Faixa publicitária
Homilia na celebração pela unidade dos cristãos – Porto PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2016

1. As Igrejas cristãs do Porto reafirmam aqui o desejo de se unirem na oração, na escuta da Palavra de Deus, no debate sereno, na profissão da fé e na procura comum da unidade desejada por Jesus. Acolhemo-nos no dia primeiro do Oitavário de oração pela unidade dos cristãos neste belo templo da Igreja Metodista, no Porto, para rezar, para partilhar a Palavra das Escrituras, para agradecer a vida de Deus em nós e para perceber qual a missão das nossas Igrejas cristãs no mundo.

Este momento de oração e este gesto de encontro são já de si um significativo passo de comunhão fraterna e de procura consistente de caminhos de unidade entre as nossas Igrejas cristãs. Vimos aqui, porque somos todos “chamados a proclamar os feitos do Senhor”, como nos lembra Pedro na sua primeira Carta (1 Pedro 2, 9-10).

Nem sempre é fácil proclamar bem alto os feitos do Senhor por entre as dificuldades e os problemas, com que nos debatemos todos os dias como pessoas, instituições e povos. Nem sempre é nossa voz livre e afirmada em uníssono, quando nos situamos frente a concepções diferentes da vida que recebemos de Deus e da missão que Cristo nos confiou. Como proclamar os altos feitos do Senhor, quando nos encontramos num mundo marcado pelo relativismo e pela indiferença? Como proclamar os altos feitos do Senhor diante de povos inteiros em fuga da sua pátria, vítimas da violência, do ódio e da guerra?

Por isso mesmo, neste contexto em que vive a Humanidade e em que se alicerça a cultura do nosso tempo, torna-se mais necessária a nossa presença conjunta, mais intensa a nossa comunhão fraterna e mais fervorosa a nossa oração comum. Só compreenderemos os altos feitos de Deus se pela oração percebermos que eles são portadores de bênção e de misericórdia divinas.

2. Ajuda-nos na oração pela unidade dos cristãos ao longo destes dias um guião preparado pelos cristãos da Letónia. Remontam ao século XII as primeiras referências ao cristianismo na Letónia, graças à missão evangelizadora de S. Meinhard e de missionários alemães.

A terra letã foi, no percurso dos séculos, campo de batalha, de conflitos e de desentendimentos civis, políticos e religiosos que tiveram consequências nocivas nas divisões sentidas na vida da Igreja local. Chamada hoje a viver como país independente e livre do jugo daqueles que lhe usurparam direitos e liberdades, a Letónia encontra-se atualmente numa encruzilhada de regiões católicas, protestantes e ortodoxas e abriga cristãos de várias tradições.

A sua história guarda a firmeza da fé, mesmo nos momentos mais difíceis e nas horas mais controversas, e revela a alma crente do povo que rezava a favor da liberdade e se unia em oração comum, implorando todos num só hino nacional: “Que Deus abençoe a Letónia”.

Estamos, hoje, também nós, na Europa diante de situações complexas e de desafios delicados. Somos testemunhas de sofrimentos humanos em que a procura de sentido para a vida pessoal, para o bem das famílias, para o convívio entre os próximos e para a paz entre os povos necessita de fé esclarecida e de oração comum.

3. Pedro lembra aos cristãos de Jerusalém que, pela graça de Deus e pela salvação recebida de Jesus Cristo, eles se tornaram povo de Deus. Assim, também nós, pelo batismo, o mesmo e único batismo, na água e no Espírito Santo, somos nação santa, povo eleito, sacerdócio real. O batismo iniciou para cada um de nós este itinerário de fé, consolida diariamente esta experiência de oração e convoca-nos para a missão de anunciar a alegria do evangelho. Nas Escrituras que todos lemos, aprendemos como Deus se ocupou do seu povo e o amou por inteiro, de tal modo que lhe enviou o seu Filho.

Procuremos proclamar esta comum e fundamental certeza de que Deus nos ama e façamos nossa a Palavra de Jesus no Evangelho, que nos diz quem são os bem-aventurados e que nos convida a ser sal da terra e luz do mundo. Procuremos que as bem-aventuranças do reino de Deus se cumpram e se realizem também no nosso tempo e nas diferentes tradições da Igreja (cf. Mt 5, 1-16).

Se assumirmos este belo texto de Mateus 5, onde as bem-aventuranças se proclamam, veremos que todos, independentemente das diferenças das nossas tradições cristãs, podemos e devemos ser mensageiros da alegria do evangelho e dar testemunho fraterno e feliz da nossa fé. Importa vivermos como verdadeiro povo, sentirmos que a hospitalidade é caminho de unidade e fortalecermos dia a dia este belo sonho de que o amor com que Deus nos ama se transforme em fraternidade de crentes e em unidade de cristãos.

4. O Porto tem desenvolvido, através da Comissão Ecuménica, um abençoado esforço de iniciativas e um consistente conjunto de propostas que nos ajudam a rezar em comum e nos convidam a caminhar de olhar colocado no horizonte da unidade. São muitas e belas as ideias que nos mobilizam e as actividades que nos congregam, como é sentida a oração que nos une, manifesta a amizade que nos aproxima e sincero o desejo de unidade que se fortalece entre nós. Demos todos graças a Deus!

Somos, no Porto, habitantes desta Casa comum da humanidade, que Deus nos chamou a cuidar. Somos mensageiros de um Deus, rico em misericórdia, que nos ensina a ser misericordiosos uns com os outros e a proclamar com verdade e com sentido: “felizes os misericordiosos” (Mt 5, 7).

Queremos todos, também, ser sal da terra e luz do mundo como testemunhas credíveis de Cristo e seus discípulos missionários, para que a alegria do evangelho chegue a todas as periferias. (cf. Mt 5, 1-16).

Queremos, finalmente, ser Igrejas de portas abertas para receber os irmãos, os de perto e os de longe, os que vêm para conhecer a nossa cidade apenas por alguns dias, como turistas, e são tantos, ou aqueles que, vindos de outras terras, emigrantes ou refugiados, batem às portas da Europa na procura de terra, de tecto e de trabalho. Todos eles têm direito a encontrar no coração das Igrejas cristãs do Porto abertura e acolhimento, espaço de oração e de silêncio, lugar de contemplação e oportunidade de proximidade com Deus e com os seus irmãos na fé.

O “roteiro ecuménico” de oração pela unidade que hoje aqui iniciamos e nos levará a celebrar juntos, ao longo do ano, a mesma fé na vivência das diferentes tradições eclesiais ajudar-nos-á neste propósito e guiar-nos-á neste compromisso em busca da unidade.

5. Há tantos projetos comuns que a nossa oração de hoje pode e deve inspirar e tantos caminhos, há muito já iniciados, que devemos aplanar e percorrer com novo encanto, reafirmado vigor e aumentado entusiasmo.

Importa traduzir a oração comum que hoje nos reúne em acção conjunta que a todos nos envolva, por igual, na busca da unida da Igreja e na construção de um Mundo melhor.

Sintamo-nos também nós abrangidos pelas bem-aventuranças do evangelho, porque também nós queremos ser “misericordiosos como o Pai” e construtores da unidade, da justiça e da paz.

Porto, Igreja Metodista do Mirante,18 de janeiro de 2016

António, Bispo do Porto

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Entrada Solene de D. Manuel Linda na Diocese do Porto

Agência Ecclesia

Guia?o.56.ª.Semana.Orac?a?o.Vocac?o?es Versão reduzida
2019-04-26 12:20:40
Cartaz e banner FB
2019-04-17 14:56:29
Pagela Oração
2019-04-17 14:56:10
Guião
2019-04-17 14:55:11
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.