Faixa publicitária
A Mãe ferida PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Textos e Apresentações

(Mensagem 31)

Parece um paradoxo, mas o cristianismo já o é por natureza: no preciso dia em que nós celebrávamos a vida e entoávamos aleluias festivos em Páscoa de ressurreição, lá para o Siri Lanka, grupos assassinos conseguiram sobrepor a morte e a destruição, o sangue e as lágrimas. Isto surpreende?

 

Surpreende que, neste tempo de globalização, ainda haja quem exija situar-se sozinho no mundo e não reconheça o direito de os outros existirem. Mas não espanta nada o que se faz à Igreja: ela está habituada ao martírio desde o primeiro momento, desde que ousou marcar a diferença e acreditar que Deus é Pai comum e que, consequentemente, os homens devem sentir-se irmãos.

 

Sim, esta é uma Igreja de mártires desde o princípio, uma comunidade de rejeitados, um grande grupo de homens e mulheres ridicularizados, humilhados, impedidos de «subir» laboral e socialmente por causa desse «pecado» grave de se ser… cristão. Uma coletividade de trucidados, torturados, ofendidos, raptados, presos. Ou, simplesmente, mortos. Mas quem o faz? Só esses grupos fanáticos?

Infelizmente, a perseguição não é exclusiva do Oriente. Também entre nós, forças ocultas manobram os cordelinhos para que uma certa comunicação social e opinião pública se tornem adversas, agressivas, hostis contra a Igreja, quer insistindo no mal que nela possa existir, quem omitindo ostensivamente o bem que realiza. Com um objetivo: passar a ideia de que a Igreja é uma associação de malfeitores, gerando, assim, desprezo, aversão e perseguição.

Na última Via Sacra, no Coliseu, o Papa Francisco lançava um grito de sensibilização em favor desta Igreja “perseguida e atacada por dentro e por fora”. E nas Jornadas Mundiais da Juventude, no Panamá, comparava-a a uma mãe ferida.

Pois, como ele mesmo dizia, “ninguém abandona uma mãe ferida”. Teríamos nós coragem de o fazer, abandonando a Igreja à sua sorte?

A primeira tarefa dos cristãos de hoje é a de se unirem à volta da Mãe. Embora sem conchas, como os moluscos.

***

 

 

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Entrada Solene de D. Manuel Linda na Diocese do Porto

Agência Ecclesia

Guia?o.56.ª.Semana.Orac?a?o.Vocac?o?es Versão reduzida
2019-04-26 12:20:40
Cartaz e banner FB
2019-04-17 14:56:29
Pagela Oração
2019-04-17 14:56:10
Guião
2019-04-17 14:55:11
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.