Faixa publicitária
Homilia - O Natal do Presépio PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2017

1. Passo a passo, num Advento de quatro semanas e numa vida de mais ou menos anos, vimos e vamos caminhando. Desejavelmente, guiados por uma verdadeira estrela, para uma meta que o seja de verdade.

O Povo de Deus fez um caminho de séculos. Deus não se ausentou do seu caminho; os profetas mantiveram vivo, no horizonte da fé, o Messias de todas as promessas, a felicidade de um mundo novo.

O Povo, por sua vez, tropeçou, muitas vezes, nos seus deuses: feitos de barro ou de metal fundido; feitos de infidelidades, de caprichos, de pressas, de descaminhos.

 

Mas a misericordiosa paciência de Deus não se deu por vencida, porque não se dá nunca por vencida. “Deus, que tinha posto as suas esperanças no homem feito à sua imagem e semelhança, diz o Papa Francisco, aguardava pacientemente. Deus esperava. Esperou durante tanto tempo, que talvez num certo momento tivesse tido que renunciar. Pelo contrário, não podia renunciar, não podia negar-se a si mesmo (cf 2Tim 2, 13). Por isso continuou à espera” (Natal, 24.12.2014). E cumpriu todas as promessas. Mas com um excesso tal que o Seu tempo e os Seus modos não cabiam nos estreitos prognósticos humanos. E, por isso, como recorda S. João (1, 1-11), “veio para o que era seu e os seus não O receberam”. Ou, dito para a história de sempre, vem para o que é Seu e os seus não O recebem.

A radical novidade da Encarnação do Verbo de Deus transformou a História. O Cristianismo impregnou a cultura. Mas, como sempre, continuamos a tropeçar nos nossos deuses. E perdida ou esquecida a raiz da perene Novidade de Deus, corremos o risco de deixar que a cultura dilua a essência do Cristianismo. Fazemos a festa e esquecemos o santo! Como se, convidados a um almoço de aniversário, ignorássemos o aniversariante. Mas, sem pessimismos, aproveitemos o que há: ainda temos a festa! E, no coração de muita gente, ainda se assume com alegria que o aniversariante é Jesus Cristo.

A este propósito, há dias (17 de dezembro), o Papa Francisco, na Praça de S. Pedro, pedia: “Quando rezardes em casa, diante do presépio com os vossos familiares, deixai-vos atrair pela ternura do Menino Jesus, nascido pobre e frágil no meio de nós, para dar-nos o seu amor: este é o verdadeiro Natal. Se tirarmos Jesus, o que é que fica do Natal? Uma festa vazia”.

2. Ouvimos há momentos, da Carta aos Hebreus (1, 1-6), que “muitas vezes e de muitos modos falou Deus antigamente aos nossos pais, pelos Profetas. Nestes dias, que são os últimos, falou-nos por seu Filho”.

Como antigamente, fala-nos muitas vezes e de muitos modos. O nascimento de Jesus, na aparente ingenuidade das suas representações em presépios, é um magnífico modo. Condensam leituras cumulativas do povo, crente no mistério central da fé cristã. Está aí a criação, na sua interminável variedade, tendo como centro um Deus feito Menino; está aí a pobreza dos pastores, enriquecida de ternura, e a generosidade improvável de quem vem das periferias; há caminhos, que se adivinham sinuosos e difíceis, mas têm uma meta clara, a gruta; abunda a luz que dissipa as trevas e vence as noites; e, mesmo que algo falhe, não falta a estrela. Em resumo, um mundo variado, o nosso mundo: com gentes diferentes, com dificuldades, com caminhos, com luz. O centro, a estrela, é Ele: o Deus que, sem fingimento, é um de nós. Que se afirma pela pobreza, pela ternura, pela inefável proximidade.

3. “Foi da sua plenitude que todos nós recebemos, graça sobre graça. (…) a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo”, diz-nos S. João.

Enriquecidos do Dom por excelência, sempre inesperado, envolvidos pela luz do presépio, temos as melhores condições para fazer a leitura da nossa vida, no mundo que é o nosso, e de olhar, sem medo, para o futuro.

Oferecemos as alegrias e as tristezas deste ano que caminha para o fim; lembramos, diante da misericórdia de Deus, os familiares, amigos e conhecidos que o Senhor chamou a Si; evocamos a grata memória do Senhor D. António Francisco e damos graças a Deus pelo exemplo de dedicação a todos, particularmente aos doentes e desprotegidos; recordamos as vítimas dos trágicos incêndios deste verão: os mortos e os que choram os seus mortos e a perda dos seus haveres; pedimos pelos pobres, pelos sós, pelos esquecidos da família e da sociedade.

De um modo muito particular pedimos a paz para a terra natal de Nosso Senhor Jesus Cristo. “Que prevaleçam a sabedoria e a prudência, para evitar acrescentar novos elementos de tensão num panorama mundial já convulsivo e marcado por tantos conflitos cruéis", pediu há dias o Papa Francisco; que as pedras se transformem em pão (cf Mt 4, 3); que a insensatez dê lugar à capacidade de um diálogo que conduza à paz, que só o será se percorrer o caminho do respeito pela dignidade de todos. Como ouvíamos do profeta Isaías (52, 7): “como são belos sobre os montes os pés do mensageiro que anuncia a paz”.

O Menino do Presépio, diz o Papa Francisco (Santa Marta, 14 de dezembro de 2017) “é o Deus grande que se faz pequeno e na sua pequenez não deixa de ser grande. O Natal ajuda-nos a entender isso: na manjedoura, está o Deus pequeno. Com a sua ternura aproxima-se de nós e nos salva”.

 

Sé do Porto, 25 de dezembro de 2017

+Pio Alves, Bispo Auxiliar do Porto

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Entrada Solene de D. Manuel Linda na Diocese do Porto

Agência Ecclesia

Ficha de inscrição e programa
2018-06-13 15:14:45
Ficha de inscrição
2018-06-11 11:58:35
Panfleto informativo
2018-06-11 11:56:53
Folheto
2018-05-04 16:29:44
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.