Faixa publicitária
Homilia de D. José Ornelas, bispo de Setúbal, na Missa exequial de D. Manuel Martins PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2017

 

Hoje reunimo-nos neste emblemático mosteiro de Leça do Balio, testemunha histórica da vida e das vicissitudes do nosso povo e da fé que o tem guiado ao longo dos séculos, para restituir à terra que o viu nascer, o corpo de um homem e um bispo que conclui, no meio de nós, um percurso de vida que marcou os últimos decénios da história recente do nosso país e da Igreja que aqui tem profundas raízes.

Encontramo-nos aqui sobretudo representantes dos muitos mais que gostariam de se ter juntado a nós das dioceses que mais beneficiaram da vida do Senhor D. Manuel Martins: a Diocese do Porto onde ele nasceu, se desenvolveu, formou e começou o seu serviço à Igreja, e a Diocese de Setúbal, da qual foi o primeiro bispo e onde floresceu e deu abundante fruto o seu cuidado de pastor e o seu sonho de uma sociedade fraterna e solidária, especialmente atenta aos seus elementos mais frágeis.

As leituras da Palavra de Deus que acabamos de proclamar iluminam bem o percurso de vida do homem e do Bispo D. Manuel. Ele foi alguém que entendeu, antes de mais, que Deus é um Pastor cuidadoso do seu rebanho, como nos diz o salmo de hoje. Um Pastor que conduz os seus com sabedoria e cuidado, que está próximo e conhece individualmente cada uma das suas ovelhas, dando especial atenção àquelas que são mais débeis. Um pastor que não se poupa para dar confiança e vida àqueles que reúne e orienta, libertando-os da miséria, do medo e da morte.

O próprio D. Manuel se sentiu assim tratado, chamado e conduzido por Deus e dele aprendeu a cuidar a dedicar-se aos outros como cuidador sensível e misericordioso para com o seu povo. Assim se encheu de gosto e preocupação de estar perto daqueles a quem foi enviado, de defendê-los de quantos os manipulam e exploram, de encher-se de "com-paixão" pelas suas dores e feridas, perseguindo, sem descanso, o sonho de um mundo de justiça, de fraternidade e de paz. Entendeu que foi para isso que o Bom Pastor o chamou, como fez com Moisés, o libertador das opressões, com os profetas e as vozes inconformadas da humanidade e da Igreja, que denunciaram a injustiça e proclamaram a libertação e a dignidade em nome de Deus Criador e Pai de todos e cada um dos seus filhos e filhas sobre esta terra.

D. Manuel entendeu muito bem a radicalidade dos critérios de Jesus, o Mestre que ele aprendeu a seguir, que denuncia, no Evangelho que acabámos de escutar, uma religião desenraizada das dores e esperanças dos homens. Por isso ergueu a voz em denúncia das atitudes, políticas e economias que se esquecem dos milhões de pessoas – sobretudo dos mais frágeis e indefesos – que têm fome e não encontram quem os ajude na busca de comer; têm frios que ninguém cobre, são emigrantes e refugiados e encontram muros de rejeição e de preconceitos à sua frente; estão sem trabalho e deparam com pessoas e sistemas que os exploram ou tornam impossível a dignidade de poderem sustentar-se e prover às necessidades das suas famílias; erram e não experimentam abraços de reconciliação e reabilitação, mas apenas dedos apontados e sistemas prisionais vingativos. Por isso D. Manuel deu voz de indignação, como fez o seu Mestre, para chamar "malditos" e destinados ao fracasso, aqueles que exploram ou se demitem de denunciar e reverter as situações de injustiça e de exploração.

É à luz do mesmo Mestre e Senhor que a palavra e a existência de D. Manuel proclamam que "passamos da morte à vida, porque amamos", como nos diz São João, na primeira leitura que escutámos. Por isso ele se tornou um homem solidariamente criativo, para apoiar e cuidar dos que eram deixados à margem das grandes manobras económicas, para congregar pessoas de boa vontade e promover obras que servissem os que mais precisavam. Por isso se tornou homem de pontes e de diálogo, buscando consensos e colaborações, para que, com todas as pessoas de boa vontade, possamos criar juntos um mundo mais humano e justo, onde sejamos mais cuidadores e menos predadores. Esta sua atitude deixou um estilo matricial na Diocese de Setúbal.

Mas, sobretudo, guiado pelo coração do Pastor que o chamou, ele tornou-se um pastor próximo e cuidadoso dos seus presbíteros e diáconos, pronto a acudir aos que fraquejavam e a apoiar os que avançavam, guiando-os, com palavras e exemplo no serviço das suas comunidades. Por isso percorria as paróquias, instituições e associações, promovendo encontro, conhecimento e mediação, para construir uma civilização de respeito pelas diferenças e promotora de dignidade para todos.

E tudo isto Dom Manuel fez, pela sua absoluta convicção no poder e amor de Deus revelado no Senhor Jesus, cujo chamamento escutou, a quem seguiu e imitou, como homem, como crente, como pastor e Bispo. A sua vida e, agora, a sua morte, são expressão de uma inabalável confiança no seu Senhor a quem se entregara, num relacionamento alimentado diariamente numa oração de comunhão com a fonte da vida e do ministério que desempenhou.

Quando morreu, tínhamos acabado de ler, na celebração dominical, a expressão de Paulo que dizia: "para mim, viver é Cristo, e morrer um lucro". Hoje, o nosso Bispo, também parte, livre de todas as canseiras e preocupações, ao encontro do Senhor que seguiu e serviu ao longo da sua peregrinação na terra. Não deixa riquezas, a não ser o bem que fez a tanta gente, as dores que aliviou, as esperanças que criou, a fé que testemunhou, com a palavra e com a vida. Assim partiu ao encontro do seu e nosso Senhor, que um dia o chamou a segui-lo no serviço do seu povo e que hoje renova o seu chamamento dizendo: servo e discípulo fiel, segue-me também na minha morte e na minha ressurreição.

Na nossa Igreja de Setúbal, aqui representada por muitos dos seus fieis e pela maioria do seu clero, agradecemos a Deus, que nos enviou este homem, Dom Manuel, como primeiro Bispo, que marcou o nosso caminho de serviço ao Evangelho no cuidado do povo de Deus.

Agradecemos à família onde ele nasceu e cresceu bebendo, com o leite materno, os elementos fundamentais do amor, do cuidado humano e terno, da solidariedade sem cálculos económicos; família que lhe proporcionou, nestes últimos anos, o apoio que requeria a sua idade avançada. Bem hajam!

Agradecemos à Diocese do Porto, onde ele cresceu na consciência adulta da fé e do serviço humilde e fraterno, que cria comunhão de irmãos e irmãs, conscientes do amor universal e personalizado do Pai do Céu; Igreja onde, no seguimento de outras vozes proféticas como a de D. António Ferreira Gomes, aprendeu a erguer-se para denunciar injustiças e apontar caminhos. Agradecemos a Deus e a todos pelo dom precioso, aqui nascido e que floresceu em Setúbal, deixando Igreja em Portugal uma preciosa herança de humanismo, de fraternidade, de coragem e de fé. Que o seu exemplo seja semente de uma Igreja viva, fraterna, misericordiosa e missionária!

Obrigado, caro D. Manuel,

nosso Bispo, nosso irmão e companheiro

na peregrinação desta terra

e no caminho da humanidade

em direção à plenitude da vida junto do Senhor ressuscitado.

Bendito seja Deus que o enviou a nós, como primeiro Bispo,

colocando uma figura tão inspiradora

nas origens da nossa Igreja de Setúbal.

Que o Bom Pastor o receba nos seus braços de misericórdia

e nos faça cuidar e fazer crescer

as sementes de Evangelho que você foi lançando

nas terras fecundas de Setúbal,

na nossa Igreja, no nosso país e no mundo.

Leça do Balio, 26 de setembro de 2017
D. José Ornelas, bispo de Setúbal

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Missa da Peregrinação diocesana do Porto de 9 de Setembro 2017

Angelus TV

D. António Maria Bessa Taipa em entrevista à Voz Portucalense
2017-10-11 16:12:03
Powerpoint + PDF
2017-10-09 11:26:12
Recursos gráficos
2017-09-19 13:45:08
Formato ICS (Google, Outlook, iCal, ...)
2017-08-21 15:07:09
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.