Faixa publicitária
A Igreja de sempre e a liturgia de sempre PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Notícias - Notícias

Mercê da competitividade a que nos sujeitam e do modelo de economia que nos impõem, o homem contemporâneo relaciona-se melhor com os números e as siglas do que com os símbolos e as grandes metáforas do sentido. Não obstante, não são os primeiros que lhe «enchem a alma». Como tal, perante a aridez que a cultura atual denota neste particular, é bem visível a busca de significados para a existência mediante a ritualização e a redescoberta das raízes identificadoras da memória histórica.

 

A liturgia cristã insere-se neste âmbito. Por isso, bem cedo cortou com o «funcionalismo» cultual do templo de Jerusalém: percebeu que o culto que «agrada a Deus» é, simultaneamente, tornar presente e aceder ou inserir-se no acontecimento salvífico da Páscoa do Senhor Jesus e de quanto Ele realizou “por nós homens e para nossa salvação”.

 

Porém, por razões históricas aceitáveis, gradualmente, o culto deixou de ser “ação comum do povo cristão” e converteu-se em ação rotineira ou de «cerimónias» confiadas exclusivamente ao clero. Mas o Concílio Vaticano II «refontalizou» esta verdade histórica, que lhe vinha dos primórdios, e restituiu à comunidade não só a capacidade de «participar», mas até a de se constituir o verdadeiro sujeito da liturgia, detentora da unidade e diversidade das tarefas.

Fê-lo por intermédio de uma profunda reflexão teológica e, visivelmente, pela introdução das línguas habituais e pela redescoberta dos serviços a exercer: leitores, acólitos, grupos corais, monitores da assembleia, especialistas em arte e beleza, etc. E muito, muito caminho se percorreu desde então para cá. Embora também haja quem nada tivesse compreendido e seguisse pelas vias do maior atropelo ao espírito da liturgia.

A realização do primeiro encontro diocesano de acólitos constituiu a expressão da beleza e da vitalidade de uma Igreja que segue pelas vias conciliares. Exprime a compreensão teológica do dado da grande tradição católica, a verdadeira e autenticamente simbólico-espiritual, que alimentou a santidade de milhões e milhões de crentes. E não apenas a «pequena tradição» que se fixa no século XVI como se ele constituísse a totalidade ou o melhor da nossa história.

***

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Entrada Solene de D. Manuel Linda na Diocese do Porto

Agência Ecclesia

Word - V4
2018-10-10 14:32:33
PDF - V4
2018-10-10 14:30:44
Recursos Gráficos
2018-07-13 15:07:10
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.