Faixa publicitária
Homilia na Solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Maria PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2015

 

 

1.O belíssimo texto do evangelho, agora proclamado, apresenta-nos a Virgem Maria “cheia de graça” e “serva do Senhor”, dócil e disponível para cumprir a vontade de Deus (Luc 1,26-38), Assim, queremos celebrar, hoje, a Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria nesta Catedral e na Igreja do Porto, que a venera como Mãe e Padroeira.

Mas, é a Deus e a Cristo que se elevam a adoração e a ação de graças desta tão numerosa e participativa assembleia cristã, que contempla em Maria, a primeira de todos os redimidos, a imagem e o ícone da Igreja (Ef 5, 27).

Saudemos, todos, Maria de Nazaré com as palavras do Anjo Gabriel: “Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo” (Luc 1, 28).

 

São, por isso também, para a Igreja, de quem Maria é mãe e modelo, as palavras do Anjo: “Não temas, porque encontraste graça diante de Deus”( Luc 1, 29). E digamos, também nós, com Maria e como Maria: “Faça-se em mim segundo a tua Palavra, Senhor”. O mesmo é dizer: “ Seja feito em mim o que Deus quer” (Luc 1, 38).

Esta é a afirmação bíblica, de todas a mais bela, de entrega da vida a Deus, que vence medos, dissipa dúvidas, gera certezas e rasga horizontes novos. É sintonia com Deus e comunhão com Ele no seu projecto de redenção da Humanidade. É confiança plena em Deus e na sua presença próxima e fiel de todos os dias e em todas as situações. É resposta de quem sabe que o melhor de nós mesmos se afirma quando obedecemos e servimos. É lição de mãe aprendida pelo seu filho Jesus, que dirá, também Ele, a Deus, seu Pai, na hora da cruz: “ Nas tuas mãos, Senhor, entrego o meu espírito” (Luc 23, 46).

É na escola de Maria, a Imaculada Conceição, “cheia de graça”, que todos nós somos chamados a viver. É neste mesmo exemplo de quem define a sua vida pela obediência à vontade de Deus que vós, sete irmãos nossos, que ides ser ordenados, deveis diariamente aprender a ser diáconos permanentes. “Os ministérios ordenados não se podem medir pela utilidade. São da ordem da graça. Os ministros ordenados devem estar ao serviço da santificação de todo o Povo de Deus e por isso devem ser acolhidos como dom e não exigidos como funcionários. (P. Joaquim Santos, Delegado Episcopal para o Diaconado, Diocese do Porto – Humanística e Teológica,  2008, pág.108).

2. O Concílio Vaticano II abriu caminho à ordenação de diáconos permanentes. Esse caminho, aí aberto, percorre a nossa Diocese, desde o dia 26 de abril de 1992, quando, nesta Catedral foram ordenados, por D. Júlio Tavares Rebimbas, os primeiros dezoito diáconos permanentes. Damos hoje graças a Deus por este dom que vós sois. Sereis, a partir de hoje, noventa e três diáconos permanentes na Igreja do Porto. Queremos assumir este dom como desafio pastoral e caminho a prosseguir.

Constituídos para o ministério e não para o sacerdócio, os diáconos permanentes “munidos com a graça sacramental, servem o Povo de Deus na diaconia da liturgia, da palavra e da caridade, em comunhão com o Bispo e seu Presbitério” ( Lúmen Gentium, 29).Basta ver como os diáconos acompanharam Paulo e o auxiliaram no permanente trabalho de itinerância missionária da evangelização!

É também essa a missão que vos confio neste tempo que é o nosso e nesta experiência de comunhão e de renovação pastoral da Igreja do Porto, para que nos ajudeis a nós, bispos e presbíteros, em todas as comunidades cristãs, a fazer da:“Alegria do Evangelho a nossa missão” e a proclamar com a vida, por palavras e obras: “Felizes os misericordiosos!”.

Devemos a restauração do diaconado ao Concílio Vaticano II, depois de ter entrado em desuso durante a Idade Média. É da conclusão deste Concílio Vaticano II que celebramos hoje 50 anos. O Concílio Vaticano II foi acontecimento incontornável da história da Igreja a abrir caminhos novos à missão da Igreja e à sua presença no meio do mundo.

Importa, hoje, regressar ao Concílio e agradecer ao Papa João XXIII, que com a sua bondade, intuição profética e docilidade ao Espírito Santo convocou o Concílio. Importa, hoje, caminhar ao ritmo da renovação conciliar e agradecer ao Papa Paulo VI, que persistente e lucidamente concretizou e cumpriu o Concílio.

Regressemos ao Concílio e encontremos nele o manancial inexaurível de inspiração profética e de formação cristã que renove a Igreja de Jesus neste limiar de um novo milénio. Cumpre-nos ajudar as novas gerações de presbíteros, diáconos, consagrados e leigos a ler a vida da Igreja, à luz do Concílio.

Somos convidados em permanência a assumir a nossa missão no mundo em chave conciliar e a partilhar com todos a paixão pela Igreja e o fascínio pelo Concílio, com o mesmo encanto e são alvoroço, com que nós seus contemporâneos o vivemos.

3. Na coincidência desta data jubilar, o Papa Francisco, para quem o Concílio é um ponto de partida, uma bússola e um farol, decidiu iniciar, hoje, o Jubileu da Misericórdia. Ajuda-nos assim esta decisão do Papa Francisco a compreender que só pela comunhão colegial, que o Concílio nos trouxe, e pela misericórdia divina, acolhida, celebrada e multiplicada, que de Jesus recebemos e se espelha no rosto terno e no coração materno de Maria, a Imaculada Conceição, a Igreja cumprirá a sua missão no nosso tempo globalizado e plural.

Ao abrir, nesta manhã, a Porta santa da Misericórdia, na Basílica de S. Pedro, o Papa Francisco convidou a Igreja e o Mundo a olhar para Maria, Mãe de Jesus, “cheia de graça”, e a descobrir que só “a plenitude da graça é capaz de transformar o coração. Só a graça divina vence em nós a tentação da desobediência, que se exprime no desejo de projectar a nossa vida independentemente da vontade de Deus. Neste ano, continua o Papa Francisco, devemos todos crescer na convicção da misericórdia e viver a alegria do encontro com a graça divina que tudo transforma” ( Roma, homilia de 08.12. 2015).

Em comunhão com o Papa Francisco e no espírito de quanto nos propomos no nosso Plano diocesano de Pastoral, também nós somos chamados a viver este Jubileu da Misericórdia. Recordo as palavras da recente Carta Pastoral, que nós bispos dirigimos à Igreja do Porto: “A contemplação da misericórdia – em última instância, da misericórdia divina – oferece-nos, a todos, o conforto de estarmos a coberto do seu manto protector. Mas implica-nos, também – também a todos - no exercício da misericórdia: sempre e em todas as circunstâncias. A misericórdia não é, pois, uma realidade de um único sentido. Envolve-nos a todos: como destinatários e como actores” (Carta pastoral – Felizes os misericordiosos”(Porto, 03.12.2015).

4. Sem querermos ser melhores ou privilegiados em relação a outros povos ou nações, lembremos que somos Terra de Santa Maria e celebramos hoje a Padroeira de Portugal.

A geografia da alma portuguesa e os caminhos da história de Portugal são marcadamente marianos. Desde a Senhora da Oliveira, no berço da nacionalidade em Guimarães, à Senhora da Conceição, padroeira do Reino, em Vila Viçosa, à Senhora de Vandoma, padroeira do Porto, a Cidade da Virgem, à Senhora do Rosário de Fátima, na Cova da Iria, Altar do Mundo, vivemos aconchegados pela ternura da Mãe de Deus e nossa Mãe.

Neste momento de vida do nosso País e no contexto perturbado da história do Mundo cumpre-nos implorar de Maria, Mãe da misericórdia, do perdão e da fraternidade, que nos ensine diariamente, como só e sempre as mães sabem fazer, a percorrer caminhos de fé, de progresso e de paz.

Não esquecemos que celebramos, também hoje, aqui bem perto, no Seminário Maior da Sé, a Imaculada Conceição, sua padroeira. Vivemos ali este dia festivo, que aqui se continua e prolonga, como dia de Encontro da Equipa Formadora e dos Seminaristas com as suas Famílias. Damos graças a Deus pelo dom dos nossos Seminários, dos Seminaristas e das Vocações na Igreja do Porto e queremos agradecer quanto aos Seminários, às Famílias e às Comunidades todos devemos.

5. Que Maria, a Imaculada Conceição, por todos interceda e a todos abençoe, ilumine e proteja!

Porto, Sé Catedral, 8 de dezembro, solenidade da Imaculada Conceição, de2015

António, Bispo do Porto

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Ressurreição é «um acontecimento que se celebra na transformação do mundo» - Bispo do Porto

Catequese Infantil
2017-04-27 14:38:43
Guião
2017-04-27 14:37:25
Pagela
2017-04-27 14:36:55
JORNADAS DE PASTORAL VOCACIONAL
2017-04-27 14:36:19
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.