Faixa publicitária
Homilia na Festa de Nossa Senhora da Hora PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2015

 

1.“Em Caná da Galileia, Jesus deu início aos seus milagres. Manifestou a sua glória e os discípulos acreditaram n’Ele (Jo 2, 11). Esta afirmação do evangelho, agora proclamado, abre-nos a porta para a missão de Jesus e diz-nos da importância da presença Maria, sua Mãe, nesta missão. Foi em resposta ao apelo de Maria que Jesus realizou o primeiro milagre. Foi pelo cumprimento do conselho de Maria que os empregados da mesa colaboraram na realização do mesmo milagre. Deve-se a Maria a atenção dada aos esposos que celebravam a sua festa de casamento. A presença de Maria neste primeiro momento da vida pública de Jesus, vai permanecer ao longo da sua missão e continuar, depois, na vida e na missão da Igreja, como nos dizia a primeira leitura dos Atos dos Apóstolos ((Act 1, 12-14).

 

Sabemos assim, como nos lembra o lema do nosso Plano pastoral paroquial para este mês de maio, mês de Maria e mês da Mãe, que também aqui na nossa paróquia, na nossa diocese e em toda a Igreja temos “uma Mãe de coração aberto que espera por Ti”.

Maria, Mãe de Deus, abre-nos as portas do coração como só as Mães sabem fazer ao abrirem as portas da casa para os seus filhos, para que a casa comum de toda a família seja berço de vida fecunda e escola de amor abençoado; casa de mesa única para todos os filhos, onde o pão se reparte por igual entre irmãos, a alegria se partilha por inteiro entre os mais idosos e os mais pequeninos e a paz se constrói no amor para com todos.

À Mãe do Filho de Deus, confiamos este desejo profundo, que sai do coração de todos nós, de sermos abençoados e felizes. Com Maria, Mãe de Jesus, o milagre da vida acontece e a alegria do evangelho cumpre a sua missão. Os apóstolos reuniram-se em oração no Cenáculo depois de Jesus subir ao céu. Aí aguardaram o momento do Pentecostes e depois partiram em missão com a bênção de Maria, Mãe da Igreja. Assim nasceu a Igreja. Assim deve prosseguir a Igreja o seu caminho de missão, também hoje e aqui.

2. A nossa paróquia tem Nossa Senhora como padroeira sob este título tão significativo de Senhora da Hora. Invocamos Nossa Senhora da Hora com particular carinho como bênção da maternidade e protetora das mães que aguardam o nascimento dos seus filhos. Não são necessários raciocínios complexos para nos fazer compreender este amor de Mãe. Basta-nos a fé simples, a oração, o jeito de peregrinar, como ainda ontem vimos em Fátima, e o testemunho de vida de tantos cristãos que nos põem diariamente em contacto com o mistério da Vida.

Diante de tantas dores angustiadas que se difundem pelo mundo, e que tocam sobretudo os mais frágeis, os idosos, os emigrantes clandestinos, refugiados e vítimas de tráfico humano, os doentes e os que sofrem, queremos aprender com Maria, a Mãe dos Povos, a ser sinais de esperança e de ternura e a anunciar com a nossa vida a alegria do evangelho que nasce da certeza da Páscoa de Cristo.

O olhar terno da Mãe acompanha-nos desde o início do tempo e desde o começo da vida, assim como Maria acolheu o Filho de Deus desde a encarnação do Verbo e desde o nascimento de Jesus e agora acompanha a Igreja em todo o seu percurso.

Confiemos-lhe as nossas mães e todas as famílias, crianças e jovens da nossa paróquia, com todos os seus projetos, esperanças e provações, alegrias e dores. Maria, sublime mestra e educadora da fé, é estrela da esperança a iluminar o horizonte do nosso futuro e a conduzir os desígnios da Humanidade na busca da felicidade.

Para que esta felicidade seja possível na terra que habitamos, devemos implorar o amor abençoado e fecundo para as nossas famílias, a lucidez diligente para os que servem a causa da educação, o espírito construtivo para os empresários e trabalhadores, a clarividente sabedoria para os que devem ouvir os pobres, a atenção solícita e solidária da Igreja para servir o bem comum e construir um mundo melhor.

3. Procurai, irmãos e irmãs desta Comunidade, revisitar a vida e os gestos de Maria, como aqueles de que nos falam, nesta Eucaristia, os Atos dos Apóstolos e o texto do Evangelho, e neles descobrir a alegria que preenche a vossa alma, a coragem que vence os medos do mundo e a ousadia da caridade que desfaz as injustiças sociais.

Celebramos a Semana da Vida, sob o lema: “Vida com dignidade – opção pelos mais fracos”. Sede famílias onde se acolhe com generosidade o dom da vida, onde se encontra o espaço do diálogo, onde se partilha a alegria da proximidade. Na família deveis procurar e encontrar a atenção de todas as horas, o sabor da amizade sã, a aprendizagem da gratidão, o valor suave da delicadeza, a mão que se estende, o sorriso que se entrelaça, o bem comum que se procura. A Festa da Padroeira é também festa de cada família da paróquia, onde se acolhe a vida e onde os mais frágeis ocupam o primeiro lugar.

Celebrar e viver a Festa da nossa Padroeira implica também agradecer a Deus o dom de tantas pessoas e famílias que na nossa paróquia vivem a beleza do amor abençoado e fecundo, testemunham a alegria da fé e assumem um serviço generoso à Comunidade.

A Festa da Padroeira é um incessante desafio à missão. Esta missão tem hoje aumentado sentido e renovado encanto, incentivados pela Exortação Apostólica do Papa Francisco que nos convida a sermos uma Igreja de portas abertas para a missão de anunciar a alegria do evangelho em todas as periferias humanas, sociais e existenciais.

É isto que em nome da Igreja do Porto hoje vos peço: Sede testemunhas felizes desta alegria do evangelho; vivei esta Festa da nossa Padroeira em cada família da nossa paróquia; fazei deste dia um hino de gratidão a Deus por tantas pessoas e famílias que dedicadamente servem a nossa Comunidade; sede trabalhadores incansáveis desta Igreja que faz da alegria do evangelho a sua missão.

Que Nossa Senhora da Hora, Mãe da Igreja, Mãe da Consolação, Mãe de afeto materno, Estrela da nova evangelização, como a vamos invocar agora na oração dos fiéis, vos proteja, guie e abençoe. Ámen.

Igreja matriz da Senhora da Hora, 14 de maio de 2015

António Francisco, Bispo do Porto

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

D. António Francisco dos Santos fala sobre o padre Joaquim Cunha, sacerdote mais idoso de Portugal

Missa
2017-06-14 15:57:08
Terço
2017-06-14 15:56:37
Programa e Ficha de inscrição.
2017-06-02 09:34:51
Ficha de inscrição.
2017-06-02 09:34:11
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.