Faixa publicitária
Jubileu de Pároco da Maia do Padre Domingos Jorge PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2014

1.É de alegria, vivida à volta do altar, a razão que nos traz a esta nova Igreja matriz de Nossa Senhora da Maia. Reunimo-nos para celebrar a Eucaristia. Fazemo-lo por ocasião do jubileu como Pároco da Maia do Padre Domingos Jorge Duarte do Aido.

Saúdo-vos, irmãos e irmãs, com estes acrescidos motivos de alegria que unimos nesta Eucaristia, que é sempre mistério de graça que de Jesus Cristo recebemos e momento e memorial de ação de graças que a Deus devemos.

 

Saúdo com particular afeto o Padre Domingos Jorge, neste dia de jubileu como Pároco desta Comunidade. Com ele regresso, em romagem de gratidão a Arouca, a terra que o viu nascer, que foi berço da sua fé e escola da sua vocação; recordo os seus pais e a sua família, porque a eles, em primeiro lugar, devemos o Pároco que agora temos.

Mas esta celebração diz-nos que, para nós sacerdotes, a nossa família se alarga aos horizontes dos Seminários que nos formaram, das Comunidades cristãs que servimos e da Igreja diocesana que somos.

Com o Padre Domingos Jorge, quero lembrar os nossos Seminários do Porto, neste dia do início da Semana dos Seminários. O Seminário foi a mais longa e necessária escola da sua formação rumo à ordenação presbiteral. Aí viveu, também, os primeiros anos, no início do seu ministério, como Formador no Seminário do Bom Pastor, em Ermesinde. Aí o conheci e desde esse tempo guardo do Padre Domingos Jorge o testemunho da amizade fraterna e o exemplo do ministério sacerdotal.

Quero, com a minha presença, dizer-lhe que a alegria que aqui nos traz, hoje, é alegria de toda a Igreja do Porto.

2. Neste domingo, a liturgia da Igreja celebra a Dedicação da Basílica de S. João de Latrão. Recorro e inspiro-me nas palavras tão oportunas do Padre João Resina Rodrigues, de saudosa memória, sacerdote do Patriarcado de Lisboa, escritas neste mesmo dia de 2008:

“Durante cerca de duzentos e cinquenta anos, o império romano perseguiu os cristãos com grande dureza e crueldade. O édito de Milão, assinado por Constantino em 313, concede aos cristãos a liberdade de culto. Puderam abrir as portas das casas onde até aí celebravam a Eucaristia em segredo. Puderam fazer igrejas. O próprio Imperador Constantino mandou edificar para os cristãos templos, semelhantes aos edifícios públicos, as basílicas. Esta primeira basílica cristã, a de Latrão, foi consagrada em 9 de novembro do ano 320. Considerada igreja-mãe de todas as igrejas, continua a ser a catedral do Bispo de Roma, o Papa.

Dezoito séculos depois, queremos que existam igrejas. E ficamos felizes se as igrejas, as sinagogas, as mesquitas e outros templos forem espaços de fé e de oração, significarem menos a oposição das crenças e significarem mais a procura de Deus e a aceitação do diálogo. As nossas igrejas e capelas são, em si mesmas, sinal do Deus de Jesus Cristo no meio da cidade dos homens. São espaço onde celebramos a Eucaristia, onde gostamos de rezar, com os irmãos ou a sós, onde podemos reunir-nos, onde guardamos no sacrário o Pão da Eucaristia, Corpo de Cristo, que aí fica presente para nossa adoração e contemplação”.

Tem aumentado sentido dizer esta palavra nesta Igreja nova, construída no coração da nossa Cidade da Maia, fruto da vossa fé e da vossa generosidade, inaugurada e dedicada a Deus no dia 11 de outubro de 1992.

A Palavra de Deus, que acabamos de ouvir, conduz-nos à entrada do templo, donde, segundo a visão profética de Ezequiel, “sai água que tornará sã a outra água, que fará crescer árvores com frutos novos e salvará todos aqueles a quem esta água chegar” (Ez 47, 1-12).

Esta Palavra de Ezequiel é o pórtico de entrada para a compreensão da mensagem de Paulo aos cristãos de Corinto, ao lembrar-lhes que “eles são edifício de Deus e templo onde habita o Espírito de Deus. O templo de Deus é santo e vós sois esse templo”, diz-nos S. Paulo (1 Cor 3, 9-17).

O cuidado e o desvelo por este templo que somos nós e por tantos outros sinais do templo humano e dos templos edificados, onde Deus habita, é necessária missão dos discípulos do Senhor, como nos diz o evangelho ( Jo 2, 13-22).

3. É em ordem a cuidar dos templos humanos e dos templos edificados das Comunidades que nasce a vocação de todo o discípulo de Jesus. «Vinde ver») Jo 1, 39), respondeu Jesus aos dois discípulos de João Baptista, que lhe perguntavam onde habitava. Foram então e viram onde Jesus morava e sobretudo viram quem era e permaneceram com Ele. Era de simplicidade e de humildade a vida de Jesus; era de mansidão o seu coração e por isso Ele atraiu e atrai hoje também tantos a Ele, que O seguem como seu Mestre e que continuam a sua missão como ministros da sua graça, discípulos missionários da alegria do evangelho, procurando ser pastores ao modo de Jesus, o Bom Pastor.

É igualmente de humildade e confiança, de generosidade e de entrega, o testemunho sacerdotal do Padre Domingos Jorge, sempre vivido em plena comunhão com os seus bispos e em zelosa missão ao serviço do povo de Deus, que lhe está confiado. Bem-haja, irmão sacerdote!

Dou graças a Deus pelos nossos Seminários e para eles peço a oração, a dedicação e a generosidade de todos; louvo a generosidade e a verdade de vidas entregues de tantos jovens que aí caminham na fidelidade a Cristo, rumo à ordenação presbiteral; agradeço a dedicação das Equipas Formadoras e de quantos, colaboradores, amigos e beneméritos, fazem dos nossos Seminários o coração vivo da Diocese. Nos nossos Seminários renasce, dia a dia, com vigor e entusiasmo a esperança do futuro, para que nunca faltem à Igreja e ao Mundo “servidores felizes da alegria do Evangelho”.

Celebrar jubileu sacerdotal é também uma abençoada oportunidade para fazermos deste serviço da alegria do Evangelho, o paradigma, a força e o impulso da nossa pastoral vocacional.

Urge encontrar no belo e fecundo testemunho de vida sacerdotal dos sacerdotes da nossa Diocese e no espírito cristão das famílias e das comunidades destas Terras da Maia, que tanto têm crescido demograficamente e de modo tão exemplar se têm afirmado no contexto da vida da nossa Região, a força mobilizadora e o fascínio do chamamento de Deus para que surjam, a partir daqui, novas e generosas vocações para a vida sacerdotal.

5: Que Nossa Senhora da Maia, que invocamos, também, como Senhora do Bom Despacho e Senhora do Carmo, bênção materna da nossa Cidade, nos inspire neste zelo evangelizador e missionário da Igreja, aberta ao mundo, e nos faça compreender que a messe é cada vez maior e que pertence a cada um de nós tudo fazer em oração, confiança e missão para que haja “servidores da alegria do Evangelho”, como nos lembra o lema desta Semana dos Seminários, em Portugal

Quero rezar por todos os sacerdotes e seminaristas da nossa Diocese e das Comunidades Religiosas que aqui vivem e trabalham. Rezo por todos e por cada um:

“Contigo esteja o Senhor…Que tem mãos de Pai e rosto de Mãe.

O Senhor esteja diante de ti, para te mostrar o reto caminho.

O Senhor esteja ao teu lado, para te dar o braço e apoiar-te.

O Senhor esteja em ti, para te consolar quando estiveres triste.

O Senhor esteja sobre ti, para te abençoar.

Que o bom Deus te abençoe!”

( Sedulius Caelius, monge e poeta, séc. III)

 

Maia, Igreja matriz, 9 de novembro de 2014

António, Bispo do Porto

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Ressurreição é «um acontecimento que se celebra na transformação do mundo» - Bispo do Porto

Catequese Infantil
2017-04-27 14:38:43
Guião
2017-04-27 14:37:25
Pagela
2017-04-27 14:36:55
JORNADAS DE PASTORAL VOCACIONAL
2017-04-27 14:36:19
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.