Faixa publicitária
Homilia no 3.º Domingo do Advento PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2014

1. Abrimos ao culto e retomamos, hoje, as celebrações dominicais nesta bela e renovada Igreja dos Clérigos, na cidade do Porto, depois de concluídas as obras de restauro.

É, por isso, de alegria este recomeço da vida e do culto nesta Igreja. São, a partir de hoje muitos os caminhos que aqui convergem e devem ser igualmente grandes as possibilidades de missão pastoral que aqui nascem. Demos graças a Deus por isso!

Celebramos o terceiro domingo do Advento. Aproxima-se o Natal. Na liturgia da Igreja este é o domingo de acrescentada alegria, porque a vinda do Senhor está próxima.

“Alegrai-vos no Senhor” é o apelo da liturgia de hoje dirigido à Humanidade e sustentado em razões sólidas que reforçam a natural inclinação humana para a alegria. Nascemos para a alegria. Vivemos para partilhar a alegria. Queremos transformar as tristezas humanas, as nossas e as dos nossos irmãos, em alegrias que sejam sempre dom da graça e fruto abençoado dos milagres que a Deus se devem.

 

Isaías é o profeta, por excelência, desta alegria junto do povo de Israel, que vivia nesse tempo no exílio na Babilónia. Precisamos, hoje, como outrora, de homens serenos, construtores da paz, profetas da alegria, capazes de abrirem caminhos de reconciliação e de misericórdia entre irmãos e de trabalharem pacientemente para que germinem na Humanidade a bondade e a paz (Is 61, 1-11).

“Alegrai-vos no Senhor”, é o convite, igualmente, de S. Paulo na sua primeira carta aos cristãos de Tessalónica. São condições necessárias desta alegria, de que fala S. Paulo, a fé, a oração, a santidade, uma vida irrepreensível e a fidelidade aos compromissos com Deus.

Temos aqui proposto pelo apóstolo Paulo, um programa completo para o Advento, que implica docilidade ao Espírito, escuta da Palavra de Deus, desejo de fazer o bem e necessidade de orar intensamente, enquanto se espera a vinda do Senhor (1 Tes 5, 16-24).

“Alegrai-vos no Senhor” como João Batista, o homem do deserto, o profeta corajoso, a testemunha humilde que nos pede para preparar os caminhos do Senhor.

Em cada Advento, a Igreja procura acolher a profecia de Isaías, viver o dinamismo apostólico de Paulo e aprender com o exemplo de João Batista. Também os cristãos hoje podem e devem proclamar: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque o Senhor me ungiu e me enviou a anunciar a boa nova aos pobres, a curar os corações atribulados, a proclamar a redenção aos cativos e a liberdade aos prisioneiros, a proclamar um ano de graça do Senhor” ( Is 61, 1-11).

 

2. Na caminhada apresentada à Diocese para este tempo de Advento-Natal somos convidados, à luz da Palavra de Deus e inspirados na Exortação apostólica Evangelii Gaudium do Papa Francisco, a viver esta terceira semana do Advento decididos a “acompanhar” os nossos irmãos, a reconhecer o outro como irmão, a cuidar das suas feridas, a estreitar laços, a construir pontes e a descobrir que a mensagem cristã do Natal se centra em Jesus, o Príncipe da paz.

O Advento é essencialmente um tempo de súplica para que Deus venha, para que se endireitem as veredas, se aplanem os caminhos, se reconciliem os desavindos, se cuide dos que sofrem, se procure casa para os sem abrigo, se dê alimento aos pobres, se aliviem as dores dos que vivem provações no seio das famílias sem trabalho, sem alegria e sem paz.

Escolhemos, nesta semana, S. José como figura a colocar no presépio e queremos valorizar a família como escola necessária da alegria do evangelho. Assumimos como atitudes a desenvolver nas nossas famílias e nas nossas comunidades cristãs as atitudes que o Papa Francisco propõe ao falar aos casais e às famílias, como segredo de felicidade e caminho obrigatório de espiritualidade familiar: obrigado, desculpa, por favor.

O Natal deste ano deve ajudar-nos a compreender que se “fizermos da alegria do evangelho a nossa missão” e se construirmos em cada família “uma casa para a alegria do evangelho”, estamos a cumprir a profecia de Isaías e a anunciar nas nossas famílias, comunidades e Diocese, um ano de graça da parte de Deus. Centremos em Deus a nossa fé, procuremos em Deus a nossa alegria e façamos partir do encontro com Deus a nossa missão.

 

3. Este templo que agora se abre ao culto divino, renovado e unido à sua torre, a mais alta e mais bela da Cidade, é um marco levantado no coração do Porto para erguermos o nosso olhar para Deus e Lhe abrirmos o nosso coração.

Saberemos nesta Igreja unir a fé e a beleza, a oração e a arte, o culto e a cultura, a serenidade demorada da contemplação e a curiosidade de uma visita rápida ao templo, o encontro íntimo com o silêncio que nos fala de Deus e a descoberta do horizonte na sua vastidão imensa, a descoberta de sentido para a vida que o acompanhamento espiritual e vocacional nos pode oferecer e a passagem momentânea dos transeuntes e turistas que aqui descobrem a beleza dos sinais da presença de Deus.

Deixemo-nos fascinar, nesta bela e renovada Igreja, pelo encanto da presença de Deus e inebriar pelas melodias do talento humano. Desejamos acolher fraternalmente quem nos visita e com eles e para eles celebraremos os mistérios santos da nossa fé. Procuraremos, a partir deste centro vivo e jovem da cidade do Porto, fazer desta Igreja escola de discípulos missionários que traduzam a “alegria do evangelho em missão” aberta às novas periferias da arte, da cultura ou do anonimato e da presença discreta de quem nos visita e aqui procura Deus.

Confiemos estes sonhos e esperanças, que trabalharemos juntos, à Senhora de Vandoma e da Assunção que do alto deste altar-mor abraça a Cidade do Porto com a sua ternura de Mãe e com o seu desvelo de Padroeira.

 

 

Porto, Igreja dos Clérigos, 14 de dezembro de 2014

António, Bispo do Porto

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Missa da Peregrinação diocesana do Porto de 9 de Setembro 2017

Angelus TV

D. António Maria Bessa Taipa em entrevista à Voz Portucalense
2017-10-11 16:12:03
Powerpoint + PDF
2017-10-09 11:26:12
Recursos gráficos
2017-09-19 13:45:08
Formato ICS (Google, Outlook, iCal, ...)
2017-08-21 15:07:09
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.