Faixa publicitária
Nota pastoral - Presença e Gratidão PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Notas Pastorais

bombeiros.ptPresença e Gratidão – Uma missão solidária

Há momentos de dor que exigem de todos nós uma presença imediata, uma atenção solidária e uma resposta eficaz para irmos ao encontro dos que sofrem.

Os incêndios que têm atingido o nosso país em muitas das suas regiões, desde as zonas mais rurais aos centros urbanos, vieram, mais uma vez, dizer-nos como são frágeis as nossas seguranças e como correm risco as populações portuguesas e os seus bens.

As vítimas humanas destes incêndios, os bens perdidos de tantas famílias atingidas e a natureza sacrificada, sobretudo na sua área florestal, clamam pela nossa comunhão fraterna e pela nossa proximidade solidária. A hora é de dor diante deste flagelo recorrente em Portugal. Em horas de dor como esta todos somos necessários para aliviar o sofrimento daqueles que foram diretamente atingidos. Todos nós somos tocados por este drama e todos choramos as vítimas humanas e os bens materiais. Os bens perdidos são tantas vezes a única fonte de sobrevivência económica dos mais pobres das nossas terras!

 

Mas estas horas dolorosas são igualmente horas solidárias na dedicação heróica das populações, dos bombeiros, dos membros da proteção civil, dos agentes de segurança, dos autarcas, das instituições da sociedade civil e da comunicação social no combate aos incêndios, na informação das pessoas, na coordenação dos meios de ajuda e na sensibilização para a salvaguarda da vida e dos bens de cada um de nós.

O melhor de Portugal, como povo congregado à volta das pessoas e em torno das causas do bem, esteve presente e foi visível nestes dias em todas as frentes adversas do combate aos incêndios. A determinação de muitos tornou heróicos estes momentos dramáticos e a ajuda de todos fez solidária esta missão difícil. Cumpre-nos este testemunho de gratidão a todas as pessoas que velaram sem descanso e trabalharam sem desânimo, nestes dias, para minorar os danos materiais e aliviar o sofrimento humano.

Também a Igreja esteve presente, como é seu dever e sua missão, desde a primeira hora. Quisemos, concretamente na Diocese do Porto, nas respostas dadas pelos párocos e pelas paróquias, pelos grupos e movimentos cristãos e na intervenção da Cáritas Diocesana, particularmente em Arouca, Baião, Marco de Canaveses, Gondomar e Vale de Cambra, estar com as populações e com os agentes de combate aos incêndios. Continuaremos a fazê-lo, dia a dia, até porque estamos conscientes de que vai ser longo e difícil o caminho daqueles que tanto sofreram nestes dias e que viram magoada a sua alma e perdidos muitos dos seus bens.

Lembro, a propósito, o que nos diz o Papa Francisco na encíclica Laudato Si, quando se interroga: “O que está a acontecer à nossa Casa?”

“O clima, lembra o Papa Francisco, é um bem comum, um bem de todos e para todos. A nível global, é um sistema complexo, que tem a ver com muitas condições essenciais para a vida humana. Há um consenso científico muito consistente, indicando que estamos perante um preocupante aquecimento do sistema climático (LS n.º 23) … As mudanças climáticas são um problema global com graves implicações ambientais, sociais, económicas, distributivas e políticas, constituindo atualmente um dos principais desafios da sociedade. Muitos pobres vivem em lugares particularmente afetados por fenómenos relacionados com o aquecimento, e os seus meios de subsistência dependem fortemente das reservas naturais e dos chamados serviços do ecossistema como a agricultura, a pesca e os recursos florestais. Não possuem outras disponibilidades económicas nem outros recursos que lhes permitam enfrentar situações catastróficas e gozam de reduzido acesso a serviços sociais e de proteção (LS n.º 25).

E o Papa Francisco adverte-nos, ainda, nesta mesma encíclica, que a falta de reação diante destes dramas dos nossos irmãos e irmãs constitui um sinal de perda do sentido de responsabilidade pelos nossos semelhantes, sobre o qual se funda toda a sociedade civil (cf. LS n.º 25).

Devemos todos a esta luz e nesta chave de leitura, que o Papa Francisco nos oferece, avaliar o que se passa em Portugal neste campo concreto para não esquecermos que há muito a fazer a nível da educação, da prevenção, da consciência cívica e da responsabilidade social de cada um pelo bem de todos.

Este é o caminho que devemos trilhar, porque a natureza é a nossa casa comum onde nada deste mundo nos é indiferente.

Nesse caminho esta é a hora da presença solidária, da gratidão fraterna e da esperança cristã que são os melhores sinalizadores para quem quer preparar e construir o futuro.

Porto, 10 de agosto de 2016

António, Bispo do Porto

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

D. António Francisco dos Santos fala sobre o padre Joaquim Cunha, sacerdote mais idoso de Portugal

Missa
2017-06-14 15:57:08
Terço
2017-06-14 15:56:37
Programa e Ficha de inscrição.
2017-06-02 09:34:51
Ficha de inscrição.
2017-06-02 09:34:11
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.