Faixa publicitária
Jubileu Sacerdotal - D. Pio Alves de Sousa PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2018

Bodas de Ouro

1. Agradeço, penhoradamente, a presença de todos para, comigo, dar graças a Deus por 50 anos de sacerdócio.

50 anos que, na prática, se estendem à vida toda, já que os sons e os ecos de uma chamada divina se perdem nos alvores da meninice. A semente da vocação foi tomando forma no seio de uma família cristã e da comunidade paroquial de Lanheses em que, então, abundavam as respostas a idêntico convite. Depois, os Seminários de Braga (superiores e colegas), e sempre a família, num contexto de liberdade pessoal, ampararam esse delicado crescimento. E foi assim que, no dia 15 de agosto de 1968, na Sé de Braga, D. Francisco Maria da Silva me ordenou e me incorporou ao presbitério bracarense.

 

Iniciei aí um caminho, geograficamente variado, mas em que sempre esteve presente o sim dado ao meu Bispo e aos seus legítimos sucessores: em Guimarães, Pamplona, Braga e Ponte de Lima, Lisboa, de novo Braga e, finalmente, Porto.

É-me grato recordar aqui os bispos com quem tive (e tenho) a grata oportunidade de viver esse compromisso de obediência filial: D. Francisco Maria da Silva, D. Eurico Dias Nogueira, D. Jorge Ortiga, D. José Policarpo, D. Manuel Clemente, D. António Francisco dos Santos, D. Manuel Linda. Peço a Deus o eterno descanso daqueles que o Senhor já chamou a Si e saúdo, com especial estima, aqueles com quem ainda posso trabalhar.

O caminho, esse longo caminho, como é normal, teve altos e baixos, dificuldades e contratempos, mas muitas (muitas!) alegrias. A serena alegria de quem, dentro da legítima e pessoal maneira de ser, procura fazer o melhor, procura fazer o que Deus pede.

Dou graças a Deus, porque sempre pude contar com quem abrir a alma e pedir conselho.

Como é óbvio, são incontáveis as pessoas com quem contactei ou que contactaram comigo ao longo destes anos. Que me perdoem aquelas a quem, por alguma razão, possa ter defraudado. Dou graças a Deus pelos amigos que fui deixando nos diferentes lugares e serviços por onde passei. Quero referir, de modo especial, os muitos e leais colaboradores e colaboradoras, meu braço direito em tantas iniciativas e atividades. Obrigado!

Minhas irmãs, meus irmãos:

2. O evangelho da Missa de hoje (Mc 7, 31-37) narra a cura de “um surdo que mal podia falar”. Jesus Cristo cura a surdez: “abre-te”, diz, e “imediatamente se abriram os ouvidos do homem (…) e começou a falar corretamente”.

Percebe-se que, fisiologicamente, a surdez tenha influência sobre a capacidade de falar de modo inteligível. Com a mesma nitidez, deveríamos perceber que, numa visão mais abrangente, se queremos falar de Deus, primeiro deveremos ouvir Deus. O episódio poderá sustentar a interrogação: é prioritário que nos entendam ou, antes, será prioritário curar a nossa surdez? É que, sem ouvir, sem ouvir Deus, corremos o risco de que a linguagem, os modos, sejam a mensagem ou, dito de outro modo, sejamos nós a mensagem. E nós interessamos pouco ou nada!

Prevenido o risco do mensageiro feito mensagem, garantimos o cumprimento da afirmação de S. Tiago, na segunda leitura (Tg 2, 1-5): “A fé em Nosso Senhor Jesus Cristo não deve admitir aceção de pessoas”, porque derramou o Seu sangue pela remissão de muitos, de todos (cf. Mt 26, 28; Mc 14, 289).

O Papa Bento XVI, que me chamou ao episcopado, escreve na encíclica Caritas in Veritate que “sem verdade, a caridade cai no sentimentalismo. O amor torna-se um invólucro vazio, que se pode encher arbitrariamente. (…) Em Cristo, a caridade na verdade torna-se o rosto da Sua Pessoa, uma vocação a nós dirigida para amarmos os nossos irmãos na verdade do Seu projeto. De facto, Ele mesmo é a Verdade” (CV 3. 1).

Estas palavras não são, contudo, um convite a descuidar os modos. Querem despertar uma oportunidade de exame da nossa comum condição de discípulos, de “discípulos missionários”, como nos recorda o nosso Plano Diocesano de Pastoral para este ano. Por isso, caros sacerdotes e todos, como nos recorda o profeta Isaías (Is 35, 4-7a), “tende coragem, não temais. Aí está o vosso Deus”.

Com Maria, Senhora da Vandoma, apreendido o fundamental do desígnio de Deus a nosso respeito, saibamos dizer, com palavras e obras, com a vida toda: “eis a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1, 38).

3. Celebramos hoje, também, o aniversário da dedicação desta catedral: igreja mãe da Diocese. Materialmente, está em obras: sinal da sua longevidade. Sinal também da sua permanência como afirmação visível e apelo à unidade à volta do seu bispo: o Senhor D. Manuel Linda.

Evocamos também a memória de um dos seus fiéis antecessores – D. António Barroso – no centenário da sua morte. O báculo que hoje (como habitualmente) usamos nas celebrações na catedral foi o seu báculo. Um báculo pesado mas consistente! É assim o governo da Diocese!

Pedimos a Deus a rápida evolução do processo canónico que conduzirá à sua beatificação. Que o seu desassombro no amor à verdade, que a amplitude dos seus horizontes, que a heroicidade das suas virtudes, que a sua intercessão nos ajudem a servir a todos e a cada um na Igreja de Jesus Cristo.

Sé do Porto, 09 de setembro de 2018

+Pio G. Alves de Sousa, Bispo Auxiliar do Porto

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Entrada Solene de D. Manuel Linda na Diocese do Porto

Agência Ecclesia

Brochura Caminhada
2018-11-14 16:53:38
Word - V5
2018-11-06 15:59:47
PDF - V4
2018-11-06 15:45:09
Semana dos Seminários
2018-10-22 15:26:09
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.