Faixa publicitária
Mensagem às Forças Armadas e às Forças de Segurança PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Bispos - D. Manuel Linda, bispo do Porto

“Não se deixa sem dor o que se possuiu com amor”

1. No exercício do seu dever de velar pelo bem de todas as dioceses do mundo, o Santo Padre, o Papa Francisco, acaba de me confiar uma nova tarefa: assumir a função de Bispo da Diocese do Porto. Trata-se de um pedido irrecusável: quer os militares e polícias, quer nós, pessoas da Igreja, sabemos bem o que é obedecer e a força moral de uma «guia de marcha» para onde os nossos superiores entendem que somos necessários.

2. Por este motivo, partirei, com gosto, para o trabalho apostólico numa grande diocese que muito amo e admiro. Não obstante, esta mudança de actividade gera no meu interior uma extensa mancha de nostalgia e de saudade, já que, os quatro anos passados no meio castrense criaram relações e enraizaram amizades que não se podem ignorar. Agora, compreendo melhor uma conhecida frase de Santo Agostinho de Hipona e que se aplica a mim próprio: “Não se deixa sem dor o que se possuiu com amor”.

 

3. Deixo, de facto, um sector que me proporcionou muitas alegrias: o Ordinariato Castrense para Portugal ou Diocese das Forças Armadas e das Forças de Segurança. Aos militares e polícias garanto que a nossa foi uma história feliz. Agora que saio, estou em condições de completa liberdade para repetir o que sempre disse: agradeço-vos o zelo com que avalizais os valores inegociáveis da paz, segurança, liberdade, bem comum e a própria democracia.

4. Por pedido do Santo Padre, continuarei a exercer as funções de “Administrador Apostólico” do Ordinariato Castrense, até à nomeação do futuro bispo. Quer isso dizer que continuarei a presidir a uma ou outra celebração religiosa e a tornar-me presente nas várias estruturas militares e policiais por intermédio dos Capelães.

5. No Porto, há muitos militares e polícias. Podem contar com a minha especial dedicação. Mas, na realidade deste mundo globalizado e no tamanho do nosso país, certamente as circunstâncias nos colocarão frente a frente muitas vezes. Anseio por esses momentos, pois tenho a certeza de que a amizade ultrapassa os limites das distâncias físicas.

6. Caros militares e polícias de Portugal, habituei-me a ver em vós pessoas muito capacitadas, profissionais que não descuidam a formação contínua e gente portadora de uma especialíssima sensibilidade social. Sabeis, de facto, que existis não para vós, mas para servir a sociedade. Sois, portanto, portadores de imensos valores: conservai-os! Constituí-vos como uma das grandes reservas morais da Nação. E que a sociedade se habitue a respeitar sempre mais quem a serve tão denodadamente.

7. Saudai-me as vossas famílias e aqueles a quem quereis bem: elas também são «militares e polícias» por participação no vosso estilo de vida, na contínua mobilidade que tendes de suportar, na dureza e no perigo das funções que assumis. Dizei-lhes que também as aprecio muito. E para todos e cada um de vós, o abraço fraterno deste vosso amigo que convosco procurou fazer caminhada ao longo destes quatro anos. Deus vos ajude.

O vosso irmão e amigo,

+ Manuel Linda

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Entrada Solene de D. Manuel Linda na Diocese do Porto

Agência Ecclesia

Folheto
2018-05-04 16:29:44
Suplemento
2018-03-15 12:02:31
Boletim
2018-02-21 12:43:29
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.