela sua simbólica matricial, associada à Sé, e à transparência da luz, em sintonia com o desejo de conversão missionária, expresso pelo Papa quando invoca Maria, Estrela da nova evangelização, para que nos ajude “a refulgir com o testemunho da comunhão, do serviço, da fé ardente e generosa, da justiça e do amor aos pobres, para que a alegria do evangelho chegue até aos confins da terra e nenhuma periferia fique privada da sua luz” (E.G.288).

Pensamos que o logótipo traduz bem essa «expansão» da luz de Deus, esse projeto de «uma Igreja em saída» (E.G.20-24) de uma comunidade, cuja comunhão fortalecida, se traduza em abertura missionária.

A rosácea é composta de oito elementos. Cada elemento é desenhado por uma forma, que facilmente se associa à parte superior de uma figura humana. É a valorização de cada pessoa, na sua originalidade, na sua dignidade. Por isso, cada uma delas é pintada com uma cor diferente, cores vivas e alegres. Assim como o ícone precisa da densidade das cores e da determinação das formas, assim a Igreja transmite o mistério que se fez presente n’Ela e irradia através d’Ela!

Por outro lado, cada um dos oito elementos está em relação vital com os demais, numa proximidade que começa por ser familiar e se traduz na assunção de um caminho comum.

Mas é sempre uma relação, em círculo aberto, expansivo, comunicativo, não isolado ou autorreferencial: “somente graças a este encontro – ou reencontro – com o amor de Deus, que se converte em amizade feliz, é que somos resgatados da nossa consciência isolada e da autorreferencialidade” (E.G.8).

Há, depois, uma diversidade de cores, naquele grupo de oito elementos iguais, que gira à volta de um centro comum. Esta diversidade pode representar a comunidade cristã, na variedade dos seus membros e funções, todos eles dotados da mesma dignidade, todos eles diferentes, nas suas potencialidades e expressões, todos eles belos, todos eles necessários, para chegar à unidade e à harmonia, todos eles, afinal, “discípulos missionários” (E.G.24; 120), descentrados de si, centrados em Cristo, voltados para o mundo. Por isso, este é um grupo aberto, um grupo em expansão, um grupo que, ao mesmo tempo que é atraído por um centro (Cristo, o evangelho vivo), permanece de portas abertas para deixar outros entrar (E.G.46.47), e de portas abertas, para ir, tomar a iniciativa, sair em missão, ao encontro dos outros (E.G.49), a fim de “procurar os afastados e convidar os excluídos” (E.G.24).

 

Deste modo, pretende-se representar, no logótipo, a comunidade cristã, reunida e atraída, por um único centro, que é Jesus Cristo, sob a luz altíssima do Espírito Santo. De notar, que o evangelho, fonte de alegria e oferta para o homem, não é um livro. É a Boa nova da encarnação e da redenção, é a certeza do próprio Jesus, vivo, morto e ressuscitado por nós, sempre presente no nosso meio, no meio do mundo, no meio da Igreja, no meio da nossa vida, a enchê-la de sentido, de vida, de alegria, de plenitude da graça.

As oito figuras, unidas e separadas, pelos oito traços, podem evocar “o oitavo dia”, isto é, o dia que já não tem fim, “o domingo que não tem ocaso” (Missal Romano, Prefácio Dominical X), a dimensão da eternidade de Deus no tempo da nossa vida, a nossa visão luminosa do rosto de Deus, a nossa participação na própria vida trinitária. Essa é a fonte, o centro e a meta de toda a vida cristã e pastoral.

Na construção deste logótipo, construído a partir da rosácea, pode adivinhar-se também que o modelo relacional, entre a parte e o todo, entre o indivíduo e a comunidade, entre a Igreja e o Mundo, segundo um dos princípios enunciados pelo Papa Francisco, na sua Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, não é a esfera mas o poliedro, “que reflete a confluência de todas as partes que nele mantêm a sua originalidade” (E.G.236).

 

Desejamos, pois, que este logótipo seja inspirador de muitas outras interpretações, implicações e aplicações pastorais, que a criatividade do Espírito certamente suscitará em cada um, no seio da nossa Igreja.

Cabe a cada um dar-lhe a sua cor, o seu sentido original. Mas aqui fica esta proposta simples, como “um bem comum, que verdadeiramente incorpore a todos” (E.G. 236), pois também aqui, “o todo é superior à parte” (E.G.234).

 

Carlos Gallo, Designer

e Equipa de Apoio à Coordenação Pastoral Diocesana

 


[1] A palavra «ícone», como é sabido, significa «imagem». A Igreja, à semelhança de Maria, é também ela, um ícone, na medida em que n’Ela se oferece o duplo movimento que toda a imagem tende a transmitir: o visível e o invisível, a humanidade de Deus e a divindade do homem. A Igreja é ícone, porque nela se realiza a revelação do Deus escondido, a presença do Deus eterno na história dos Homens, e, ao mesmo tempo, porque nela se oferece, aos olhos do coração crente, a janela do mistério, a ponte entre o visível e o invisível.

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

D. António Francisco dos Santos fala sobre o padre Joaquim Cunha, sacerdote mais idoso de Portugal

Catequese Infantil
2017-04-27 14:38:43
Guião
2017-04-27 14:37:25
Pagela
2017-04-27 14:36:55
JORNADAS DE PASTORAL VOCACIONAL
2017-04-27 14:36:19
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.