Faixa publicitária
Homilia de Natal PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2015

Foi a minha mãe, a primeira pessoa, que me contou histórias bíblicas e me ensinou a viver e a amar o Natal. No mundo de hoje, o Natal precisa de ser melhor conhecido e mais amado. O Natal existe por nossa causa e para nosso bem.

Maria e José não encontraram lugar na cidade e recolheram-se numa gruta da colina de Belém. Aí nasceu Jesus, o Filho de Deus. Jesus modelou em traços divinos a gruta onde nasceu e dela fez o primeiro presépio do mundo.

O Natal desperta-nos para acolhermos o amor de Deus pela Humanidade, manifestado no mistério do nascimento do Filho de Deus, que veio morar no meio de nós.

 

O Natal ensina-nos a sonhar com um mundo novo e diferente, habitado por homens e mulheres que sabem ser irmãos e querem cumprir as catorze Obras de Misericórdia, transformando as dores das pessoas em esperança e as dificuldades do mundo em oportunidade de justiça.

Todos quantos celebram o Natal de Jesus sabem que a esperança, de que o mundo carece, mora no presépio e está presente no coração generoso dos que acreditam, rezam e partilham. Para os cristãos, a oração está na raiz da caridade e no lugar onde se fortalece a esperança.

A Igreja conhece as alegrias e as esperanças das pessoas, as dúvidas e as provações das famílias e os sonhos e atrocidades dos povos, e por isso intensifica, neste tempo, a oração diante de Deus, apressa-se a ir ao encontro de quem sofre e proclama um Ano santo de Paz e de Misericórdia.

Há tanto a fazer para que o Natal seja verdadeira celebração do nascimento de Jesus e intensa experiência de Deus, Pai de bondade, de ternura e de misericórdia!

Hoje, já não há pastores nem reis magos, regressados do presépio e guiados pela estrela que brilha na noite, mas há mensageiros felizes do Natal (crianças, jovens, adultos e idosos) a caminho das casas sem pão e das famílias sem paz, decididos a ir ao encontro das pessoas sem-abrigo, sem família, sem trabalho, sem saúde, sem liberdade ou sem pátria. Há gente a repartir o seu magro salário, instituições e comunidades a multiplicar as suas respostas solidárias e empresas a fazer um esforço acrescido na consolidação de um trabalho estável e na repartição justa dos resultados conseguidos.

Muitos destes mensageiros caminham sem rótulos nem títulos. São os humildes e os simples, os puros e os misericordiosos, os justos e os construtores da paz.

O Natal é Jesus! É Jesus nascido na humilde manjedoura dos subúrbios da cidade, que os nossos presépios recordam e representam. A Igreja, que transporta em si a Alegria do Evangelho, tem a missão de nos fazer compreender que o Natal é Jesus: “Hoje, na cidade de David, nasceu-vos um Salvador, que é o Messias, Senhor” (Luc 2, 11) .

Queremos prosseguir, com este espírito, na Igreja do Porto, o Plano Diocesano de Pastoral e a Caminhada de Advento – Natal, de acordo com a recente Carta Pastoral, multiplicando em cada dia do ano o milagre do cabaz cheio e do cesto de partilha fraterna a transbordar, transformados em acolhedora manjedoura onde Jesus nasce, em mesa de irmãos onde o pão se reparte com os pobres e em escola de fraternidade, onde as Obras de Misericórdia se vivem e se ensinam.

Há no coração das pessoas, das famílias, das instituições e das comunidades da Igreja do Porto belos sinais de Natal e imensos gestos que a fé em Jesus, Filho de Deus, nascido de Maria de Nazaré, nos inspira. Lembro apenas, entre tantos outros, três destes sinais:

1.No passado dia 13 de dezembro abrimos a Porta Santa da Misericórdia na Catedral do Porto, como nos mandou fazer o Papa Francisco, para iniciar o Jubileu da Misericórdia. Antes de abrir a Porta Santa da Catedral e passar a soleira multissecular desta entrada na Casa de Deus, percorremos as ruas íngremes, estreitas e belas do Bairro da Sé, que envolve, aconchega e abraça a Catedral.

Deste percurso, acompanhados por uma multidão de gente vinda de toda a Diocese e pelas Santas Casas da Misericórdia de todo o espaço diocesano, trazemos connosco as preces que ouvimos balbuciar, as lágrimas que vimos chorar e a curiosidade feliz de crianças e turistas, que também por ali andavam.

2.Chegaram à nossa Diocese, no mês de outubro, os primeiros refugiados da Síria, agora a viver em Ovar. No passado dia 18, deste mês, foi recebida pela Santa Casa da Misericórdia de Penafiel uma família de refugiados. Outros virão mais tarde!

Este é o primeiro Natal vivido por eles entre nós. Vai ser felizmente diferente para eles este Natal, mesmo que seja outra a sua fé, porque encontraram casa junto de nós, abrigo na cidade e espaço humano em terra de gente de paz e de bem.

3.Celebrei, hoje, a Missa da meia-noite na Ala Pediátrica do Hospital de S. João. Reunimo-nos à volta do altar, construído sobre um berço de criança. Estava ali Jesus celebrado no seu berço de Natal e no seu altar de Páscoa, rodeado de crianças hospitalizadas, de mães e pais a sofrer com a dor e a doença dos seus filhinhos. Estavam presentes neste momento, tão significativo para todos nós, os Responsáveis do Centro Hospitalar e médicos, enfermeiros, funcionários e voluntários.

Éramos muitos na sala maior preparada a gosto, com dignidade e beleza, para ser presépio diferente. Cantamos cânticos de Natal com a alegria dos pastores e acendemos a luz de Belém, que iluminou o caminho dos magos, vindos de longe. Adoramos Jesus ali presente no altar da Eucaristia e na vida cuidada das crianças, por entre um misto de ternura, de carinho, de alegria, de dor, de oração e de esperança de todos nós.

Estes sinais ali encontrados, agradecidos e vividos à luz da fé, em tempo de Natal, dizem-nos que os milagres de Deus acontecem nos nossos dias, porque cada vez  mais sabemos todos que: “há mais alegria em dar-(se)”.

Santo e feliz Natal. Felizes os misericordiosos!”

Porto, Igreja Catedral, 25 de dezembro de 2015

António, Bispo de Porto

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Missa da Peregrinação diocesana do Porto de 9 de Setembro 2017

Angelus TV

D. António Maria Bessa Taipa em entrevista à Voz Portucalense
2017-10-11 16:12:03
Powerpoint + PDF
2017-10-09 11:26:12
Recursos gráficos
2017-09-19 13:45:08
Formato ICS (Google, Outlook, iCal, ...)
2017-08-21 15:07:09
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.